23 de agosto de 2016

O brasileiro e a síndrome da incultura

Resultado de imagem
(O fracasso resumido em uma imagem)

Há tempos atrás, Andrei Bedene (do “Canal Você Não Sabia”), meu amigo e colega de classe nos tempos de UFPR, postou um excelente vídeo sobre "A Idiotização do Youtube brasileiro". Se você ainda não assistiu a este vídeo, recomendo fortemente que o assista antes de continuar lendo este artigo. Em suma, o vídeo fala sobre casos recentes e conhecidos de youtubers que ficaram famosos por fazerem tudo aquilo que, em um país sério, seria suicídio.

Casos como o de Aruan Felix, o menino que quebrou a placa comemorativa que o Youtube enviou pelos seus 100 mil inscritos, e que por causa disso fez tanto sucesso e ficou tão famoso que subiu rapidamente para incríveis 2 milhões e 849 mil inscritos (número que tem hoje, em 23/08/2016, e só cresce cada vez mais). Ou seja, toda a fórmula para o sucesso repentino e bombástico de Aruan veio por ter... quebrado uma placa. Apenas para chamar a atenção. E conseguiu. Depois de fazer isso, ele aumentou em 28 vezes o número de inscritos, dentro de poucos meses.

Lembro-me que há alguns anos atrás eu havia visto um vídeo de um sujeito maluco que jogou água fervente na sua própria cabeça, enquanto outro filmava tudo, e nos dias seguintes mostrou a carne viva e todas as sequelas dos ferimentos causados pela sua própria atitude imbecil. E ele não tinha a menor vergonha em admitir abertamente que estava fazendo isso para ganhar visualizações e inscritos. Na época, eu me lembro que ele não tinha nem mil inscritos, talvez não chegasse nem aos quinhentos. Era um canal pequeno, mas desesperado em crescer de qualquer jeito, literalmente. Nunca mais tinha ouvido falar dele, até poucas semanas atrás, quando descobri que ele já tinha um canal novo chamado “Bluezão”, com... 202 mil inscritos. Dentro de um ou dois anos, ele multiplicou entre 200 e 400 vezes o número de inscritos, apenas por suas atitudes infantis.

Bedene afirma em seu vídeo que em países sérios, como os Estados Unidos, um youtuber que toma atitudes dessas é repudiado pelos seus próprios inscritos, perde toda a visibilidade de antes, fica descredibilizado e sem apoio, e, em casos mais extremos, é banido ou obrigado a deixar o Youtube. Aqui no Brasil é o contrário: quanto mais idiota, imbecil, imaturo e louco por atenção alguém for, mais famoso, mais conhecido, mais aplaudido e maior sucesso terá. É a triste e dura realidade de um país em que a incultura é premiada.

Por muito tempo, pensei que casos como o de Aruan, do “Bluezão” e de tantos outros por aí só aconteciam porque eles trabalham, fundamentalmente, com entretenimento. Ou seja, eu pensava que o brasileiro sabia diferenciar uma coisa da outra: quando é entretenimento busca a coisa mais babaca possível, mas quando é para desenvolver seu intelecto (seja em questões políticas ou religiosas, ou sobre qualquer coisa importante), ele busca algo sério.

Mas eu descobri que estava enganado.

O brasileiro não busca o mais insignificante e desprezível apenas para se entreter: ele também busca o mais inculto e acéfalo para formar sua própria concepção de mundo. É como se o brasileiro comum fosse tão inculto que sentisse necessidade de seguir pessoas incultas como ele, em vez de seguir pessoas de alto nível. Um dos exemplos mais crassos e icônicos é a Condessa de Villanueva, sobre quem eu já falei em meu artigo: “Por que eu não respondo ao Conde neurótico e esquizofrênico de Loppeux?”. Há algumas semanas atrás um leitor do blog que se disse amigo da criatura me perguntou se eu debateria com o cidadão, e minha resposta foi essa:


Em qualquer país sério, um cidadão que chama a mãe dos outros de “puta aidética” e diz que “vou comer o rabo da tua mãe na sua frente” para ganhar um argumento e intimidar o oponente seria considerado um lixo humano, um ser imoral, imundo, desprezível e repugnante, digno apenas da mais completa repulsa e desprezo. Nem sequer de “animal” merece ser chamado, já que nem o animal mais porco desse mundo chega perto do nível de um cretino desses. Aqui no Brasil, no entanto, o indivíduo tem uma legião de seguidores zumbis, fanáticos, acéfalos e abestalhados, que de tão medíocres e imbecilizados que são precisam se apegar a um lixo humano para defender sua ideologia nefasta e perversa a qualquer custo.

Em qualquer país sério, um sujeito que se diz católico e age dessa maneira seria repudiado pelos seus próprios correligionários, seria motivo de vergonha para seus próprios pares, seria desprezado pelos próprios católicos, que fariam questão de desvencilhar sua própria pessoa de um ser imundo, ralé, desprezível, baixo e asqueroso como esse. Mas no Brasil, um ser desses é aplaudido pelos outros apologistas católicos, que, de tão desmoralizados e refutados que são, precisam se apegar a uma criatura dessas para elevar sua autoestima e para continuar enganando a si mesmos, pensando que tem razão em qualquer coisa.

É só comparar os apologistas católicos norte-americanos mais famosos com o lixo moral que possuímos aqui no Brasil. Lá, eles têm Dave Armstrong, Scott Hahn, Karl Keating, Carl E. Olson, e por aí vai. Apologistas que, mesmo defendendo um engano, jamais pensariam em se rebaixar ao ponto de chamar a mãe dos outros de “puta aidética” ou dizer que vai “comer o rabo da tua mãe na sua frente”. É gente de nível, tanto acadêmico como intelectual, pessoas educadas e civilizadas, enfim: seres humanos. Já aqui no Brasil, eles têm Conde, Macabeus, Fakenando, Rafael Rodrigues. Gente sem educação, sem cultura, sem formação acadêmica, sem conhecimento, sem honestidade, sem caráter. O lixo do lixo. A escória da sociedade.

E os outros apologistas católicos não sentem a menor vergonha disso: seguem e aplaudem seres como esses, por ser o melhor que eles têm – para ver a que ponto a apologética católica brasileira chegou. O verdadeiro fundo do poço. O ápice da mediocridade. A situação da apologética católica atual é tão caótica e desesperadora que outros apologistas católicos precisam divulgar em seus sites e redes sociais os vídeos deste cretino xingando, caluniando, atacando com ad hominem e vomitando impropérios, só porque está fazendo isso contra alguém que detona e humilha eles toda semana.

E se você pensa que a mediocridade deste sujeito se resume apenas à sua baixeza moral, está muito enganado. Eu já mostrei isso em meu artigo anterior sobre a Condessa, mas vale a pena repetir aqui: trata-se da verdadeira personificação do fracasso humano. Simplesmente não existe pessoa no mundo mais fracassada, achincalhada, frustrada e derrotada na vida quanto este cidadão. O homem coleciona tudo aquilo que é degradante e vexatório para um ser da idade dele. Tem 40 anos e ainda mora na casa da mamãe e é sustentado pela vovó. Não tem mulher, não porque tenha feito voto de celibatário, mas porque é um bicho feio, horroroso e cheio de banha, que dá nojo em qualquer mulher decente e com um cérebro na cabeça.

Para não admitir que com essa idade ainda não faz nada na vida e é um completo parasita social, diz que trabalha “em um negócio de vendas da família”. É assim que o “negócio” funciona: enquanto a vovó e a mamãe trabalham duro, o poço de banha passa o dia todo fazendo videozinhos caricaturados na internet para atrair a atenção dos acéfalos. Isso para não admitir que, com 40 anos, não conseguiu chegar a lugar nenhum na vida pelas próprias pernas, nem arrumar um emprego próprio consegue, tendo que depender da mamãe e da vovó até hoje. No dia em que a vovó morrer, o sujeito será obrigado a comer o pão que o diabo amassou com o rabo. E debaixo da ponte.

O cretino sem moral e sem argumentos gosta de passar o vídeo inteiro escarnecendo o meu problema na voz, mas nem se me dessem um milhão de reais eu trocaria a minha voz pelas banhas dele, por aquelas bochechas que mais parecem duas nádegas sobrando no rosto, por aquela cara feia, horrorosa e caricaturada semelhante a uma bolacha trakinas, por aquela barba que ele deixa crescer por preguiça e que o faz parecer um macaco de circo misturado com terrorista muçulmano, ou por aquela pança de gordinho da cerveja, cada vez maior porque o parasita social não para de comer às custas da mamãe e da vovó. Pelo menos o meu problema é só a voz.

O sujeito é tão deformado, disforme e horrendo que nem uma quenga iria querer um troço imundo desses. Se ele entra em um bordel, as putas fogem. Por já ter atingido a escala máxima do fracasso humano, tenta abafar seu desprazer com a vida fazendo videozinhos xingando todo mundo que conseguiu chegar a algum lugar na vida. É invejoso e frustrado. Por isso mesmo se autointitula “Conde Loppeux de Villanueva”, uma figura criada pela própria mente lunática dele, uma forma de se achar alguma coisa e se desvencilhar de sua verdadeira pessoa fracassada que é. Vai morrer desiludido e frustrado, porque o “Conde” não existe, o que existe é um sujeitinho baixo, ralé e lixo chamado Leonardo Bruno.

Só de pensar em dar qualquer resposta a um sujeitinho desse calibre já é me rebaixar e me desvalorizar a um nível nunca antes atingido. Veja se alguém como William Lane Craig se rebaixa a debater com qualquer um desses neo-ateuzinhos de internet que vivem o atacando e o “desafiando” para isso ou aquilo. É óbvio que não. Ele só debate com gente civilizada, com um currículo notável, com nível intelectual e acadêmico, enfim: pessoas com classe suficiente para debater com ele. Ele nunca se rebaixou a um bate-boca com vândalos como Conde Loppeux, com formação em nada e pós-graduação em coisa nenhuma. Ele não perde seu tempo. Eu também não perco o meu.

O que mais impressiona nisso tudo é a quantidade de gente inculta e incauta que segue a um sujeito desses. Houve um tempo em que eu pensava que este cidadão era o que havia de mais risível e degradante na internet. Depois eu descobri que eu estava errado: pior ainda são aqueles que seguem a um sujeito sem cultura, sem educação, sem formação acadêmica, sem produção intelectual, sem emprego, sem ninguém, sem dignidade, sem nada. Um verdadeiro parasita social. Uma sanguessuga da sua pobre mãe e avó. Sim, indiscutivelmente, quem segue a um sujeito desses e a ele condiciona sua própria visão de mundo é infinitas vezes mais miserável e digno de pena do que a própria criatura.

Qualquer um que dê uma olhada na internet, constatará facilmente que não é apenas Leonardo Bruno que faz “sucesso” com sua incultura e ignorância. Qualquer pessoa com pouca ou nenhuma instrução, sem conhecimento de nada, sem formação, que desce a língua em todo mundo e vomita palavrões pra todo lado, faz o maior sucesso na internet. Pelos dados de hoje (23/08/2016), Conde tem 19.942 seguidores. Maestro Bogs, o “Conde do Ateísmo”, o equivalente perfeito e exato de Leonardo Bruno do outro lado, tem 23.467 seguidores. Cauê Moura, outro sem formação nenhuma que faz seus vídeos baseados em pesquisas rápidas de Wikipédia, tem mais de 4 milhões de seguidores. PC Siqueira, com a mesma descrição de Cauê, tem mais de 2 milhões de seguidores. Felipe Neto, com a mesma descrição de Cauê e PC, tem quase 6 milhões de seguidores. E por aí vai.

Qual a semelhança entre Conde, Maestro, Cauê, PC Siqueira e Felipe Neto (dentre outros do mesmo gênero)? Embora defendam pautas distintas, todos eles têm um mesmo perfil: nenhum deles tem formação acadêmica, nenhum deles tem pós-graduação, mestrado ou doutorado, nenhum deles tem o hábito de ler livros ou estudar, todos eles são motivo de piada para pessoas mais sérias, todos eles são caricaturados de propósito, todos eles falam um monte de palavrão o tempo todo para animar a massa de incautos que os seguem tal como no Pão e Circo, todos eles falam como se estivessem num picadeiro de circo entretendo seus discípulos boquiabertos. E usar qualquer um deles em qualquer obra acadêmica é suicídio, é pedir para ser expulso a pedradas da faculdade onde estuda.

Parece que quanto mais ignorante, inculto, rude e vulgar alguém é, mais seguidores possui. Essa é a fórmula para se fazer sucesso aqui no Brasil, uma fórmula que até um ser humano fracassado como Leonardo Bruno aprendeu bem. Compare tais seres caricaturados que fazem sucesso no Youtube com as pessoas sérias que realmente tem currículo, inteligência, educação, conhecimento e honestidade. Novamente, vou usar os dados atualizados do momento (23/08/2016), e citar apenas dois breves exemplos:

1) Rodrigo Silva. Grande estudioso, homem culto, com dois doutorados, uma vasta produção acadêmica, fala diversos idiomas, argumenta brilhantemente, enfim: o “William Lane Craig brasileiro”. Sua conta no Youtube tem apenas 1.323 seguidores (veja aqui).

2) Afonso de Vasconcelos Lopes. Doutor em geofísica, professor da USP, empreendedor, consultor internacional e investidor, com uma produção intelectual sem fim, que faz vídeos excelentes de ciência. Tem apenas 3.577 inscritos (veja aqui).

Qual o problema deles? Os dois têm uma voz boa, uma ótima dicção e didática, ou seja, não tem os problemas que eu tenho. Ambos têm uma ampla formação acadêmica e produção intelectual. Chegaram o mais longe possível na vida. Tem um doutorado ou mais. Você não vai ver nenhum deles falar nenhum palavrão. Não xingam, não apelam, não escarnecem os outros nos seus vídeos, não fazem imitações pejorativas, não tentam crescer polemizando em cima de canais maiores, não tem baixaria, não gritam, não usam termos chulos, não são fanáticos extremistas, não tratam seu público como se estivessem em um picadeiro de circo. Ou seja: ninguém quer saber deles.

Em um país onde “quanto mais inculto, melhor”, pessoas deste nível são desprezadas, e os palhaços sem formação e educação são procurados à exaustão. A fórmula para fazer sucesso na internet é:


Em países sérios, até as pessoas menos instruídas decidem seguir gente como William Lane Craig, Alvin Plantinga, John Lennox, Dinesh D’Souza, e do lado contrário Richard Dawkins, Sam Harris, Daniel Dennett, Christopher Hitchens. Aqui, elas seguem Conde, Maestro Bogs, Astrolavo de Carvalho, PC Siqueira, Cauê Moura, Felipe Neto. Com “professores” tão ilustres e sábios, não impressiona que o nosso país despenque cada vez mais nas classificações de educação e persiga cada vez mais a incultura e a ignorância. Afinal, cada povo tem os “mestres” que merece.

*Nota importante: Dentro de uma semana, irei publicar aqui a refutação definitiva a Macabeus, Conde, Fakenando e companhia limitada, em um artigo intitulado “Igreja Católica e Nazismo”, um dos mais importantes da história deste blog. Não percam. Se você está com muita pressa e não quer esperar, veja uma palhinha do que está por vir neste meu artigo e também neste, neste e neste artigo do Elisson Freire. 

Paz a todos vocês que estão em Cristo.

Por Cristo e por Seu Reino,

-Meus livros:

- Veja uma lista de livros meus clicando aqui.

- Confira minha página no facebook clicando aqui.

- Acesse meu canal no YouTube clicando aqui.


-Não deixe de acessar meus outros blogs:

LucasBanzoli.Com (Um compêndio de todos os artigos já escritos por mim)
Apologia Cristã (Artigos de apologética cristã sobre doutrina e moral)
O Cristianismo em Foco (Artigos devocionais e estudos bíblicos)
Desvendando a Lenda (Refutando a imortalidade da alma)
Ateísmo Refutado (Evidências da existência de Deus e veracidade da Bíblia)
Fim da Fraude (Refutando as mentiras dos apologistas católicos)

16 de agosto de 2016

Como se desmascara um mentiroso psicopata (Cris Macabeus)

(Parece o Macabeus, mas é apenas o diabo)

Faz tempo que eu não respondo a sites insignificantes e decadentes, ainda mais quando são administrados por psicopatas com sérios sintomas de demência e que escrevem sob o efeito de drogas pesadas. Sim, é óbvio que se trata do sujeitinho com sobrenome de livro apócrifo, o mais perturbado, desequilibrado e esquizofrênico de toda a internet. O mesmo que, nos tempos de debate no Orkut, chamava as debatedoras evangélicas de “prostitutas” e “vagabundas”, e que em tempos mais recentes escreve coisas como essas:



(Clique na imagem para ampliar)

O troço era milhões de vezes pior no Twitter, onde mandava os evangélicos tomarem em tudo quanto é lugar. A coisa era tão vergonhosa que o próprio cretino deletou sua conta.

A decadência e ostracismo do sujeito são tamanhos que faz mais de dois anos que nenhum leitor meu nunca mais mencionou seu nome e nem artigo nenhum de seu site. Aliás, meu blog tem em uma semana mais comentários do que o blog deste sujeito e do Rafael Rodrigues juntos possuem em toda a história desde sua fundação. Tamanha é a insignificância que esta criatura representa no cenário apologético atual que nem mesmo depois do louco fazer questão de chamar atenção alardeando para todos os cantos a tal “refutação”, expondo na capa do seu site, em suas redes sociais e em tudo o que tinha direito, nem assim algum leitor teve conhecimento da tal “refutação” ou veio me notificar, como sempre acontece com gente mais relevante. É de dar pena. O bebezão carente de atenção não consegue visualização nem mesmo quando grita, berra, esperneia e faz todo escândalo necessário para ser ouvido por alguém mais importante.

Agora vamos à parte engraçada, ou seja, às aberrações históricas que o cidadão vomitou na privada que ele chama de “site”. Poucas vezes na minha vida eu li tantas distorções históricas tão grotescas, que demonstram o quanto este sujeito é alérgico a livros. Enquanto eu lia, não sabia se eu ria e se chorava de dó. Não iria desperdiçar tempo respondendo, mas responderei pela única razão de que, assim como ele, há muitos outros ignorantes sem cultura que jamais abriram um livro de história em toda a vida, e que formam seu conhecimento baseado em blogs católicos de fundo de quintal, escritos por amadores na apologética e por mestres da mentira.

Vamos à piada:


São tantas aberrações que é difícil escolher o que desmascarar primeiro. Mas vamos lá:

1) O sujeito tem a maior cara de pau de dizer que eu sou “fã do Islã”. Para mostrar o quanto eu sou fã do Islã, recomendo aos leitores a leitura deste artigo meu sobre as Cruzadas, de 16/11/2015, onde, no final, eu escrevo: 

Claro que alguém que chama o Islã de “máquina de terror” que “continua selvagem” só pode ser um grande fã do Islã!!! É tanta admiração pelo Islã que chega a lacrimejar os olhos de tamanha emoção!

[Nota: Se quiserem ver ainda mais provas contundentes e categóricas de como eu sou um grande fã do Islã, da Jihad, da Sharia e do Osama Bin Laden, leiam este meu artigo do meu outro blog]

Lógico que eu fiz questão de fazer este adendo na época porque eu sabia que apologistas católicos como ele são cretinos, picaretas, embusteiros, canalhas, desonestos, pilantras e safados, os quais fazem a mesma coisa com todo mundo que mostra as aberrações morais, crueldade, perversidade, desumanidade e monstruosidades sem fim das Cruzadas católicas: acusam de estar “defendendo o Islã”, mesmo que o autor seja contra o Islã e o Romanismo. Para qualquer historiador ou estudioso sério, escolher entre o Islamismo e o Catolicismo Medieval é como optar entre Belzebu e Belial. Os patetas da apologética católica não entendem isso, e por isso acusam qualquer pessoa que mostre o terrorismo católico nas Cruzadas de estar “do lado do Islã”.

Poderia escrever centenas de páginas sobre isso (na verdade, já escrevi, em meu livro de 260 páginas sobre o tema disponível aqui). O que o leitor descobrirá é que os cruzados eram um bando de bárbaros coléricos sedentos de sangue, que assassinavam sem piedade bebês, crianças, mulheres e velhos, mesmo depois de dar salvo-conduto a uma cidade que se rendia sob a promessa de não ser atacada. Os próprios cronistas da Cruzada relatavam unanimemente que, em Jerusalém, o sangue dos muçulmanos assassinados corria até os tornozelos.

E não eram apenas muçulmanos que eram assassinados: milhares de judeus foram exterminados a caminho da Cidade Santa e na própria Jerusalém. Quando os cruzados invadiram a cidade, em vez de poupar os judeus, colocaram todos eles dentro da sinagoga e atearam fogo, os queimando vivos até a morte. Ortodoxos orientais também foram massacrados, e ainda tiveram sua capital, Constantinopla, a então cidade mais rica e formosa do mundo, sendo inteiramente saqueada na Quarta Cruzada, ocasião na qual os cruzados loucos e delinquentes roubaram toda a riqueza dos bizantinos, assassinaram ortodoxos, estupraram as mulheres e profanaram a Igreja de Santa Sofia (principal templo dos ortodoxos), colocando uma prostituta romana no trono do patriarca.

E depois de tudo isso e muito mais, monstros morais e vagabundos como Cris Macabeus e seu amiguinho patife e sem vergonha Rafael Rodrigues tem a audácia, a petulância e o atrevimento de defenderem os cruzados como verdadeiros heróis da pátria e de toda a civilização ocidental, e pior: ainda incriminam aqueles que não concordam com este ponto de vista satânico e imoral, usando como tática de pressão a calúnia de que nós que repudiamos as Cruzadas estamos do lado do Islã! Tal é a monstruosidade do caráter de seres humanos como Cris Macabeus, se é que um animal desses pode mesmo ser considerado um “ser humano” – eu duvido.

Mas ensinar Cruzadas a um energúmeno que jamais abriu um livro na vida é completamente inútil. Então vamos ao segundo ponto das calúnias: as mentiras sobre a Inquisição.

2) O que esse pilantra sem caráter chama de “fábulas sobre a Inquisição”, na verdade é uma referência ao meu livro “A Lenda Branca da Inquisição”, que antes mesmo de estar concluído (na verdade, apenas 1/3 do livro já foi escrito) já está causando enormes incômodos e coceira nos ouvidos dos mestres da mentira, ou seja, dos apologistas católicos. Isso porque eu estou destruindo e desmoronando com cada uma das mentiras fartamente presentes nos sites desses cretinos, que há anos vem mentindo descaradamente sobre a Inquisição, ensinando patifarias que nem sequer os historiadores católicos mais fanáticos jamais defenderam. Se isso está acontecendo antes mesmo do livro chegar perto de estar pronto, imagine o alvoroço que será quando ele estiver concluído! Os apologistas católicos terão ataques no coração!

Como o monstro moral macabélico não tem a menor capacidade de me refutar em qualquer coisa sobre a Inquisição, prefere se resumir à sua insignificância, ficando calado e simplesmente dizendo que eu estou inventando “fábulas”, que veremos mais adiante quais são na cabeça dele. Na verdade, o único artigo do site dele sobre o tema é um plágio descarado de outros sites católicos, e por essa mesma razão é o único artigo com gramática relativamente correta, acertando até mesmo a posição das vírgulas, algo que o sujeito jamais acertou em toda a vida. Há anos atrás eu propus o desafio de pagar mil reais para quem encontrasse uma única vírgula corretamente posicionada em qualquer um dos artigos dele, e ninguém jamais conseguiu tal feito.

O único que tentou por algum tempo debater Inquisição comigo foi o seu cão de guarda (Rafael Rodrigues), que na época postou uns dois ou três artigos tentando rebater os meus, mas foi tão refutado e desmascarado que sentiu tanta vergonha que nunca mais postou nada sobre o tema. Da última vez, ele havia postado um artigo onde 1 “PhD” católico defendia a Inquisição, eu rebati usando 10 historiadores com PhD, nenhum deles apologista protestante e vários deles católicos, para refutar as mentiras, e ele nunca mais apareceu. A coisa ficou ainda mais feia depois de meu artigo "Como era a Inquisição na cabeça de um monstro moral", onde expus as monstruosidades sem fim deste ser que já jogou sua humanidade no esgoto para salvar a pele da Igreja Assassina a qual ele cegamente defende.

3) Quando ele diz que eu me baseei em um livro escrito por um “marxista excomungado”, ele está se referindo a Leonardo Boff, que prefaciou a obra “Manual dos Inquisidores”, na versão publicada em português, livro este muito usado no meu. Note que o cretino é tão burro que não sabe nem que Boff não escreveu o livro em si, que é de autoria de Nicolau Eymerich e de Francisco Peña, dois inquisidores católicos famosos. Boff apenas escreveu o PREFÁCIO, vou repetir, o prefácio do livro. Como Macabeus é burrão e ignorante, confunde um prefácio com o livro em si como um todo.

Na verdade, ele apenas repetiu os argumentos retardados que seu cão de guarda já mencionado havia dado há tempos atrás, quando logo em seguida eu o destruí na parte final deste artigo, que continua sem refutação da parte dele até hoje, assim como todos os meus outros artigos sobre Inquisição já escritos até o momento. Recomendo que os leitores confiram toda a minha refutação ali, bem mais ampla do que aqui, mas para expor resumidamente, eu propus:

Opção 1 – Ignorar todo o prefácio escrito pelo Leonardo Boff e ficar apenas com o conteúdo escrito por Eymerich e Peña (vale ressaltar que em meu livro eu só cito os dois inquisidores, evitando ao máximo fazer qualquer menção ao prefácio de Boff, justamente para que os malandros da apologética católica não usem isso como pretexto). É claro que o cretino não aceitou, porque quer continuar enganando os catoleigos fazendo-os pensar que todo o livro foi escrito (ou “reescrito”, como o outro lunático escreveu) por Leonardo Boff.

Opção 2 – Ignorar completamente essa versão em português, e ficar apenas com a versão em espanhol ou com a versão em latim. No artigo eu passei links que redirecionam para essas outras duas versões da mesma obra. É claro que nestes outros idiomas não há qualquer prefácio do Boff, mas as citações usadas por mim no meu livro permanecem ali, completamente intactas. O cretino aceitou este segundo desafio? É claro que não. Prefere continuar enganando os trouxas com o pretexto do prefácio do Boff!

Opção 3 – Explicar por que o papa Francisco consultou Leonardo Boff para escrever sua nova encíclica (veja aqui). Eu observei que o prefácio em questão foi escrito em 1993, ou seja, 23 anos atrás. Em compensação, o ilustre papa Francisco consultou, há apenas 2 anos, o mesmíssimo Leonardo Boff para escrever sua nova encíclica, em 2014. Ele poderia aproveitar e explicar para nós o porquê que Leonardo Boff ajudar o papa numa encíclica escrita há apenas dois anos pode, está tudo certo com isso e não desqualifica a obra, mas se o mesmo Leonardo Boff prefaciar uma obra há 23 anos atrásnão pode, e então toda a obra está desqualificada por causa do prefácio do indivíduo! Estranhamente, também não houve respostas sobre isso.

4) Então vem a parte mais risível e cômica do texto dele, que é quando ele afirma que esses DOIS grupos (referindo-se a cátaros e valdenses) eram gnósticos, espíritas, rejeitavam a divindade de Cristo e criam na reencarnação! Só tem um probleminha: o doente mental que jamais abriu um livro de história na vida se esqueceu de que os valdenses não tinham NADA A VER com os cátaros, possuindo doutrinas completamente diferentes que não tinham qualquer relação com gnosticismo! Ou seja, o maluco confundiu cátaros e valdenses, misturou tudo, fez uma salada de frutas e pensou que era tudo a mesma coisa! Pqp!!!

No espectro teológico, a diferença entre valdenses e cátaros era abismal. Enquanto os cátaros se assemelhavam aos maniqueus, os valdenses se aproximavam muito daquilo que mais tarde seria conhecido como Protestantismo. Diferentemente dos cátaros, criam em toda a Bíblia (Antigo e Novo Testamento), rejeitavam a reencarnação, não eram dualistas e não tinham nada contra a procriação. Walker acertadamente diz que “os valdenses se opuseram fortemente aos cátaros e corretamente se consideravam como bastante diferentes deles”[1].

Para acabar de uma vez com toda a palhaçada do cretino, mentiroso e embusteiro Cris Macabeus, acessem a própria CONFISSÃO DE FÉ VALDENSE. Ela está disponível em português neste site:


Segundo o lesado mental do Macabeus, os valdenses defendiam:

Gnosticismo.
Espiritismo.
Reencarnação.
Negavam a divindade de Cristo.

Eu DESAFIO Cris Macabeus a virar homem, ter um mínimo de honradez e mostrar para todos nós, na Confissão de Fé Valdense (doutrina oficial deles), onde estão essas coisas que ele acusou os valdenses de defenderem. Pode até ir pedir ajuda do seu cão de guarda, do velhaco do Fernando Nascimento, do Osvaldo Garcia e de todos os seus outros colaboradores nefastos da apologética católica mentirosa. Mais uma vez, insisto que todo e qualquer leitor que estiver lendo este artigo pare imediatamente, leia as Confissões de Fé Valdense no site abaixo, e depois volte e continue lendo esta matéria:


E pra destruir de uma vez sua MENTIRA DESCARADA de que os valdenses negavam a divindade de Cristo, o artigo segundo da Confissão afirma explicitamente:

(Clique na imagem para ampliar)

Esse é um verdadeiro tapa na cara do cretino!

Para piorar, o artigo primeiro afirma a crença deles em tudo o que consta no Credo Apostólico, e o Credo Apostólico ensina expressamente a crença na ressurreição dos mortos e nega totalmente a reencarnação. Consequentemente, os valdenses também não criam em reencarnação, nem em espiritismo, muito menos eram gnósticos! Eles criam na ressurreição e em todos os outros dogmas fundamentais do Cristianismo como todos os demais cristãos ortodoxos, exceto nas inovações doutrinárias romanas, ou seja, nas perversões do evangelho inventadas pela mãe de todas as abominações e prostituições da terra, a Igreja Assassina da qual o mentiroso e patife Cris Macabeus é fiel praticante e defensor.

É nisso que dá fugir das aulas de história: o cara não sabe diferenciar cátaros e valdenses, e acaba passando vergonha na internet. E ainda sou eu que não fiz uma “pesquisa detalhada sobre esses dois grupos”!!! HAHAHAHAHA

No dia em que este sujeito conseguir escrever um livro sobre história com cem referências bibliográficas como eu fiz no meu, a gente pode começar a conversar sobre “pesquisa detalhada”. No dia em que ele passar meses e meses investigando livros de história em várias bibliotecas apenas para possuir fundamento histórico aprofundado sobre um tema, como eu faço nos meus livros, talvez possamos ter uma discussão de igual para igual. Um sujeito que nem Wikipédia consulta, muito menos livros de história, e solta uma pérola dessas, não merece sequer ser respondido. Seria cômico se não fosse trágico. Por isso é tão decadente.

Ressaltando mais uma vez: para provar que os valdenses eram “gnósticos”, “espíritas”, “reencarnacionistas” e que “negavam a divindade de Cristo” não vale apelar para citações de pseudo-historiadores católicos sem credibilidade, eu exijo fontes primárias e oficiais da própria Igreja Valdense. Usar fontes católicas revisionistas para caluniar os valdenses é a mesma coisa de julgar toda a doutrina católica a partir do que diz um protestante qualquer ao invés de ir conferir no próprio Catecismo Católico. Mas se você não tem nenhuma fonte oficial dos valdenses e vê que a Confissão deles afirma expressamente o contrário de tudo aquilo que você afirmou, então cale essa boca e nunca mais a abra para vomitar porcaria nenhuma sobre o que você não sabe, ser ignorante.

5) Em seguida, ele diz que EU insinuei que os protestantes são descendentes destes DOIS grupos, e depois disse que eu afirmei que os cátaros eram protestantes. Preciso passar novamente o print apenas para frisar essa parte:


Ou seja, para o vigarista, EU disse que os protestantes descendem destes DOIS grupos, o que inclui os cátaros. Então eu faço um novo desafio para o fanfarrão:

PROVE EM QUALQUER PARTE DOS MEUS ARTIGOS SOBRE A INQUISIÇÃO EU DIZENDO QUE OS PROTESTANTES SÃO DESCENDENTES DOS CÁTAROS, QUE EU FECHO ESTE BLOG, ME CONVERTO AO CATOLICISMO E PASSO A DIVULGAR DIA E NOITE O BLOG “MACABEUS COMUNIDADES” PELO RESTO DA MINHA VIDA

Claro que se o cretino fugiu ao primeiro desafio, também vai fugir deste. Ou ele não leu nada do que eu escrevi, ou se leu não sabe o que leu e nem sabe interpretar, ou é simplesmente desonesto mesmo. Façam as suas apostas.

Para reduzir a nada as mentiras dele sobre este ponto, eu passo abaixo um print do meu artigo sobre os cátaros, onde deixo perfeitamente claro a doutrina que eles criam, que não tinha nada a ver com a do protestantismo:


Isso eu escrevi neste artigo, que muita gente leu na época e pode comprovar que nada foi reescrito ou editado. Em resumo, sobre os cátaros, eu tinha dito que:

Eles eram dualistas.
Eles eram gnósticos.
Eles eram reencarnacionistas.
A doutrina deles se AFASTAVA substancialmente do evangelho.
Eles eram uma seita.

Ou seja, tudo aquilo que o picareta diz que eu negava, eu afirmei expressamente. E neguei enfaticamente que houvesse qualquer ligação entre protestantismo e catarismo, muito menos uma “descendência”, até porque jamais afirmei que o protestantismo é gnóstico, reencarnacionista, que se afasta do evangelho, etc. Mas o lunático não se contenta em mentir sobre os valdenses, e quer mentir também sobre o que eu supostamente afirmei em meus artigos!

Em resumo: eu NUNCA afirmei que os protestantes descendem dos cátaros e muito menos que “os cátaros eram protestantes” (como ele disse), o que eu disse foi que os valdenses foram precursores da Reforma, o que é óbvio, basta ler a Confissão Valdense que eu já passei neste artigo e comparar com as Confissões de Fé da Reforma, que é tudo praticamente idêntico. Por isso eles foram realmente precursores da Reforma do século XVI, o que também ajuda a refutar outro mito comum no meio católico, o de que ninguém ensinava as doutrinas da Reforma antes de Lutero, e ainda outro mito de que antes da Reforma nós só podíamos ser católicos romanos porque supostamente não existiam outras opções reformistas.

*Nota Importante: Depois dessa surra, é altamente provável que o covarde EDITE tudo ou boa parte do que escreveu na página inicial do site dele, trocando palavras ou frases, ou acrescentando xingamentos e novas pérolas risíveis e patéticas que ele chamará de “refutação” ao meu texto. Mas não importa: seja lá qualquer lixo que ele poste tentando se safar e consertar seus erros históricos grotescos e aberrantes, será em seguida refutado, esmagado e surrado da mesma forma que foi agora. Daqui pra frente não haverá mais perdão. Apologistas católicos safados, descarados e ordinários como ele merecem serem desmascarados e destruídos até o fim, sem dó e nem pena, até que TODAS as suas mentiras, calúnias e molecagens sejam completamente esmagadas ao ponto do cidadão fugir de vergonha e nunca mais voltar nem ousar fazer uma nova “refutação”, ou seja, até que ele se reduza ao ponto em que chegou seu amiguinho Rafael Rodrigues. Já se foi a época em que eles pintavam e bordavam e ninguém fazia nada.

Minha intenção inicial era de refutar todo o lixo imundo vomitado por ele no artigo dele, principalmente a parte da ligação da Igreja Romana com o nazismo e a fatídica foto com Hitler, mas como esta primeira parte já ficou bem mais longa do que o imaginado e o sujeitinho já apanhou bastante, por hoje chega. Nos próximos dias eu posto a segunda parte da refutação, além da continuação dos capítulos do meu livro que eu venho postando regularmente nos últimos meses. O que já foi esclarecido até aqui já deve ser suficiente para mostrar como é fácil desmascarar, triturar e destruir um herege mentiroso, psicopata e maníaco, que tenta crescer em cima de sites e pessoas maiores para voltar a ganhar visibilidade e deixar de ser um pobre decadente e insignificante que é.

Paz a todos vocês que estão em Cristo.

Por Cristo e por Seu Reino,

-Meus livros:

- Veja uma lista de livros meus clicando aqui.

- Confira minha página no facebook clicando aqui.

- Acesse meu canal no YouTube clicando aqui.


-Não deixe de acessar meus outros blogs:

LucasBanzoli.Com (Um compêndio de todos os artigos já escritos por mim)
Apologia Cristã (Artigos de apologética cristã sobre doutrina e moral)
O Cristianismo em Foco (Artigos devocionais e estudos bíblicos)
Desvendando a Lenda (Refutando a imortalidade da alma)
Ateísmo Refutado (Evidências da existência de Deus e veracidade da Bíblia)
Fim da Fraude (Refutando as mentiras dos apologistas católicos)




[1] WALKER, Wiliston. História da Igreja Cristã. 3ª ed. São Paulo: ASTE, 2006, p. 357.