28 de agosto de 2013

O batismo e a circuncisão



Recentemente vi um debate entre um defensor do batismo infantil e outro que defende o lado contrário, do batismo consciente, a partir de quando a pessoa tem a capacidade de discernir entre o bem e o mal e que possa se arrepender de seus pecados. Meus argumentos contra o batismo infantil já foram sumariados neste artigo, de modo que não vale a pena repetir novamente os mesmos argumentos que já foram apresentados. Neste artigo, apenas me limitarei a comentar sobre toda a (única) base argumentacional do debatedor favorável ao batismo infantil, que admitiu que ele não se encontra explicitamente na Bíblia, mas crê que ele é dedutível a partir da tipologia entre circuncisão e batismo.

Dito em termos simples, na visão dele, como a circuncisão tipifica o batismo e as crianças eram circuncidadas ao oitavo dia segue-se necessariamente que os bebês devem ser batizados também. Essa lógica aparenta fazer algum sentido, e até certo ponto pode complicar a contra-argumentação de alguém que seja menos instruído, mas não resiste a um exame crítico do argumento. Mesmo trabalhando em cima da premissa dele de que a circuncisão era uma tipologia do futuro batismo, devemos destacar que:

• Apenas as crianças do sexo masculino eram batizadas, as mulheres nunca passavam por qualquer tipo de circuncisão. Se a tipologia entre circuncisão e batismo for levada aos extremos que o debatedor se utiliza, então obviamente apenas os bebês do sexo masculino deveriam ser batizados, negando assim o batismo às mulheres, o que seria um absurdo.

• A circuncisão não podia ser praticada em “qualquer dia”, mas repetidamente era reiterado que tinha que ser sempre no oitavo dia de vida da criança (Lv.12:3). A coisa era tão séria e rigorosa sobre isso que até mesmo quando o dia da circuncisão caía em um Sábado ela tinha que ser efetuada neste dia, mesmo sendo considerado um “trabalho” que teoricamente não poderia se fazer no Sábado (Jo.7:22,23). Assim, deveríamos esperar o mesmo rigor em fazer com que o batismo fosse efetuado sempre ao oitavo dia da criança, mas essa regra não existe nas igrejas que batizam recém-nascidos.

• A circuncisão não era praticada por todas as nações, mas pelos israelitas, já o batismo é efetuado em judeus e em não-judeus indistintamente.

Portanto, a questão não é tão simples como alegar que: (1) a circuncisão tipifica o batismo; (2) crianças eram circuncidas; então: (3) crianças devem ser batizadas. Por essa mesma lógica, as mulheres não poderiam ser batizadas, nem os não-judeus, e todos os que fossem batizados deveriam ser especificamente no oitavo dia, nem antes nem depois. A verdade é que o batismo cristão possui um elemento importante que não pode ser ignorado e que o distingue essencialmente da circuncisão, que é a necessidade do arrependimento.

Ninguém precisava se arrepender para ser circuncidado, bastava que fosse hebreu e do sexo masculino. O batismo, porém, apresenta esse pré-requisito básico, razão pela qual o batismo é chamado repetidas vezes de “batismo de arrependimento” (Lc.3:3; At.13:24; Mc.1:4), mas a circuncisão nunca é chamada de “circuncisão de arrependimento”. Isso implica que o arrependimento é necessário para o batismo na Nova Aliança, ainda que não fosse necessário para a circuncisão no Antigo Pacto. Na Nova Aliança, é preciso primeiro crer, e somente depois ser batizado (At.8:36-38; At.18:8; Mc.16:16), já na circuncisão não havia qualquer necessidade de crer para depois ser circuncidado. Esse elemento novo, chamado arrependimento, não apenas distingue o batismo da circuncisão, mas também lhe confere pré-requisitos distintos dela.

Enquanto os pré-requisitos da circuncisão era de ser judeu do sexo masculino e de se circuncidar ao oitavo dia, os pré-requisitos do batismo é crer em Cristo e arrepender-se dos seus pecados. É por isso que o batismo só seria conferido ao etíope se ele cresse (i.e, condicional a crer – At.8:36-38), é por isso que somente aqueles que criam eram batizados (At.8:36-38; At.18:8; Mc.16:16), é por isso que antes de se batizar confessavam-se os pecados (Mt.3:6), é por isso que apenas “homens e mulheres foram batizados” (At.8:12) e não crianças, é por isso que o batismo é chamado de “batismo de arrependimento” (Lc.3:3; At.13:24; Mc.1:4), e por isso que o próprio Jesus somente se batizou quando adulto, e não quando recém-nascido (Mt.3:13). Indiscutivelmente, o batismo cristão possui pré-requisitos básicos diferentes da circuncisão.

Alguém poderia alegar que isso seria “injustiça” com os bebês, mas o mesmo poderia ser dito sobre os pré-requisitos da circuncisão: alguém poderia fazer o mesmo e alegar que isso é “injusto” para com as mulheres. E isso muda alguma coisa? É claro que não. Da mesma forma que Deus aceitava as mulheres no AT mesmo sem serem circuncidadas, Ele aceita as crianças no NT, mesmo sem serem batizadas. É tudo questão de lógica e bom senso. Foi por isso que Jesus aceitou as criancinhas que vieram a ele (Mt.19:14), mas jamais mandou batizar alguma criança. Aliás, em lugar nenhum das Escrituras aparece alguma criança sendo batizada, razão pela qual eles se veem forçados a lançarem mão do ambicioso porém pouco útil “argumento da circuncisão”, sustentando em cima de premissas fracas e superficiais aquilo que constitui toda a base argumentativa deles.

Paz a todos vocês que estão em Cristo.

Por Cristo e por Seu Reino,


-Meus livros:

- Veja uma lista de livros meus clicando aqui.

- Confira minha página no facebook clicando aqui.

- Acesse meu canal no YouTube clicando aqui.


-Não deixe de acessar meus outros blogs:

LucasBanzoli.Com (Um compêndio de todos os artigos já escritos por mim)
Apologia Cristã (Artigos de apologética cristã sobre doutrina e moral)
O Cristianismo em Foco (Artigos devocionais e estudos bíblicos)
Desvendando a Lenda (Refutando a imortalidade da alma)
Ateísmo Refutado (Evidências da existência de Deus e veracidade da Bíblia)
Fim da Fraude (Refutando as mentiras dos apologistas católicos)

28 comentários:

  1. Lucas,
    Li uma materia que fala que a formula batismal "Em nome do Pai, do Filho e do Espirito Santo", descrita em Mt 28:19, foi acrescentada pela idolatria romana.
    O que voce pensa a esse respeito?
    Veja a materia:
    http://www.adventistas-bereanos.com.br/2006novembro/osfundamentosdemateus28.19.htm

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não concordo. Eusébio não serve para fundamentar nada em termos de Crítica Textual, ele não era copista de nada, apenas escreveu que o batismo foi feito em nome de Jesus porque de fato há vários textos de Atos onde o batismo é feito em nome de Jesus, isso não significa que ele cresse que o texto específico de Mt.28:19 foi "adulterado". Para saber se algo consta nos originais ou não, é só ir aos manuscritos antigos. Se todos os mais de cinco mil trazem de um jeito sem nenhuma variante, então fica difícil dizer que o texto não faz parte. Seria ridículo se tivéssemos que reformular todos os critérios da crítica textual para se adaptar ao "argumento de Eusébio", ou seja, que só vale os textos que Eusébio cita (se Eusébio não cita, então tira da Bíblia).

      Essa é a minha opinião, mas se me mostrarem manuscritos antigos com variantes, que tragam só Jesus em Mt.28:19, eu estou totalmente aberto a mudar de opinião se for o caso (sobre este verso em especial). Só não acho que o argumento de Eusébio por si só seja algo decente.

      Abraços!

      Excluir
  2. Outrossim, gostaria de acrescentar que os demais textos biblicos nao indicam a formula batismal descrita em Mt 28:19, ao contrario, o Livro de Atos diz, em todos os versos que tratam do assunto, que o batismo deveria ser feito "Em Nome de Jesus Cristo (do Senhor Jesus)".
    Veja outra materia interessante, para uma analise apropriada;
    http://www.igrejadedeusemsaopaulo.org.br/mateus28-19.htm
    Saùde!!!

    ResponderExcluir
  3. Lucas,
    Entendo e concordo com sua posiçao, mas gostaria de saber o seu pensamento sobre os seguintes pontos:
    1. Quando Cristo supostamente disse o que está registrado em Mateus 28:19, havia discípulos presentes. E obviamente, o que Ele disse foi ouvido e entendido por eles.
    2. Portanto, um discípulo como Pedro, por exemplo, poderia nos dizer exatamente como foi que entendeu a ordem do Salvador.
    3. Deveriam eles, a partir de então, batizar em nome de uma trindade, composta por três pessoas divinas, que, misteriosamente, formam um único Deus? Veja que, em Atos 2:38, Pedro conclama seus ouvintes a se arrependerem para serem batizados "Em Nome de Jesus" (sem citar três nomes). Tal apostolo explicou, ainda, que os batizados em nome de Jesus receberiam, como dadiva, o selo do Espírito Santo.
    4. Suponhamos, porém, que Pedro, nessa ocasião, houvesse esquecido a ordem de Mateus 28:19 e deixado de batizar em nome da trindade, pergunta-se: teria a Bíblia uma outra evidência de como Pedro entendera a última ordem de Jesus? Atos 10:48, por exemplo, afirma que ele ordenou que Cornélio e os seus que deveriam ser batizados em nome de Jesus.
    5. Assim, é possivel que Pedro deva ter entendido o imperativo de Jesus diferentemente do que a maioria dos trinitarianos compreendem hoje.
    6. Será que Pedro estava sozinho em seu entendimento? Não. Em Atos 8:16, ele e João foram a Samaria encontraram um grupo que havia sido batizado em nome de Jesus por Felipe. Faltava-lhes apenas receber o divino presente de batismo, que era o Espírito Santo. Por isso, Pedro e João lhes impuseram as mãos e oraram por eles.
    7. E o apóstolo Paulo, que dizia não ter recebido o Evangelho de nenhum homem, mas do próprio Cristo (Gálatas 1:12), batizava ele em nome da trindade? Quando visitou Éfeso, Paulo encontrou irmãos que conheciam apenas o batismo de João. Pois bem, Paulo, depois de instruí-los, batizou-os somente no nome do Senhor Jesus. Depois, colocou a mão sobre eles para que recebessem Espírito Santo. E eles falaram em línguas conhecidas e profetizaram!
    8. Parece nao haver, na Bíblia, qualquer registro de batismo realizado em nome de uma trindade. Diante disso, restam-nos três opções apenas: (a) os discípulos se rebelaram contra Jesus e desobedeceram Sua ordem de batizar em nome da trindade; (b) os discípulos entenderam a ordem de um jeito diferente do proposto pelos trinitarianos; (c) Jesus nunca ordenou que batizassem em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.
    9. Nos sete primeiros itens, deste texto, parece ficar claro que a ordem de Mateus 28:19 foi entendida pelos discípulos de modo diferente do que hoje defendem os trinitarianos, pois batizavam em nome de Jesus. Poderia a terceira opção ser também verdadeira, ou seja, poderiam os discípulos ter entendido a ordem de maneira diferente porque, de fato, foi dada de modo diferente?
    10. O que dizer da nota de rodapé da Biblia de Jerusalém que diz que houve esse acrescimo?
    11. Serà que o batismo era feito em nome de Jesus Cristo e em nome do Pai do Filho e do Espirito Santo para atender os escritos biblicos?
    Saùde!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Existe uma terceira opção que você não considerou: que não existe uma forma única e "oficial" de praticar o batismo, mas várias formas consideradas válidas. Isso é melhor do que dizer que um texto presente em absolutamente todos os manuscritos gregos antigos - incluindo os pré-nicenos - é uma "adulteração".

      Excluir
  4. Como fica a afirmaçao de Paulo, em Efesios 4:5, que diz que existe somente um batismo, o qual era feito por ele proprio "Em nome de Jesus Cristo" (Atos 19:5)?
    Lembremo-nos de que o Evangelho que Paulo pregava, havia sido recebido, segundo ele, mediante revelação do proprio Jesus Cristo (Galatas 1:11-12) e nao me tranquiliza achar que a formula batismal pouco importa ou é desprezivel.
    Na primeira assembleia de Jerusalem parece nao ter havido qualquer discordia sobre a formula batismal, pois, pelo que parece, nao foi objeto de discussao entre os apostolos (Atos 15: 28-29).
    Alem disso, nao encontramos, na Biblia, nenhum batismo que foi realizado sob a invocação dos títulos (Pai, Filho e Espírito Santo), ao contrario, muitos foram realizados em Nome de Jesus Cristo (Atos 2:38, 10:48, 8:16, 19-5...).
    Salvo erro, as passagens de Zacarias 14:9 e Isaias 52:6 paracem mostrar que o nome do Pai, do Filho e do Espirito Santo é JESUS CRISTO, unico nome pelo qual devemos ser salvos (At 4:12).
    Talvez a fundamentaçao mais logica para que a formula batismal correta seja "Em nome de Jesus Cristo" seja o fato de Mateus estar presente no dia de Pentecostes, junto com os demais Apóstolos, e ter ouvido Pedro dizer: "Arrependei-vos, e cada um de vós seja baptizado em Nome de Jesus Cristo!" (Atos 2:38).
    Claro que isso tudo nao muda o texto biblico de Mt 28:19, mas certamente tras alguma luz para entender o terrivel esforço da idolatria romana para embasar a doutrina da trindade, usando a suposta formula batismal, descrita no livro de Mateus (o que me parece mais uma falta de entendimento das Escrituras).
    Grato.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não disse que a fórmula batismal é "desprezível", disse que não existe uma única fórmula fixa. Mesmo nos textos que falam de batizar em nome de Jesus não há uma fórmula fixa; uns dizem "em nome de Jesus", outros "em nome de Jesus Cristo", e outros "em nome do Senhor Jesus Cristo". Se as palavras exatas que saem da boca do batizador na hora é o mais importante, então estamos literalmente perdidos.

      Desde quando que "um só batismo" se refere a "uma só FÓRMULA batismal"? Me desculpe, mas isso você está colocando na boca de Paulo. Ele nunca disse isso, isso é uma paráfrase sua. Se o termo "um" indica alguma coisa, é em termos de quantidade, não de "fórmulas". Cada pessoa se batiza uma única vez, é só isso que o texto está dizendo. Afinal, não vamos nos batizar todo domingo na igreja, ou vamos?

      De nada adianta ficar passando um monte de texto que fala do batismo em nome de Jesus para tentar impugnar o batismo em nome dos três. Isso seria como tentar passar um monte de textos que falam que "Deus é luz" para tentar impugnar o texto que diz que nós somos luz. Isso é entrar pelo processo inverso. Primeiro se prova que Mateus 28:19 é uma "adulteração terrível da idolatria romana", e DEPOIS se usa os outros textos. Enquanto você não provar que Mateus 28:19 não faz parte da Bíblia, usar outros textos só servirão para mostrar que há pelo menos algumas fórmulas batismais consideradas válidas, e NÃO que Mateus 28:19 é uma "terrível adulteração".

      Excluir
  5. Existem, na Biblia, pessoas que foram batizadas pelo menos duas vezes, por orientaçao apostolica (At 19:5) e Paulo cita, ainda, pessoas que se batizavam pelo mortos, provavelmente se referindo a uma seita que cria que as almas dos mortos estao vivas em algum lugar e que as nossas açoes podem beneficia-las.
    Por isso, nao creio que o apostolo falava somente da quantidade de batismos, mas tambem da qualidade deles, os quais deveriam ser realizados "Em nome de Jesus Cristo", por aqueles que faziam parte da igreja primitiva, ou seja, os ministros escolhidos por Deus para apascentar a Sua herança.
    Eu, por exemplo, fiu batizado "Em nome de Jesus Cristo", mas existem milhoes de pessoas que nao o foram, pois pertecem a instituiçoes religiosas que seguem unicamente Mt 28:19.
    Nao sou melhor do que ninguem, mas nao me sentiria em paz se nao tivesse obedecido aos Escritos Sagrados e tivesse desprezado aquilo que acredito fazer parte da doutrina apostolica, revelada pelo Espirito Santo (1 Co 14:37).
    Como a Biblia é inerrante, acredito que tenha havido um erro de traduçao, pois, a meu ver, o correto seria batizar "Em nome de Jesus Cristo", isto porque somente depois da conversao é que Jesus passa a ser o Senhor daquela vida.
    Deus te abençoe!!!

    ResponderExcluir
  6. Gostaria apenas de acrescentar que a Biblia parece adotar "Jesus Cristo" (Jesus o Cristo) como o nome do Filho de Deus.
    Jà a expressao "Senhor Jesus" parece ser um titulo, de sorte que provavelmente a formula batismal utilizada pelos apostolos devia ser "Em NOME de Jesus Cristo".
    Sao apenas conjecturas.
    Grato

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Atos 19:5 não fala de um segundo batismo nas águas, mas do batismo no Espírito Santo.

      Discordo da sua interpretação do que vem a ser o "batismo pelos mortos". Escrevi sobre isso aqui:

      http://ocristianismoemfoco.blogspot.com.br/2015/09/o-que-e-o-batismo-pelos-mortos.html

      Para haver um "erro de tradução" é necessário que os originais tragam uma coisa, e que os tradutores tenham pervertido essa coisa. No caso os manuscritos gregos teriam que trazer apenas "em nome de Jesus", e os tradutores da nossa língua vertido por "em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo". Mas não é isso o que ocorre aqui, porque OS PRÓPRIOS manuscritos gregos trazem a fórmula trinitariana (ou como queira chamar). E é estranho dizer que "a Bíblia é inerrante", e logo depois dizer que há uma "terrível adulteração" no texto de Mateus 28:19. Ou ela é inerrante, ou ela não é. Se um único texto é adulterado, então ela não é. É o que a sua afirmação leva a crer, mesmo que você negue.

      "Cristo" também é título, não é nome. Significa "Messias". O nome da segunda pessoa da trindade é simplesmente "Jesus". Messias é o que este Jesus é.

      Abs.

      Excluir
    2. Marcelo Victor, talvez isso ajude sobre Mateus 28:19

      https://jesushomem.wordpress.com/2014/03/01/toda-verdade-sobre-mateus-2819/

      Excluir
    3. Caro A Franco,
      Li o texto e achei-o excelente, aliàs entendo que tudo que vem da idolatria romana deve ser visto com olhos cuidadosos, pois o paganismo, ali praticado, é tanto que faz a gente duvidar de tudo.
      Pela vasta quantidade de passagens biblicas que citam (e determinam) o batismo "Em Nome de Jesus Cristo", me sinto feliz por ter sido batizado dessa forma, em conformidade com a Biblia.
      Nao que isso, por si sò, garanta minha salvaçao, mas, como dizem as Escrituras Sagradas, aquele que guarda a Palavra de Deus é quem, verdadeiramente, O ama ( 1 Jo 2:4-5 e Jo 14:21,23).
      Saùde!!!

      Excluir
  7. Atos 22:16 explica que, mesmo apos a conversao, a pessoa tem que se batizar nas aguas, com o objetivo de lavar-se dos pecados, invocando o nome de Jesus:
    https://www.youtube.com/watch?v=5UMh7vBf5ZY

    ResponderExcluir
  8. Que mal lhe pergunte, caro Lucas: voce foi batizado nas aguas? Qual foi a formula batismal usada?

    ResponderExcluir
  9. Caro Lucas,
    Nem todos os meus comentarios representam as minhas posiçoes biblicas, mas aproveito o fato de voce ser um estudioso (nos assuntos biblicos) para questiona-lo e, conferindo com a Biblia, aprender um pouco mais.
    Acredito, sim, na inerrancia da Palavra de Deus, pois, apesar das diferenças que existem em determinados textos biblicos, em linhas gerais, a ideia central tras uma coerencia impressionante, ainda que, segundo a historia, alguns escritores biblicos nao tenham tido qualquer contacto uns com os outros.
    Apesar das diferenças que existem entre determinados textos biblicos, espero que voce tambem acredite na inerrancia biblica, ou nao?
    Por causa dessas diferenças biblicas, creio ser imprescindivel buscar, com humildade, a guia do Espirito Santo de Deus para que Ele ache graça em nos dar o perfeito entendimento da Sua vontade.
    Veja que muitos homens de Deus, do passado, foram repreendidos por Ele, por nao terem compreendido, com perfeiçao, as coisas espirituais, ao ponto do Espirito Santo deixar registrado, na Biblia, para nosso ensino, tais contradiçoes, mostrando que somos todos faliveis (Gl 2:11 e 2 Pe 3:15-16).
    Se formos humildes, o Senhor pode abrir a porta da revelaçao para cada um de nòs e nos fazer chegar ao perfeito entendimento da Sua vontade, apesar do grande numero de figuras de linguagem encontradas nos escritos sagrados.
    Quando eu disse que "Senhor" é um titulo e voce rebateu, dizendo que "Cristo" tambem era um titulo (o que, para mim, tambem é bastante claro na Biblia), eu quis dizer apenas que a palavra "Cristo" é importante, pois a propria Biblia tras o nome "Jesus" para outra pessoa (Cl 4:11), o qual nao é o Filho de Deus. De sorte que dizer "Jesus Cristo" parece definir de que pessoa se està falando (do Messias).
    A meu ver, At 19:5 fala, sim, de batismo nas aguas, tendo como um bom paralelo o texto de At 10:44, 47-48, o qual nos mostra que batismo nas aguas e batismo do Espirito Santo sao coisas distintas e nem sempre simultaneas.
    Com relaçao à formula batismal, como disse anteriormente, dou graças a Deus por ter sido batizado, por imersao, "Em nome de Jesus Cristo", pois, segundo meu sentimento pessoal, assim deve ser feito, nao sò o batismo, mas todos os demais serviços religiosos, em obediencia a Cl 3:17.
    Deus te abençoe!!!

    ResponderExcluir
  10. Caro Lucas,
    Esqueci de citar um texto que me parece servir de base para o batismo "Em nome de Jesus Cristo". Trata-se de Lucas 24:27, que tràs uma determinaçao do proprio Mestre aos apostolos, para que pregassem o arrependimento e a remissao dos pecados em Seu NOME.
    O arrependimento vem atraves da pregaçao e a lavagem dos pecados, segundo At 22:16, parece ocorrer exatamente atraves do batismo nas aguas, ainda mais se combinarmos tal passagem com Cl 3:17.
    Outrossim, esclareço-lhe que essa minha insistencia em explorar o seu conhecimento sobre esse tema, se deve ao fato da repulsa que sinto com relaçao às praticas pagãs que norteiam a doutrina da idolatria romana (onde andei na infancia). Assim sendo, estou procurando saber se esse paganismo tambem poderia estar acontecendo com relaçao à formula batismal dessa seita.
    Por isso, nao me entenda mal e nem pense que estou discutindo por discutir, mas procurando o fundamento das coisas para alicerçar a minha fé.
    Grato.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Me desculpe, mas crer que apenas a "ideia central" da Bíblia é inerrante mas não os seus textos em específico NÃO É considerado "inerrância bíblica". Inerrância bíblica é crer que cada versículo bíblico, individualmente e em conjunto uns com os outros, é inerrante, ou seja, que dizem a verdade e não entram em contradição uns com os outros. Os versos aparentemente contraditórios não são contraditórios de fato, mas COMPLEMENTARES, como o caso de Mt.28:19 que você insiste em não querer entender. Crer que apenas a "ideia central" é inerrante é crer na inerrância parcial, e não na inerrância bíblica. Isso implicaria em dizer que qualquer pessoa poderia escolher por si mesma no que crer e no que não crer na Bíblia, o que é absurdo.

      A teoria de que a Igreja Católica maldosamente adulterou de propósito Mt.28:19 ou qualquer outro texto da Bíblia é absurda. Existem manuscritos gregos antigos que datam do século I, II e III, muito antes de quando vocês entendem que a Igreja Católica "surgiu". Existem manuscritos gregos espalhados em regiões orientais que nenhum bispo romano tinha acesso. Existe a Didaquê, que em pleno século I (ano 90 d.C) prescreve o batismo em nome dos três. Existe Justino Mártir, que diz a mesma coisa em meados do século II. Existe Tertuliano, que diz a mesma coisa no final do mesmo século. A evidência histórica é incontestável: Mt.28:19 estava na Bíblia do jeito que está hoje. Se a Igreja Católica tivesse tanto poder ao ponto de adulterar e retirar qualquer coisa que ela quisesse tirar da Bíblia, você acha realmente que ela teria deixado os textos de Atos que falam do batismo em nome de Jesus? Sério mesmo? A própria teoria conspiratória refuta a si mesma.

      Abs.

      Excluir
  11. Caro lucas,
    Como eu disse, nem tudo que digo é crença minha. Nem mesmo sabia que existia uma duvida no meio teologico com relaçao a veracidade de Mt 28:19, por isso decidi questiona-lo. Dessa forma, nao sei da onde voce tirou que estou "insistindo" que tal verso foi adulterado.
    Acredito ser improvavel que tal versiculo tenha sido adulterado, pelas razoes que voce e outras pessoas apresentaram (em textos que li), mas, por tudo aquilo que disse, acredito que qualquer serviço religioso deva ser feito "Em Nome de Jesus Cristo" (a maneira que fui batizado, graças a Deus).
    Quanto à inerrancia da Biblia, salvo erro, existem diferenças em algumas passagens biblicas, como por exemplo:
    1 - 2 Sm 8:4 e 1 Cr 18:4.
    2 - 2 Sm 24:9 e 1 Cr 21:5.
    3 - O Diabo levou Jesus primeiro ao topo do templo e depois para um lugar alto para ver todos os reinos do mundo (Mateus 4:5-8). O Diabo levou Jesus primeiro para o lugar alto e depois para o topo do templo (Lucas 4:5-9).
    4 - O centurião se aproximou de Jesus e pediu ajuda para um criado doente (Mateus 8:5-7). O centurião não se aproximou de Jesus, enviando amigos e anciões dos judeus (Lucas 7:2-3,6-7).
    5 - Jairo pediu a Jesus que ajudasse a sua filha, que estava morrendo (Lucas 8:41-42). Jairo pediu para que Jesus salvasse a filha dele que já havia morrido (Mateus 9:18).
    6 - A mãe de Tiago e João pediu a Jesus para que eles se assentassem ao seu lado no reino (Mateus 20:20-21). Tiago e João fizeram o pedido, ao invés de sua mãe (Marcos 10:35-37).

    Nao conheço os originais e nem entendo grego, ou hebraico, ou aramaico para conferir, mas é possivel que, nessa passagens, possa ter havido diferença entre os copistas da Biblia ou até mesmo erros de traduçao, mas, como disse anteriormente, a ideia central permanece a mesma.
    No tocante ao batismo, pela quantidade de versiculos que citam o batismo "Em Nome de Jesus Cristo", nao vejo outra saida, a nao ser admitir que é muito provavel que a formula batismal da igreja primitiva era: "Em Nome de Jesus Cristo".
    Nos dias de hoje, a CCB, por exemplo, possui, como formula batismal, a seguinte expressao: "Em Nome de Jesus Cristo" te batizo, em Nome do Pai, e do Filho e do Espirito Santo". Voce considera um erro?
    Deus te abençoe!!!


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essas "contradições" bíblicas já foram totalmente refutadas por Pipe Desertor (que refutou as mais de duas mil supostas "contradições" bíblicas da "Bíblia do Cético") e por Norman Geisler e Thomas Howe no "Manual Popular de Dúvidas, Enigmas e 'Contradições' da Bíblia", onde ele descontradiz mais de 800 supostas "contradições".

      Você havia dito antes que Mt.28:19 era um acréscimo posterior feito pela Igreja Católica, ou seja, uma adulteração, mas se você já mudou de ideia, então não tem problema.

      A fórmula da CCB está certa assim como qualquer outra que batize em nome dos três ou em nome de Jesus apenas. Como eu disse: não havia uma única fórmula fixa, mas algumas consideradas válidas. Não é um "erro".

      Abs.

      Excluir
    2. Este artigo esclarece bastante coisa:

      http://www.perguntas.criacionismo.com.br/2010/09/mateus-2819-falso-ou-autentico.html

      Excluir
  12. Lucas,
    Agradeço imensamente suas respostas e termino fazendo algumas consideraçoes sobre o que tratamos:
    1 - Eu nao falei em "contradiçao" entre versiculos biblicos, mas em contradiçao entre as ideias dos apostolos Pedro e Paulo (Gl 2:11 e 2 Pe 3:15-16). Quanto aos versiculos biblicos, eu nao citei "contradiçoes", mas "diferenças" entre os relatos dos escritores biblicos, como, por exemplo;
    a) Em Marcos 11:14-15,20 està dito que um dia após Jesus ter amaldiçoado a figueira, os discípulos notaram que ela havia secado, e
    b) Em Mateus 21:19 està dito que a figueira secou-se imediatamente após a maldição ser posta sobre ela.

    2 - Nao achei, nas minhas falas, a expressao "terrivel adulteraçao" (talvez precise de oculos). O que eu disse é que vejo, na formula baseada em Mt 28:19, um "terrivel esforço" da idolatria romana para dar fundamento à doutrina da trindade (heretica, na minha concepçao). Confira a minha primeira participaçao, neste forum, e veràs que eu fiz uma pergunta, baseada em algo que li, o que, em absoluto, representa a minha opiniao (mas uma simples duvida); aliàs foi por causa da duvida que lhe questionei a respeito. Em seguida, fiz uma serie de argumentaçoes em cima das suas respostas para ver em que estavam baseadas as suas posiçoes.

    3 - Considerando o seu conceito de inerrancia biblica, entendo que o batismo baseado somente em Mt 28:19 nao é correto, pois contraria a mesma inerrancia, uma vez que a Biblia parece deixar claro que a igreja primitiva batizava "Em Nome de Jesus Cristo".

    4 - Nao acredito que a idoltaria romana tenha tido capacidade para adulterar textos biblicos, o que, a meu ver, tratou-se de uma açao divina de proteçao da Palavra de Deus, pois, se dependesse dessa seita, certamente eles A teriam adulterado. Essa incapacidade fica evidente, quando lemos, nas Escrituras, textos que condenam as praticas pagãs dessa instituiçao religiosa, como, por exemplo, a adoraçao de idolos. O que entendo é que tal seita toma versiculos isolados para dar fundamento aos seus dogmas e, com isso, afastar as pessoas da verdade biblica, como no caso da formula batismal, baseada unicamente em Mt 28:19.

    Deus te abençoe, mais uma vez.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você havia dito lá em cima que Mt.28:19 era um ACRÉSCIMO, e até onde eu sei, um acréscimo à Bíblia constitui adulteração sim. Depois você mudou e disse não se tratar mais de adulteração textual, embora ainda creia que não devamos seguir este texto.

      Os apóstolos Paulo e Pedro não eram infalíveis. Seus ESCRITOS é que eram, porque constituem a base do que Deus nos deixou como Sagrada Escritura. Pedro negou Jesus três vezes, mas jamais escreveu na Bíblia que devemos negar Jesus (o que aí sim seria uma contradição). Da mesma forma, ele censurou os gentios naquela ocasião (em que foi repreendido por Paulo), mas tinha tomado uma atitude errada, e jamais prescreveu que deveríamos agir da mesma forma. Portanto não vejo contradição.

      Sobre a figueira, segue a explicação do Norman Geisler e do Thomas Howe no livro recém-mencionado:

      “Na verdade Jesus amaldiçoou a figueira quando ia para o templo, como Marcos disse, mas isso não significa que o relato de Mateus esteja errado. Cristo foi ao templo duas vezes, e ele amaldiçoou a figueira na segunda ida. Marcos 11:11 diz que Cristo entrou no templo no dia da sua entrada triunfal. O evangelista não mencionou que Jesus tenha feito alguma proclamação contra qualquer coisa errada, ao entrar no templo. O versículo 12 usa a expressão: "No dia seguinte", referindo-se à jornada até o templo, quando passaram pela figueira, no segundo dia. Foi nesse momento que Cristo expulsou os que compravam e vendiam no templo. Mateus, entretanto, refere-se às duas idas de Cristo ao templo como se fossem um só evento, e relata em seguida a maldição sobre a figueira. Fica-se assim com a impressão de que na primeira ida ao templo Cristo expulsou os que ali vendiam e compravam. O relato de Marcos, portanto, nos fornece mais detalhes desses eventos, revelando que realmente foram duas as idas ao templo. Em vista disso, não temos razão alguma para crer que haja uma discrepância entre os relatos”

      Novamente sobre Mt.28:19, reitero que não há contradição, apenas há pelo menos duas formas legítimas de se realizar o batismo. Seria contradição se somente uma única fórmula fosse admissível, o que eu nunca vi alguém provar.

      Abs.

      Excluir
  13. Lucas,
    Eu nao disse, là em cima, que, em Mt 28:19, houve um acrescimo. Eu disse que li um artigo que afirmou isso, e, por isso, pedi sua opiniao.
    Quanto à figueira, sinto dizer-lhe mas voce postou uma explicaçao que nao tem nada a ver com os versos que eu citei.
    O que eu disse é que, em Mt 21:19-20, està dito que a figueira secou IMEDIATAMENTE e que os apostolos, vendo isso, admiraram-se pelo milagre instantaneo. Jà em Mc 11:20-21 o escritor biblico diz que, pela manha (possivelmente de outro dia), os apostolos viram o estado que ficou a figueira e Pedro, lembrando-se da maldiçao (o que sugere que passou um certo tempo e que nao foi algo instantaneo), reportou, entao, o fato ao Mestre, diferentemente do que narrou Mateus (que presenciou o acontecimento).
    Outra passagem que sempre me intrigou, é a citada em Rm 11:26, como referencia a Is 59:20, as quais parecem trazer ideias diferentes. Veja os textos:
    1 - “E assim todo o Israel será salvo, como está escrito: Virá de Sião o redentor que desviará de Jacó a impiedade" (Rm 11:26).
    2 - E virá um Redentor a Sião e aos que em Jacó se desviarem (converterem) da transgressão, diz o Senhor (Is 59:20).
    Salvo erro, em Rm 11:26, o texto parece dar a impressao de que todo o povo de Israel (Jacò) serà alvo da salvaçao, mesmo os que nao se desviarem das transgressoes. Mas em Is 59:20, ao contrario, parece sugerir que a salvaçao alcançarà somente os que se desviarem das transgressoes (se converterem).
    Quanto à formula batismal, prevista em Mt 28:19, creio que nao se pode adotà-la unicamente, sob pena de ferir a inerrancia biblica (que voce mesmo defendeu), pois nao se trata de uma questao de escolha.
    Como disse anteriormente, hà versiculos que asseguram que o batismo apostolico era feito "Em Nome do Senhor Jesus", por isso aquele que se diz cristao nao tem opçao; ou obedece e faz parte das ovelhas do Senhor ou desobedece e serà enquadrado no seguinte artigo: "Aquele servo que conhece a vontade de seu senhor e não se aprontou, nem fez conforme a sua vontade, será castigado com muitos açoites" (Lc 12:47).
    Saùde!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você não considera Mt.28:19 um acréscimo, então esta entrando em contradição quando diz que seguir o que diz Mateus 28:19 implica em "ser castigado com muitos açoites". Eu sinceramente nunca vi alguém ser castigado por seguir algo que a Bíblia diz. Imagina só Jesus castigando uma pessoa só porque essa pessoa seguiu à risca o que ele afirmou expressamente em Mateus 28:19 (risos)? Eu compreenderia se alguém estivesse batizando em nome do Papai Noel, mas não em nome de pessoas que a própria Biblia descreve. Você vai voltar novamente à estaca zero, falando dos textos de Atos que falam do batismo em nome de Jesus, mas eu já repeti um milhão de vezes que batizar em nome de Jesus também não é errado. O problema é que você está tentando impugnar uma clara ordenança bíblica. Se reconhece que Mt.28:19 é um texto autêntico, deveria NO MÍNIMO conceder a possibilidade do batismo em nome dos três em vez do batismo só em nome de Jesus, ou seja, conceder a possibilidade dos dois batismos serem válidos, que é no que eu creio. Mas se você crê que Mt.28:19 é autêntico E MESMO ASSIM insiste que seguir a um texto bíblico autêntico implica em "condenação", então sinceramente, eu não sei mais o que fazer. Só posso deixá-lo com a sua consciência.

      Sobre a figueira, se o problema é o termo "imediatamente", saiba que a palavra παραχρημα no grego, também pode ser traduzida por "logo" (Chave linguística do NT, pg.46). Por isso, uma outra forma de traduzir o vs.21 é “Ao verem isso, os discípulos ficaram espantados e perguntaram: "Como a figueira secou tão logo?". A NVI mesmo traduz: "Ao verem isso, os discípulos ficaram espantados e perguntaram: "Como a figueira secou tão depressa?". Ou seja, a figueira secou de fato muito rápido, de um dia para o outro. E isso de certa forma condiz com a soma dos dois relatos.

      Também não há contradição entre Rm.11:26 e Is.59:20. O texto de Isaías diz que os que se converterem serão salvos. O texto de Romanos diz que estes que se converterão serão "todos". Se é todos em sentido de generalização ou em sentido literal, isso o texto não esclarece, mas de uma forma ou de outra não há nada que coloque um texto contra o outro. Sinceramente, essa mania de tentar enxergar contradição bíblica em tudo que é lugar é coisa de ateus. Não estou chamando você de ateu, só estou dizendo que se você crê realmente na inerrância então em teoria teria a obrigação de considerar Mt.28:19 como um texto válido, e portanto ninguém incorre em "condenação" por colocá-lo em prática.

      Abs.

      Excluir
  14. Lucas,
    Voce pode seguir o texto que quiser (fique a vontade), mas, eu perguntaria: o que fazer, entao, com os versos que determinam que os cristaos devem ser batizados "Em Nome de Jesus Cristo"? Ignorà-los? Fingir que nao existem? Fazer uma escala pessoal de valores e dizer que a trindade engloba tudo (como voce fez)?
    Chego a pensar que voce considera as falas de Jesus mais importantes que a inspiraçao dada aos apostolos. Seria isso?
    Prefiro ficar com a formula batismal da CCB, a qual engloba as duas ordenanças, do que escolher, ao meu bel prazer, uma delas (seja qual for a justificativa). Mas, se pra voce isso é um mero detalhe que nao tem implicaçao alguma, siga em frente!
    Outrossim, nao se trata de tentar colocar contradiçao na Biblia. Eu nao tenho culpa se a linguagem nao é clara o bastante (pelo menos para mim), permitindo uma serie de interpretaçoes.
    Quando eu disse que havia traduçoes distintas e possiveis erros de copistas, voce contra-atacou, citando a inerrancia biblica. Todavia, agora, no caso da figueira (que hà divergencia entre estudiosos), voce apresenta outra possivel traduçao, a fim de dar uma explicaçao plausivel para um texto que tras expressoes claras (acho que uma possivel soluçao para isso seria voce reescrever a Biblia com a sua forma de entende-La).
    Eu citei apenas duas passagens que trazem diferenças claras, mas existem tantas outras, envolvendo numeros, nomes e fatos. Todas elas, é claro, apresentam possiveis explicaçoes, mas assim como pode ser, tambem pode nao ser.
    Olha um exemplo do que digo:
    1 - Davi pagou 50 siclos de prata por gados e pelo terreno (II Samuel 24:24).
    2 - Davi pagou 600 siclos de ouro pelo mesmo terreno (I Crônicas 21:25).
    Saùde!!!

    ResponderExcluir
  15. Para ser leal aos textos biblicos, esclareço que encontrei uma boa explicaçao para o preço pago por Davi pelos bois e pela eira de Arauna, ou seja, 50 siclos de prata pela junta e 600 pela eira (2 Sm 24:24).

    Todavia, hà passagens que trazem informaçoes diferentes, tais como:
    1 - "Foram levados 5 homens dentre os mais íntimos do rei" (II Reis 25:19-20); e "Foram levados 7 homens dentre os mais íntimos do rei" (Jeremias 52:25-26).
    2 - "Israel dispõe de 800.000 homens aptos para manejar espadas, enquanto que Judá dispõe de 500.000 homens" (II Samuel 24:9). e
    "Israel dispõe de 1.100.000 homens aptos para manejar espadas, enquanto que Judá dispõe de 470.000 homens" (I Crônicas 21:5).

    Assim sendo, independentemente de qualquer coisa, hà diferença, pelo menos na grafia, de determinadas passagens biblicas, mas a ideia geral permanece a mesma (como disse em outro comentario), o que nao ocorre com relaçao à formula batismal, pois, devido a "inerrancia" (conforme voce defende), a Biblia é clara em dizer que o cristao deve ser batizado conforme Mt 28:19 e conforme Atos 2:38; 8:16; 10:48; 19:5, nao se tratando de uma questao de escolha.
    Saùde!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você está argumentando pelo caminho inverso quando diz que "todas elas, é claro, apresentam possiveis explicaçoes, mas assim como pode ser, tambem pode nao ser", e então conclui que pelo fato de "poder não ser", então a Bíblia que está errada por não ter sido "clara o suficiente". Mas em um tribunal não é o acusado que tem que provar sua inocência, e sim o acusador que tem que provar a culpa. Ou seja, se um texto tem possibilidade de ser interpretado da forma A (sem contradição) e também da forma B (com contradição), o ônus da prova recai sobre o acusador para provar que SOMENTE a opção B (com contradição) é possível, e assim provar que "a Bíblia tem contradições". Não é o réu que tem que provar sua inocência, é o promotor que tem que provar sua culpa, e todo mundo é inocente até que se PROVE o contrário. Ao seguir sua linha argumentativa você está invertendo o ônus da prova e caindo NO MESMO erro que os ateus sempre caem quando tentam atacar a Bíblia.

      Talvez o fato de você insistir tanto na tecla de que a Bíblia possui contradições seja para tentar colocar para dentro dela a fórmula batismal da CCB, que não existe em parte nenhuma das Escrituras. Embora eu mesmo tenha dito que é uma (das várias) fórmula válida, simplesmente NÃO EXISTE uma descrição bíblica onde alguém disse que “em nome de Jesus eu vos batizo em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo”. O que existe é um texto que diz somente a segunda parte, e outros textos que dizem somente a primeira. É você que junta as duas coisas como se os escritores bíblicos estivessem sendo incompletos ou fazendo paráfrases em todos os outros textos. Ou seja, sua fórmula não é “bíblica”, embora também não seja “antibíblica”. Prova disso é que em toda a história da Igreja sempre se batizou apenas “em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo”, enquanto as seitas unicistas sempre batizaram apenas “em nome de Jesus”.

      Mas se você acha que Mt.28:19, e a Didaquê (séc. I), e Inácio de Antioquia (séc. I), e Justino (séc. II) e Tertuliano (séc. II), e Cipriano (séc. III), e todos os Pais pós-nicenos, e todos os Reformadores e praticamente todas as igrejas protestantes ao longo de mais quinhentos anos estavam todos errados e batizando de uma forma “terrivelmente antibíblica” e que serão “castigados com muitos açoites” por seguir Mt.28:19, e só a CCB trouxe luz à humanidade sobre uma fórmula que ninguém nunca antes tinha percebido e portanto só os membros da CCB tiveram batismo válido na história do Cristianismo, então fique à vontade para debater sozinho daqui em diante, que eu não tenho mais nada para discutir a respeito.

      Considero este tópico encerrado.

      Deus lhe abençoe.

      Excluir