A Igreja somos nós (e não uma instituição, denominação, templo ou hierarquia)


Você provavelmente já deve ter ouvido muitas vezes que “a Igreja somos nós”. A frase em si é totalmente correta, mas o problema é que quase sempre ela é apresentada em um contexto desprovido de qualquer evidência ou prova, ou por desigrejados, não inspirando muita confiança. Este, aliás, deveria ser o primeiro tema a ser debatido com católicos romanos, pois literalmente toda e qualquer argumentação teológica deles partirá sempre da conceituação errada do que é a “Igreja”. O católico lê Mateus 16:18 (“sobre esta pedra edificarei a minha Igreja”) e pensa que está falando da Igreja Católica Romana; lê em 1ª Timóteo 3:15 que a Igreja é a “coluna e sustentáculo da verdade” e já sai dizendo que a Igreja Romana é isso; lê Mateus 18:17 dizendo para “ouvir a Igreja” e já conclui que é para ouvir o papa, e assim por diante.

Da mesma forma, quase sempre todo argumento contra a Sola Scriptura e contra qualquer doutrina protestante geralmente passará primeiro por essa distorção do conceito bíblico do que vem a ser a Igreja, sempre de forma sagaz, inferindo a Igreja Romana quando se fala em “Igreja” em qualquer texto, mesmo sem nunca provar isso de maneira alguma. É por isso que antes de discutir qualquer assunto com um papista, a primeira coisa que deve ser feita é definir bem o que é a Igreja. Porque quando um crente fala da Igreja ele está se referindo ao corpo de Cristo, à união mística de todos os cristãos regenerados em qualquer parte do mundo, e por isso eu, um batista, um presbiteriano, um assembleiano, um anglicano e assim por diante somos da mesma Igreja (ou seja, do mesmo corpo místico), ainda que congreguemos em comunidades diferentes.

Já o católico quando fala em Igreja tem em mente um conceito totalmente diferente, que diz respeito não às pessoas em si, mas sim à própria instituição, representada pela hierarquia romana. Ou seja, a Igreja diz respeito ao papa como o cabeça e seus bispos, padres e etc. Ortodoxos, protestantes, coptas e qualquer cristão que não seja membro da instituição chamada “Igreja Católica Apostólica Romana” não fazem parte da Igreja, e atente bem para essa expressão “fazer parte”, porque nenhum católico considera que ele em conjunto com os demais católicos são a Igreja, mas no máximo que estão na Igreja (ou seja, que comungam ali), enquanto para o evangélico a Igreja não se restringe a uma denominação ou instituição específica, e tampouco diz respeito às instituições em si, mas sim à comunidade espiritual de todos os cristãos genuínos.

Este era o conceito dos reformadores e expresso nas várias Confissões de Fé da Reforma, mas para poupar tempo e não tornar esse texto demasiadamente longo eu me limitarei a transmitir aqui uma citação de Sebastian Franck, um anabatista do século XVI que expressa bem o conceito que defenderei neste artigo:

“A Igreja não é nem um povo particular nem uma seita, a qual se possa assinalar com o dedo, uma seita que estaria ligada a um tempo, a uma pessoa ou a um lugar; é uma Igreja espiritual, invisível, composta de todos aqueles que nasceram de Deus... é uma comunidade na qual nós cremos e que não vemos mais que com os olhos espirituais do coração e do homem interior. É a reunião e comunidade dos homens que temem a Deus, que são doces de coração, que estão dispersos no mundo inteiro e unidos pelo Espírito Santo na paz de Deus graças ao laço de amor” (URBANO, Francisco de P. Vera. La libertad religiosa y la Reforma protestante: las corrientes espirituales derivadas del protestantismo. Salamanca: Revista española de derecho canónico, v. 51, n. 137, 1994, p. 665)

É este o conceito básico de Igreja quando consultamos os dicionários de grego. O termo “Igreja” vem do grego ekklesia, que, de acordo com a Concordância de Strong, significa:

1577 εκκλησια ekklesia
de um composto de 1537e um derivado de 2564; TDNT - 3:501,394; n f
1) reunião de cidadãos chamados para fora de seus lares para algum lugar público, assembléia.
1a) assembléia do povo reunida em lugar público com o fim de deliberar.
1b) assembléia dos israelitas.
1c) qualquer ajuntamento ou multidão de homens reunidos por acaso, tumultuosamente.
1d) num sentido cristão:
1d1) assembléia de Cristãos reunidos para adorar em um encontro religioso.
1d2) grupo de cristãos, ou daqueles que, na esperança da salvação eterna em Jesus Cristo, observam seus próprios ritos religiosos, mantêm seus próprios encontros espirituais, e administram seus próprios assuntos, de acordo com os regulamentos prescritos para o corpo por amor à ordem.
1d3) aqueles que em qualquer lugar, numa cidade, vila, etc, constituem um grupo e estão unidos em um só corpo.
1d4) totalidade dos cristãos dispersos por todo o mundo.

Uma análise do Novo Testamento nos leva irremediavelmente a essa mesma conclusão, que aqui chegarei por meio de um silogismo simples:

1. A Igreja é o corpo de Cristo.
2. O corpo de Cristo consiste em todos os cristãos verdadeiros.
3. Portanto, a Igreja são todos os cristãos verdadeiros.

Defendendo a primeira premissa, a Bíblia diz:

“E sujeitou todas as coisas a seus pés, e sobre todas as coisas o constituiu como cabeça da igreja, que é o seu corpo, a plenitude daquele que cumpre tudo em todos” (Efésios 1:22-23)

“Pois o marido é o cabeça da mulher, como também Cristo é o cabeça da igreja, que é o seu corpo, do qual ele é o Salvador” (Efésios 5:23)

“Pois o que eu sofro no meu corpo pela Igreja, que é o corpo de Cristo, está ajudando a completar os sofrimentos de Cristo em favor dela” (Colossenses 1:24)

Creio que a premissa 1 está perfeitamente clara: a Igreja é o corpo de Cristo. Agora para definirmos o que é a Igreja basta saber o que é o corpo de Cristo. Essa é a premissa 2, defendida de forma igualmente clara aqui:

1 Coríntios 12
12 Porque, assim como o corpo é um, e tem muitos membros, e todos os membros, sendo muitos, são um só corpo, assim é Cristo também.
13 Pois todos nós fomos batizados em um Espírito, formando um corpo, quer judeus, quer gregos, quer servos, quer livres, e todos temos bebido de um Espírito.
14 Porque também o corpo não é um só membro, mas muitos.
15 Se o pé disser: Porque não sou mão, não sou do corpo; não será por isso do corpo?
16 E se a orelha disser: Porque não sou olho não sou do corpo; não será por isso do corpo?
17 Se todo o corpo fosse olho, onde estaria o ouvido? Se todo fosse ouvido, onde estaria o olfato?
18 Mas agora Deus colocou os membros no corpo, cada um deles como quis.
19 E, se todos fossem um só membro, onde estaria o corpo?
20 Assim, pois, há muitos membros, mas um corpo.
21 E o olho não pode dizer à mão: Não tenho necessidade de ti; nem ainda a cabeça aos pés: Não tenho necessidade de vós.
22 Antes, os membros do corpo que parecem ser os mais fracos são necessários;
23 E os que reputamos serem menos honrosos no corpo, a esses honramos muito mais; e aos que em nós são menos decorosos damos muito mais honra.
24 Porque os que em nós são mais nobres não têm necessidade disso, mas Deus assim formou o corpo, dando muito mais honra ao que tinha falta dela;
25 Para que não haja divisão no corpo, mas antes tenham os membros igual cuidado uns dos outros.
26 De maneira que, se um membro padece, todos os membros padecem com ele; e, se um membro é honrado, todos os membros se regozijam com ele.
27 Ora, vós sois o corpo de Cristo, e seus membros em particular.

É lógico que quando Paulo diz que “vós sois o corpo de Cristo” ele não estava se dirigindo a uma instituição religiosa, ou a uma denominação, ou a um templo ou hierarquia. Antes, dizia respeito aos próprios cristãos em si, para os quais ele escrevia. Para Paulo, todos os cristãos formam juntos o corpo de Cristo, sendo cada um deles um “membro” em particular. Ou seja, o corpo de Cristo consiste na totalidade dos cristãos verdadeiros.

Paulo “perseguia a igreja, entrando pelas casas; e, arrastando homens e mulheres, encerrava-os no cárcere” (At 8:3), e ouviu de Cristo: “Saulo, Saulo, por que me persegues?” (At 9:4). Jesus considera a perseguição à Igreja como sendo uma perseguição a ele próprio. Mas Paulo não estava perseguindo uma instituição, nem tampouco perseguindo uma hierarquia. Ele perseguia a todos os cristãos. Eles eram a Igreja perseguida, com os quais Cristo se identificava. Caso semelhante encontramos na oração em favor de Pedro no cárcere:

“Pedro, pois, estava guardado no cárcere; mas havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele” (Atos 12:5)

A Igreja orava por Pedro, porque a Igreja não é uma instituição ou organização impessoal, nem o clero em exclusivo, mas os próprios cristãos, que intercediam pelo apóstolo. Observe ainda que Lucas, o escritor de Atos, não diz “reunidos na Igreja”, mas “reunida a Igreja”, porque a Igreja eram os próprios cristãos que ali estavam:

“Ali chegados, reunida a igreja, relataram quantas coisas fizera Deus com eles e como abrira aos gentios a porta da fé” (Atos 14:27)

Que a Igreja não consistia em uma instituição ou lugar, mas nos próprios crentes que se reuniam para adorar a Deus, isso fica ainda mais nítido nos textos a seguir:

“Saúdem Priscila e Áquila, meus colaboradores em Cristo Jesus. Arriscaram a vida por mim. Sou grato a eles; não apenas eu, mas todas as igrejas dos gentios. Saúdem também a igreja que se reúne na casa deles (Romanos 16:3-5)

“Saudai os irmãos de Laodicéia, e Ninfa, e à igreja que ela hospeda em sua casa (Colossenses 4:15)

“À irmã Áfia, e a Arquipo, nosso companheiro de lutas, e à igreja que está em tua casa (Filemom 1:2)

Observe com atenção que Paulo nunca diz para saudar “quem se reúne na igreja”, mas sim pra saudar “a igreja que se reúne”. Eram os cristãos que se reuniam nas casas para cultuar a Deus, e esses mesmos cristãos eram a Igreja. Hoje em dia seria até bastante estranho, até mesmo no meio evangélico, que alguém dissesse para saudar “a igreja que tal pessoa hospeda em sua casa” (como em Cl 4:15), ou “a igreja que está em tua casa” (como em Fm 1:2), mas essa era exatamente a linguagem que Paulo empregava, que caracterizava com exatidão o conceito pessoal e bíblico que ele tinha de Igreja.

Caso semelhante ocorre em 1ª Coríntios 14:23, em que Paulo não diz que “os cristãos se reúnem na igreja”, mas sim que “a igreja se reúne em um lugar”:

Se, pois, toda a igreja se reunir no mesmo lugar, e todos se puserem a falar em outras línguas, no caso de entrarem indoutos ou incrédulos, não dirão, porventura, que estais loucos?” (1ª Coríntios 14:23)

Como vemos, o conceito de Igreja não está atrelado ao lugar, mas sim aos próprios cristãos, aos que adoram ao Senhor “em espírito e em verdade” (Jo 4:24), aos que guardam os mandamentos de Deus e o testemunho de Jesus Cristo (Ap 12:17). Estes cristãos, por sua vez, podem se reunir para adorar a Deus em um lugar que escolherem (e é aí que entram as casas, ou templos, ou denominações e etc, que não são a Igreja em si, mas apenas um local de culto para a Igreja que se reúne). É por isso que quando Paulo diz que “o que fala em outra língua a si mesmo se edifica, mas o que profetiza edifica a igreja (1Co 14:4), ele não estava falando de um pedreiro construindo ou reformando um templo chamado de “igreja”, mas sim de cristãos que edificam espiritualmente a outros cristãos, ou seja, a Igreja.

É curioso e até mesmo irônico notar que embora a Igreja Romana tenha limitado a Igreja à hierarquia romana e transformado os leigos apenas em “gente que se reúne na Igreja” (mas não na própria Igreja em si), na Bíblia muitas vezes vemos a Igreja consistindo justamente na “multidão de leigos”. É dito, por exemplo, que Paulo e Barnabé, ao chegarem a Jerusalém, “foram bem recebidos pela igreja, pelos apóstolos e pelos presbíteros e relataram tudo o que Deus fizera com eles” (At 15:4). E então: “Pareceu bem aos apóstolos e aos presbíteros, com toda a igreja, tendo elegido homens dentre eles, enviá-los, juntamente com Paulo e Barnabé, a Antioquia: foram Judas, chamado Barsabás, e Silas, homens notáveis entre os irmãos” (At 15:22).

Ao invés de fazer a Igreja consistir apenas na hierarquia, o autor inspirado subverte o paradigma e ressalta os crentes comuns como sendo a “Igreja”. Isso não significa que a hierarquia não fazia parte do corpo, mas sim que a prioridade era toda dos crentes comuns – aqueles mesmos que a Igreja Romana despreza chamando-os de “leigos”. Lucas não aponta os “apóstolos e presbíteros” como sendo a Igreja, mas sim que eles estavam com toda a Igreja, porque a Igreja era algo muito maior que eles, ia muito além da hierarquia.

Portanto, quando Jesus diz que edificaria a sua Igreja, ele não estava falando sobre a fundação de uma instituição religiosa romana ou qualquer outra em particular, mas sobre a edificação espiritual de todos os cristãos, de todo o povo de Deus que está conectado a Cristo. E quando fala da Igreja ser a coluna e sustentáculo da verdade, ele não está falando nada sobre a Igreja Romana, mas sobre os verdadeiros cristãos, que tem a missão de observar, guardar e transmitir a Palavra de Deus ao mundo, razão pela qual somos “colunas” e “sustentáculos” da verdade, sendo a Palavra o próprio fundamento e a própria verdade sobre a qual essa pregação se sustenta (sobre isso, leia este meu artigo que aborda exclusivamente este versículo). Semelhantemente, em Mateus 18:17 Jesus não está falando nada sobre “ouvir a Igreja Romana”, bastando observar o contexto para perceber o quão óbvio é que ele estava se referindo apenas ao grupo maior de cristãos reunidos:

“Se o seu irmão pecar contra você, vá e, a sós com ele, mostre-lhe o erro. Se ele o ouvir, você ganhou seu irmão. Mas se ele não o ouvir, leve consigo mais um ou dois outros, de modo que ‘qualquer acusação seja confirmada pelo depoimento de duas ou três testemunhas’. Se ele se recusar a ouvi-los, conte à igreja; e se ele se recusar a ouvir também a igreja, trate-o como pagão ou publicano” (Mateus 18:15-17)

Jesus diz que se um irmão pecar contra nós era para começar exortando pessoalmente, sem ninguém mais precisar saber de nada. Caso ele insista em continuar no pecado é para chamar mais duas ou três pessoas, e caso ele continue insistindo em permanecer no pecado mesmo assim então se faz necessário contar a toda a igreja, ou seja, toda a comunidade de cristãos ficaria sabendo que o irmão em questão está vivendo no pecado e não quer se apartar dessa condição, e por fim (se recusasse ouvir até a Igreja) ele seria tratado como um “pagão ou publicano” qualquer (ou seja, como um não-irmão). Nada de nada do contexto aponta qualquer coisa em relação à Igreja Romana, ou em relação ao conceito papista distorcido, pervertido e manipulado de Igreja.

A argumentação mais típica dos apologistas católicos ao lidar com versículos como Mateus 16:18 é que Jesus não disse que edificaria “minhas igrejas” (no plural), mas sim “a minha igreja” (no singular). E então concluem que a “verdadeira Igreja” não são as milhares de denominações protestantes, mas a Igreja Romana que é supostamente “uma só”. Essa é mais uma trágica consequência do desconhecimento completo e da profunda ignorância quanto ao significado autêntico de “Igreja” na Bíblia, que já foi explicado aqui e que não precisa ser repetido, e que não tem nada a ver com denominações, organizações ou instituições visíveis, como se Jesus estivesse falando de alguma denominação ou instituição em particular em Mateus 16:18.

E para o desespero completo de tais apologistas católicos, a Bíblia fala claramente de igrejas no plural, não em tom de desaprovação ou condenação, mas de aprovação. Veja por exemplo Atos 15:41, que diz:

“E passou pela Síria e Cilícia, confirmando as igrejas (Atos 15:41)

Ou Atos 15:6:

“Assim, as igrejas eram fortalecidas na fé e, dia a dia, aumentavam em número” (Atos 15:6)

Ou então 2ª Coríntios 8:18:

“E, com ele, enviamos o irmão cujo louvor no evangelho está espalhado por todas as igrejas (2ª Coríntios 8:18)

Ou para aterrorizar um pouco mais, aqui está não apenas um versículo que fala de “igrejas” no plural, mas um que ainda usa o termo “igrejas de Cristo”, que deve causar verdadeiros calafrios nos papistas que vivem dizendo que há “uma só igreja de Cristo”:

“Saudai-vos uns aos outros com ósculo santo. Todas as igrejas de Cristo vos saúdam” (Romanos 16:16)

Então, da mesma forma que o argumentador romanista poderia exigir que só a Igreja Romana fosse autêntica em função das passagens bíblicas que falam da Igreja no singular, um argumentador protestante poderia invalidar a própria Igreja Romana em função dos textos que falam de Igreja no plural, e perguntar quais são essas outras igrejas verdadeiras, já que para os católicos igreja verdadeira só existe uma.

O problema, mais uma vez, é quando falamos de Igreja como denominações, instituições ou templos. De fato, há muitas denominações, instituições e templos diferentes e nem todas estão no engano, pois a Igreja (ou seja, os cristãos) se reúnem nestes lugares para adorar a Deus. É neste sentido que há a “Igreja” no singular, e neste outro sentido que há as “igrejas” no plural, que dizem respeito apenas às pessoas daquelas congregações, comunidades ou assembléias cristãs locais, e não à Igreja propriamente dita (que envolve a totalidade de cristãos). Foi por isso que o pré-reformador William Tyndale traduziu esses textos que falam das “igrejas visíveis” (como a de Corinto, Éfeso, Laodiceia e etc) por “congregações” em vez de “igreja”.

Tyndale pagou com a morte o preço por essa ousadia em sua época, mas hoje em dia até mesmo a versão católica da Bíblia Ave Maria traduz 1ª Coríntios 11:18 “à la Tyndale”, vertendo o texto por: “Em primeiro lugar, ouço dizer que, quando se reúne a vossa assembléia, há desarmonias entre vós” (1Co 11:18). É neste sentido que entendemos os textos que falam, por exemplo, da “igreja de Deus que está em Corinto” (1Co 1:2), que na verdade é apenas uma referência àquela comunidade local, ou seja, aos cristãos daquela região. Em síntese, o que se entende biblicamente por Igreja é uma comunidade invisível, que consiste na totalidade de cristãos verdadeiros dispersos pelo mundo, e esses cristãos por sua vez congregam em comunidades visíveis, congregações, denominações e etc, que não são a Igreja em si, mas comunidades nas quais os cristãos se reúnem para adorar a Deus e às quais podem ser dados diversos nomes.

Infelizmente, a mentalidade católica romana não se desarraigou por completo na Reforma, de modo que ainda mantemos hoje alguns vícios romanos, sendo um deles esse hábito de nos referirmos muitas vezes à Igreja como sendo um templo ou denominação específica, e não poucos evangélicos buscam encontrar a “Igreja perfeita”, a “Igreja ideal” ou a “Igreja verdadeira”, sem entender que a Igreja verdadeira diz respeito aos cristãos verdadeiros, e não a uma placa de igreja A ou B, que são todas fundadas por homens e sujeitas ao erro – até mesmo a Igreja de Roma, que alega ter sido fundada por Pedro, um homem, embora de fato seja um desenvolvimento bem posterior. Inclusive por essa mesma razão há alguns crentes ingênuos e sem instrução que acabam virando católicos ou ortodoxos nessa busca pela “única igreja (no sentido institucional) que Jesus fundou”, sem entender nada do que Igreja é na Bíblia.

No sentido costumeiro que hoje costumamos dar à “Igreja” (ou seja, de denominações e instituições) não há perfeição doutrinária ou moral em nenhuma, e o católico que quiser contestar que tente justificar moralmente o assassinato de pelo menos dezenas de milhares de não-católicos no Santo Ofício da Inquisição durante sete séculos com a expressa aprovação de todos os papas desse extenso período (alguns dos quais foram inclusive inquisidores, como Pio V). Uma Igreja que se julga “infalível” e que mesmo assim protagoniza os maiores escândalos e atrocidades morais contra a vida humana durante séculos não merece mais do que todo o repúdio e desprezo.

Isso logicamente não isenta os evangélicos de erros morais e doutrinários, da mesma forma que as igrejas apostólicas de Corinto, Galácia, Laodiceia, Tiatira, Pérgamo, Sardes e etc também tinham muitos erros que eram condenados pelos apóstolos em suas cartas, mas numa medida muito menor e dentro do que ainda pode ser considerado “cristão” – conceito no qual uma igreja assassina, pagã, idólatra, avarenta, prepotente e supersticiosa jamais poderá entrar enquanto não se arrepender e voltar de sua monstruosa apostasia.

Paz a todos vocês que estão em Cristo. 


Por Cristo e por Seu Reino,

- Siga-me no Facebook para estar por dentro das atualizações!



-Meus livros:

- Baixe e leia gratuitamente meus livros clicando aqui.

- Confira a lista exaustiva de artigos do blog clicando aqui.

- Siga-me no facebook clicando aqui.

- Acesse meu canal no YouTube clicando aqui.


-Não deixe de acessar meus outros blogs:

LucasBanzoli.Com (Um compêndio de todos os artigos já escritos por mim)
Apologia Cristã (Artigos de apologética cristã sobre doutrina e moral)
O Cristianismo em Foco (Artigos devocionais e estudos bíblicos)
Desvendando a Lenda (Refutando a imortalidade da alma)
Ateísmo Refutado (Evidências da existência de Deus e veracidade da Bíblia)
Fim da Fraude (Refutando as mentiras dos apologistas católicos)

Comentários

  1. https://www.youtube.com/watch?v=rf7a2-dvlsE

    É certo fazer o que o Kleber Lucas fez?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Qual sua opinião sobre o Francisco Razzo?

      Excluir
    2. Eu vi o Conde dizendo que ele tem "catolicismo fraco"

      Excluir
    3. Para os católicos radicais e baderneiros de internet qualquer católico normal ou moderado tem um "catolicismo fraco". Pra esse tipo de gente, ter um "catolicismo forte" significa defender com unhas e dentes Inquisição, cruzadas, Estado confessional católico, monarquia e o caramba a quatro (e principalmente, ser bastante antiprotestante e jogar a culpa de todas as mazelas da humanidade na conta do protestantismo). É por isso que eles não consideram nem o papa como tendo um "catolicismo forte" (muitos deles o consideram um "herege", um "antipapa", o "falso profeta" e tudo mais).

      Excluir
    4. Todas as heresias (calvinismo, imortalismo, romanismo, cessacionismo, etc) são ensinos de demônios?

      Excluir
    5. Não necessariamente, alguns ensinos enganosos foram inventados pela mente humana, nem todos foi o demônio quem "ensinou" ou que colocou na cabeça de alguém. Acho errado essa coisa de atribuir tudo ao demônio, o homem tem muita responsabilidade em tudo de errado que existe.

      Excluir
    6. Eu quis dizer se demonios inventaram e ensinaram, não perguntei se controlaram a mente das pessoas.

      Excluir
    7. Foi o que eu respondi: "Não necessariamente, alguns ensinos enganosos foram inventados pela mente humana, nem todos foi o demônio quem 'ensinou'..."

      Excluir
    8. https://youtu.be/Ib3vG8TBXtc

      Excluir
    9. Avalie: https://youtu.be/KbCP7dRd3GE

      Excluir
    10. "https://youtu.be/Ib3vG8TBXtc"

      Bem interessante, nunca tinha pensado por essa ótica, me parece coerente a primeira vista.

      Excluir
    11. "Avalie: https://youtu.be/KbCP7dRd3GE"

      Não contestando o conteúdo do vídeo em si, mas como ele só falou sobre o Strong, acho que o título do vídeo de "calvinistas" é um pouco exagerado (teria que se citar muitos outros teólogos calvinistas neste caso, para atrelar uma coisa a outra, em vez de um único teólogo calvinista que poderia não estar dando mais do que sua opinião pessoal).

      Excluir
    12. Avalie: https://youtu.be/I8qMUi6VVcM

      Excluir
    13. Algum pai da igreja tinha esposa?

      Excluir
    14. Avalie: https://youtu.be/SrOFu7zq7eI

      Excluir
    15. Sobre o primeiro vídeo, é longo demais mas só diz verdades. Sobre o segundo vídeo, achei engraçado (acho que esse era o único propósito do vídeo, então acertaram na mosca). Sobre a questão dos Pais da Igreja, eu não tenho nenhuma lista de quais Pais eram casados e quais eram solteiros ou viúvos, tampouco li em qualquer escrito patrístico algum deles falando de sua condição pessoal (eles quase nunca falavam alguma coisa deles mesmos, quase sempre estavam apenas pregando o evangelho, exortando as igrejas, fazendo apologia do Cristianismo e tudo mais; "Confissões" como a de Agostinho são exceção e não a regra). Mas por meio de seus escritos sabemos que nenhum deles defendeu um celibato OBRIGATÓRIO, embora alguns tivessem uma visão bastante "pró-celibato" (em comparação ao matrimônio) e outros (como Atenágoras) chegavam a condenar o sexo dentro do matrimônio. Mas a condenação dogmática ao matrimônio em si no que se refere ao clero só veio a ocorrer no século XI (nisso todos os historiadores estão de acordo).

      Excluir
    16. Tem um vídeo do Paulo Ricardo citando o livro "Origem Apostólica do Celibato Sacerdotal onde ele diz que de fato ordenavam homens casados, mas eles tinham que não tranzar mais com as esposas (sendo celibatários na prática), o que você diz sobre o livro?

      Excluir
    17. Isso é completamente ridículo, um "casamento sem sexo" não faz sentido nenhum, seria como viver em constante "tentação" com alguém (o que também é ridículo, já que este alguém não é uma pessoa qualquer, mas sua própria esposa). A Bíblia nunca proíbe o sexo dentro do casamento sob qualquer circunstância, e embora alguns da Igreja antiga ensinassem assim, não era nem um ensino majoritário e muito menos um ensino bíblico ou racional. Se já é difícil vencer a tentação do sexo estando sozinho, imagine vivendo ao lado de uma pessoa que ama e que deseja por todo o resto da vida. Esse tipo de celibato me parece ainda mais imoral e desumano do que o "celibato obrigatório tradicional" da ICAR (aquele em que os padres são proibidos até mesmo de se casarem com alguém, e que depois acabam abusando de criancinhas indefesas de tão forte que o desejo incontrolável pelo sexo fica).

      E o fato de alguns da Igreja antiga defenderem esse tipo de coisa não torna isso menos indefensável, havia até aqueles que proibiam o novo casamento de pessoas viúvas e quem proibia qualquer tipo de sexo para qualquer tipo de pessoa exceto para procriação (e olhe lá), infelizmente a Igreja antiga foi tendo cada vez mais uma concepção extremista e legalista "anti-sexo" que foi incorporada posteriormente pela Igreja Romana e que horrorizaria até os católicos dos dias de hoje (vale lembrar que a Igreja da época tinha outras características bem legalistas, como o horror ao teatro, por exemplo).

      Excluir
    18. Avalie: https://youtu.be/OU34Dy6chKA














      Excluir
    19. Avalie: https://youtu.be/PpCKelQjtvA

      Excluir
  2. Sem palavras Lucas. Deus o abençoe muito lucas vc é o melhor apologista q existe na minha opinião.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Deus lhe abençoe igualmente!

      Excluir
    2. Avalie: https://youtu.be/IfDkxhd3trk

      Excluir
    3. Ele passa o vídeo todo tentando forçar supostas contradições do arminianismo (a respeito das quais discordo totalmente), mas não responde justamente a pergunta do vídeo (sobre a necessidade de se orar se tudo já está determinado mesmo).

      Excluir
    4. Eu vi o vídeo e ele responde no final.

      Excluir
    5. Eu não achei isso uma resposta, é como se ele estivesse dizendo: "não vai mudar nada mesmo, mas temos que orar mesmo assim", eu não considero esse tipo de coisa como uma resposta, mas enfim, cada um com a sua opinião.

      Excluir
    6. Avalie: https://youtu.be/hHL0j7B86Q4

      Excluir
    7. Vídeo mais nonsense que você já me enviou.

      Excluir
  3. Avalie: https://youtu.be/49oMocFYSFI

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tem muito o que avaliar, ele acredita em Ellen White e por isso disse um monte de coisa que discordo.

      Excluir
  4. Avalie (veja todo o vídeo)\ https://drive.google.com/file/d/0Bx33UgEQ_y_MdEJ4eWtJRUpadXM/view

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Excelente! O melhor vídeo do Dois Dedos dos que eu já assisti.

      Excluir
  5. Avalie (veja o vídeo todo): https://youtu.be/W7ZHTihGi4E

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eles não falaram do vessículo 19.
      😞😞😞😞😞

      Excluir
    2. Não seja por isso, eu explico sobre as "chaves" no meu livro "A História não contada de Pedro" (link de download na página dos livros).

      http://www.lucasbanzoli.com/2017/04/0.html

      Excluir
  6. Qual a diferença de Igreja com I maiúsculo e igreja com i minúsculo? obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quando se fala de uma igreja enquanto denominação ou instituição no meio de uma frase (por exemplo, "fui à igreja ontem") usa-se igreja com i minúsculo, e quando se fala da Igreja enquanto comunidade universal dos crentes ou quando se vai nomear uma igreja específica (por exemplo, "a Igreja Anglicana isso; a Igreja Católica aquilo") usa-se em maiúsculo. Mas cabe ressaltar que essa diferenciação não existia no grego original, pelo simples fato de que no grego koiné não havia diferenciação de maiúsculo e minúsculo, como no nosso idioma.

      Excluir
  7. Lucas vc poderia fazer um artigo completo sobre demonologia. aliás. vc conhece artigos sobre esse assunto em algum lugar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Posso fazer sim. O mais completo que conheço na internet é esse do Sola Scriptura TT, embora eu discorde de uma ou outra coisa que eles colocam:

      http://solascriptura-tt.org/Angelologia/AngelologiaSatanologiaDemonologia-Gilley.htm

      Excluir
  8. Sou um jovem de 16 anos, católico, mas nunca acreditei em muitas coisas que a igreja ensina, como o purgatório, a veneração a Maria e santos, procissões, em dizer que Maria é a mãe de Deus(altíssimo), entre outras coisas, na Ave-Maria mesmo, não consigo falar ''Santa Maria mãe de Deus'', pois prefiro falar, ''Santa Maria mãe 'do filho' de Deus'', que acho muito mais certo.Mas apesar de tudo isso gosto de ser católico, além de que não participo de coisas católicas a não ser a missa e a adoração ao santíssimo, gosto muito de pregações protestantes, vejo muitas pela internet, mas tenho em mente que não é a igreja(instituição) que salva ninguém, mas a fé que temos em Jesus para que com ele sermos guiados pelo caminho do Pai.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Admiro a sua maturidade em se guiar por sua própria consciência em vez da consciência dos outros (mesmo sem ser protestante).

      Excluir
    2. Obrigado, por mais que eu esteja confuso sobre ainda seguir o catolicismo, e ter nascido em um lar católico, em termo de estudo, creio somente na bíblia, pois é dela que devemos tirar o que precisamos para viver agradando a Deus, e tudo o que for 'criado' fora dela, não se deve levar em conta, por que se tivesse, estaria contido em seus livros

      Excluir
    3. A igreja católica é a igreja de Cristo.O purgatório é uma crença judaica que se estendeu ao Cristianismo.Enquanto maria lendo os pais da igreja e no ultimo capitulo do livro do Historiador JND KELLY perceberá que ela era venerada pelos pais.Outra a imortalidade da alma é um dogma dos judeus e que por ela tem a possibilidade de conciencia dos santos.São cipriano,origines apelavam sempre contra os hereges a crença das orações dos santos,são jeronimo com o maior pai da igreja,santo agostinho defendia do mesmo modo.

      Excluir
    4. “A igreja católica é a igreja de Cristo”

      Qual Igreja Católica? A Ortodoxa? A Copta? A Romana? Explique-me. Além do mais, esse artigo acabou de derrubar esse mito de que a Igreja de Cristo é uma instituição A ou B, o que prova que você como veio correndo na caixa de comentários postar qualquer coisa sem sentido, sem sequer ler o conteúdo do post, que já refutou de antemão a sua ideia.

      “O purgatório é uma crença judaica que se estendeu ao Cristianismo”

      Mostre-me isso nas Escrituras judaicas ou em alguma fonte judaica autorizada como a Enciclopédia Judaica, no que diz respeito à era pré-cristã. Não preciso nem dizer que se sua “fonte” é um blog católico eu não vou nem perder tempo lendo.

      “Enquanto maria lendo os pais da igreja e no ultimo capitulo do livro do Historiador JND KELLY perceberá que ela era venerada pelos pais”

      Pera aí, o que acontece “enquanto Maria lendo os Pais da Igreja”? Maria está lendo os Pais da Igreja? Mas como, se Maria viveu antes dos Pais da Igreja? Você não consegue nem formular uma frase corretamente e quer que alguém aqui acredite que você leu JND Kelly em vez de apenas repetir as mesmas lorotas de blogs católicos tirados do mesmo lugar de onde “descobriu” que existe um “purgatório judaico”?

      No mais, não se há problema em “venerar Maria”, desde que “venerar” esteja em seu sentido próprio de RESPEITAR (nenhum protestante ou Pai da Igreja odeia ou despreza Maria). O que tanto evangélicos como Pais da Igreja repudiavam era a ADORAÇÃO a Maria, visível mediante a prática de procissão com imagens de gesso, prostrando-se diante dessas imagens, se considerando “escravo” de Maria e a tendo como uma “medianeira das graças”, “co-redentora” e até “salvadora” na opinião de alguns santos católicos. Mostre-me algum Pai da Igreja favorável a essas práticas.

      “Outra a imortalidade da alma é um dogma dos judeus e que por ela tem a possibilidade de conciencia dos santos”

      Primeiro que os judeus não têm “dogma” nenhum, essa palavra nem existe na cultura judaica, e no meu livro sobre o tema eu provo que os judeus só passaram a adotar a imortalidade da alma após a diáspora, e isso no chamado período intertestamentário, como a própria Enciclopédia Judaica atesta:

      “A crença de que a alma continua existindo após a decomposição do corpo é uma especulação... que não é ensinada expressamente na Sagrada Escritura... A crença na imortalidade da alma chegou aos judeus quando eles tiveram contato com o pensamento grego e principalmente através da filosofia de Platão (427 - 347 a.C.), seu principal expoente, que chegou a esse entendimento por meio dos mistérios órficos e eleusianos, que na Babilônia e no Egito se encontravam estranhamente misturados" (Enciclopédia Judaica, 1941, vol. 6, "A Imortalidade da Alma", pp. 564, 566)

      Não preciso falar mais nada.

      “São cipriano,origines apelavam sempre contra os hereges a crença das orações dos santos,são jeronimo com o maior pai da igreja,santo agostinho defendia do mesmo modo”

      Uma coisa é acreditar que os mortos oram por nós (como os Pais da Igreja a partir de finais do século II passaram a fazer, a partir do momento em que passaram a crer na imortalidade da alma), outra coisa totalmente diferente é invocá-los para obter um milagre deles, como os católicos fazem hoje e como o Bruno Lima já refutou usando estes mesmos Pais da Igreja que você citou:

      http://respostascristas.blogspot.com.br/2017/10/a-oracao-aos-santos-no-periodo-pos_19.html

      http://respostascristas.blogspot.com.br/2017/10/a-oracao-aos-santos-no-periodo-pos.html

      http://respostascristas.blogspot.com.br/2017/10/origenes-contra-oracao-aos-santos-e.html

      http://respostascristas.blogspot.com.br/2016/03/agostinho-e-o-catolicismo-romano-parte_17.html

      Quero ressaltar que só aceitei este comentário repleto de falácias e sem nenhuma coerência e que desvia totalmente do tema do artigo em questão porque é ano novo, e nesse dia da virada costumamos ser mais pacientes e tolerantes, amanhã já não perderei mais tempo respondendo a nada que não tiver um mínimo de consistência argumentativa.

      Excluir
    5. "acreditar que os mortos oram por nós (como os Pais da Igreja a partir de finais do século II passaram a fazer"
      Todos eles ou só alguns?

      Excluir
    6. Esses que ele mencionou e outros mais. A crença de que quem morreu está orando por nós no mundo do além se tornou bastante comum a partir do momento em que passaram a crer em uma alma imortal que sobrevivia à morte do corpo e que está no céu. Mas a crença de que devemos invocar essas almas que de alguma forma podem nos ouvir e atender nossas súplicas para realizar milagres em nosso favor veio bem mais tarde, nenhum Pai que eu conheça ensinou isso.

      Excluir
  9. Banzoli, Adão e Eva foram salvos ou foram para o inferno? A Bíblia diz alguma coisa sobre isso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela não nos conta nada do que aconteceu com eles depois da expulsão do Jardim, então se eles foram salvos ou condenados (ou se um deles foi e o outro não), isso é mera especulação (saberemos apenas no dia do juízo).

      Excluir
  10. Olha isso Banzolão:

    https://super.abril.com.br/historia/programado-para-crer/#

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O engraçado é isso ser publicado na "Superinteressante", a revista mais ateísta que eu já vi. Mas o que eles dizem dessa vez é verdade, inclusive eu já discorri sobre isso no meu livro "Deus é um Delírio?":

      http://ateismorefutado.blogspot.com.br/2015/04/nos-nascemos-ateus.html

      Excluir
  11. Ola Lucas,
    Em Marcos 9:38 vemos um exemplo claro de que na época de Jesus já existiam outras igrejas, a igreja que estava com Jesus (os apóstolos e seguidores) e essa outra igreja que não estava no mesmo lugar que Jesus, estava reunida em outro lugar, mais pregava sobre Jesus. E o próprio Jesus disse "quem não é contra nós, é por nós". Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, essa do "quem não é contra nós é por nós" é um paulada na cara do "argumento da sucessão apostólica" (que sustenta que só pode ser igreja legítima se tiver a tal sucessão). Aquelas pessoas não estavam no grupo dos apóstolos e nem eram bem vistas pelo apóstolo João mas estavam pregando sobre Jesus mesmo assim, e este ao invés de proibi-los de pregar ou de chamá-los de "hereges" ou de preparar uma fogueira da "Santa Inquisição" para queimá-los fez justamente o oposto de tudo isso, aceitando a pregação deles e dizendo que eles estavam por eles, e não contra eles. Se pessoas sem sucessão apostólica já eram aceitas mesmo na época em que os próprios apóstolos em pessoa estavam vivos, quanto mais dois mil anos após suas mortes.

      Excluir
    2. Perfeita observação Lucas. O problema é que o catolicismo não se orienta pela Bíblia mas pelo magistério supostamente infalível que vai usar, logicamente, as idéias que melhor lhe convir.

      Excluir
  12. Cristão pode fumar? Tem um limite para o uso de substâncias entorpecentes? (vinho, cerveja, cigarro)... Meus pais são cristãos e eles fumam

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Entendo que fumar é pecado assim como qualquer outra coisa que esteja cientificamente comprovado que faz um mal significativo à saúde, podendo até matar a pessoa (veja por exemplo 1Ts 5:23, que fala sobre "preservar incorruptivelmente" não apenas o espírito e a alma, mas também o corpo).

      Excluir
  13. Oi Lucas, no artigo da monarquia não da mais para perguntar, então perguntarei aqui: tem monarquista por ai dizendo que o brasil império seguia moldes tipo o da Inglaterra e ai era bom, e não monarquias absolutistas como os países pobres.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O imperador no Brasil tinha o chamado "Poder Moderador", o que na prática lhe dava poderes muito acima dos outros três poderes (e o Poder Moderador não existia na Inglaterra, então essa comparação é inadequada).

      Excluir
    2. Lucas você conhece o teólogo Douglas Moo ? Se sim o que acha sobre ele ?alguns dizem que ele é o maior nome do Dispencacionalismo de hoje ?



      Excluir
    3. O conceito romano de igreja é de uma instituição e eles não vão abrir mão disso por mais que se prove o contrário. Admitir o contrário disso é se nivelar as demais vertentes cristãs e dogmas como o primado de Roma, o papado e outros ficariam sem sentido.


      Excluir
    4. "Lucas você conhece o teólogo Douglas Moo ? Se sim o que acha sobre ele ?alguns dizem que ele é o maior nome do Dispencacionalismo de hoje ?"

      Pra ser sincero eu nunca ouvi falar nesse cara.

      "O conceito romano de igreja é de uma instituição e eles não vão abrir mão disso por mais que se prove o contrário. Admitir o contrário disso é se nivelar as demais vertentes cristãs e dogmas como o primado de Roma, o papado e outros ficariam sem sentido"

      Concordo.

      Excluir
  14. Você é convidado pra trazer sermões em sua igreja, ou em outras?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sou de pregar em igrejas, minha área é apologética e não pastoreamento e eu não me sinto bem falando em público para uma quantidade significativa de pessoas.

      Excluir
    2. Por causa da voz?

      Excluir
    3. Na verdade eu sempre fui tímido pra falar em público ou mesmo pra aparecer mesmo sem falar nada, isso desde que me lembro por gente, não acho que tenha muito a ver com a voz mas sim com a personalidade mesmo.

      Excluir
    4. "Na verdade eu sempre fui tímido pra falar em público ou mesmo pra aparecer mesmo sem falar nada"

      Rapaz, então somos dois. Eu também sou extremamente tímido. Eu tenho uma dúvida sobre um texto da Bíblia:

      "Mas, quanto aos tímidos, e aos incrédulos, e aos abomináveis, e aos homicidas, e aos que se prostituem, e aos feiticeiros, e aos idólatras e a todos os mentirosos, a sua parte será no lago que arde com fogo e enxofre; o que é a segunda morte."
      (Apocalipse 21:8)

      Que tipo de timidez que é condenada aqui? Se a timidez pra falar em público estiver inclusa aqui, então eu tô lascado.

      Excluir
    5. Esse tipo de timidez que a Bíblia fala e que pode levar ao inferno não é a timidez de personalidade (que é algo natural e inerente a algumas pessoas), mas a timidez no sentido de se envergonhar do evangelho, de ter "medo" da reação das pessoas e não querer pregar a verdade (não precisa ser necessariamente nos púlpitos de uma igreja). Não é à toa que de acordo com a Concordância de Strong essa palavra significa "medroso" (ou seja, alguém que tem medo, e não o oposto a uma pessoa extrovertida, como costumamos pensar quando falamos em alguém que é tímido).

      Excluir
    6. Ah tá. Entendi.

      Excluir
  15. Ei, Lucas, to vendo que seus artigos estão sempre atingindo os 100, 150, 200 comentários.. Como vc se sente sente tendo tanta expressividade no meio teológico? Eu nunca vi outro blog pessoal que tenha tanta visibilidade!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade isso só ocorre porque aqui eu respondo os comments de todo mundo, quase ninguém faz isso por aí, nos meus outros blogs eu não acompanho muito os comentários que recebo e só respondo de tempos em tempos, então mesmo com eles tendo um número de acessos só um pouco abaixo deste aqui os artigos tem muito menos comentários por essa razão.

      Excluir
    2. Na verdade, eu já ia comentar sobre isso: esses caras que chegam aqui e postam um milhão de links de videos um atrás do outro com "avalie, avalie, avalie, avalie"... Kkkkkk vc vê os videos um por um mesmo? Como vc aguenta ? Kkkk

      Excluir
    3. Os mais curtos eu assisto inteiro, os mais longos vejo apenas em parte - a não ser que o vídeo seja realmente muito bom e me estimule a assisti-lo inteiro :)

      Excluir
  16. https://www.youtube.com/watch?v=W4Dg4RPfJug

    Você acha que ele tem chance de ser o Anticristo? Ele é muito carismático e está ligado com as metas da agenda global (voltada mais para o socialismo/comunismo), além de que foi escolhido pela família Rotschild uma das mais influentes do mundo (illuminate).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Macron é um "candidato" sim, bem como outros, mas é preciso saber se o anticristo virá nos próximos anos, porque se ele vier daqui uns 20 anos por exemplo, ou daqui 50, estaremos falando de outros "candidatos" e não mais dele. Mas se a tribulação ocorrer nesses próximos anos, acho ele um forte possível anticristo sim.

      Excluir
  17. Lucas por que será que os blogs como o do Bruno e do Elisson eles só aceitam comentários ligados ao tema diferente de você?Você não pretende dar esse toque pra eles? seria importante para aumentar a credibilidade deles mesmos a se tornarem mais públicos na apologética protestante como você.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu prefiro não me intrometer nessa questão, o blog é deles e eles sabem o que fazem, se eles preferem responder só sobre os respectivos temas é um direito deles (por comparação, a maioria dos blogs católicos apologéticos sequer tem uma área de comentários, então só deles terem já é uma grande coisa).

      Excluir
  18. Luca, a grande tribulação será ocasionada por algum evento natural (aquecimento global, escassez de água/alimentos, proliferação de doenças) ou político (guerra nuclear, convulsão social) ? Ou ambos? Ou não?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As duas coisas atuarão juntas, mas eu entendo que um evento político dará o "start".

      Excluir
  19. Feliz Ano Novo pra você Lucas. Que Deus continue te abençoando e te dando sabedoria.

    ResponderExcluir
  20. Quem está mais próximo do reino de Deus? Muçulmanos ou católicos? Sou protestante, mas aponto para os muçulmanos. Não são idólatras. Seguem mais ao Eterno do que os católicos. São ferrenhos apoiadores do monoteísmo. Evitam conscientemente o paganismo (apesar de alguns
    estudiosos apontarem a Caaba como símbolo pagão
    ou o próprio nome de Allah em árabe). Muhammed pode não ter sido um verdadeiro profeta, e nem vou entrar no mérito da revelação do anjo Gabriel, mas com certeza foi um grande reformador da religião abraâmica, que pretendeu voltar às origens da fé. Noto que ele foi um grande influenciado pelos nestorianos, arianos e ebionitas. O que acha?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu discordo. Os muçulmanos não creem em alguns dogmas cristãos fundamentais que até os católicos creem (ex: Jesus ter morrido pelos nossos pecados e ressuscitado ao terceiro dia para a nossa justificação, a doutrina da trindade, o cânon bíblico que embora com sete livros a mais ainda assim se aproxima muito mais do que o falso Corão, etc), e pelo menos nos dias de hoje o radicalismo islâmico é incomparavelmente mais danoso que o católico (muçulmanos continuam matando até hoje, católicos já pararam há algum tempo). Eles podem não ser idólatras no sentido de adorar imagens, mas o próprio deus que adoram é um falso deus, então dá no mesmo. Podemos sim respeitar os muçulmanos moderados da mesma forma que respeitamos os católicos moderados, mas dizer que os muçulmanos em geral estão mais próximos de Deus que os católicos em geral eu creio ser um exagero, mas respeito sua opinião.

      Excluir
  21. Banzoli, o que você acha de músicas como essas? Será pecado gostar dessas músicas?

    https://www.youtube.com/watch?v=6qkKfvKHc10&t=1935s

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Desculpa mas eu não consegui escutar mais do que alguns segundos da música pra saber se é pecado ou não, é um tipo de música que não suporto, não faz meu gosto.

      Excluir
  22. Oi Lucas,

    Em que momento vc acha que os ímpios serão castigados?Logo após a segunda ressurreição ou em outro momento?.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Após a ressurreição vem o juízo, após o juízo vem a condenação, após o castigo vem a morte.

      Excluir
    2. Mas após a ressurreição Satanás não sairá a enganar as nações,reunirá os ímpios para a batalha contra a cidade santa?.

      Excluir
    3. Qual parte do "após o juízo" você perdeu?

      Excluir
    4. É que na minha mente quando cada um for julgado(ou seja após o juízo)eles serão levados ao Geena para ficar sendo castigados neste local.

      Excluir
    5. Logo,se eles foram condenados e estão no geena pagando os pecados como podem ao mesmo tempo se reunirem pra uma batalha?.

      Excluir
    6. Mas não vai ser "ao mesmo tempo", são momentos diferentes, o castigo no geena e a batalha final.

      PS: tomara que você não seja o mesmo anônimo que fez o comentário estúpido abaixo poucos minutos após o seu comment acima, se não foi me perdoe, pois eu pensei que era.

      Excluir
    7. Ok.Eu sou aniquilacionista como vc.Na sua opinião o que vem primeiro?

      Excluir
    8. Pela lógica eu acho que vem primeiro a batalha final depois o castigo.

      Excluir
    9. Primeiro Satanás engana essa multidão e as ajunta após a ressurreição, depois do fracasso da batalha final ocorre o juízo final, a condenação, o castigo e a morte (essa é a sequência narrada no capítulo 20). Mas uma vez que sabemos que o Apocalipse não segue um rigor necessariamente cronológico, é possível se pensar numa ordem diferente de: (a) ressurreição; (b) juízo; (c) castigo; (d) rebelião; (e) eliminação.

      Excluir
    10. Lucas,mas numa ordem diferente o juízo fica comprometido,pensa bem:As pessoas são castigadas no Geena junto com Satanás,pagam tudo,saem de lá junto com Satanás e se reúnem para atacar o arraial dos santos,logo eles estão pecando novamente,aí eles teriam que passar por um novo juízo porque pelo que eu entendo todos vão pagar até o último centavo.

      Excluir
    11. Tem razão, faz sentido o que você disse. A não ser que neste caso o juízo fosse a própria aniquilação.

      Excluir
  23. Aí está Banzoli. Essa refutação serve pra você, que também defendo essa heresia, de que essas almas são sangue. Interpretação horrível essa de vocês.

    https://www.youtube.com/watch?v=-cVLMhXdpfY

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você é retardado ou apenas desonesto? Quando foi que eu disse que as almas de Apocalipse 6 são sangue? Aqui está o meu estudo sobre a passagem em questão, tenha a desfaçatez de lê-lo e me indique a parte exata em que eu digo que as almas dali são sangue:

      http://desvendandoalenda.blogspot.com.br/2012/12/as-almas-debaixo-do-altar.html

      É tanta vigarice e sem-vergonhice de gente idiota que acha que "refutou o Banzoli" que me dá asco. Não leem porcaria nenhuma da argumentação, mas mesmo assim se acham no direito de dizer que "refutaram" alguma coisa porque acharam um vídeo por aí no youtube comentando sobre algo que eu nunca disse, e pior ainda, vem postar aqui do alto de sua arrogância como se tivesse "acabado" comigo. Não sei se é pra rir ou pra chorar. Você não tem vergonha na cara não? É por culpa de gente ralé como você que o imortalismo perde cada vez mais credibilidade e adeptos no mundo todo.

      Excluir
  24. Lucas quero te desejar que a sua vida seja repleta de paz,fé,alegria, prosperidade e realizações neste ano que se anuncia.FELIZ 2018!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, desejo-lhe o mesmo, feliz 2018! =)

      Excluir
  25. E aí ? Não vai dar sua opinião sobre a Torah e o holocausto? Sua opinião é importante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu respondi onde você fez a pergunta (não foi neste artigo, e sim no outro):

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2017/12/as-portas-do-inferno-nao-prevalecerao-e.html?showComment=1514748427699#c4868511524876781144

      Excluir
    2. Pô, muito grato! Deus te abençoe. Feliz 2018!

      Excluir
    3. Deus lhe abençoe igualmente e feliz 2018 :)

      Excluir
  26. Lucas o que podemos fazer para frear essas proliferação no youtuberes católicos que a cada dia estão crescendo cada vez mais no qual eles estão mais audaciosos para atacar o protestantismo de todas as formas que a até muitos ditos evangélicos de tanto ouvirem e verem esses canais estão se convertendo ao catolicismo. O que é preciso fazer para nós protestantes mudar esse cenário?Infelizmente eles querem a restauração de um estado totalitário católico...precisamos reagir senão será tarde demais.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É aquela coisa que o Martin Luther King dizia: "O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silêncio dos bons". Apologistas católicos radicais e fanáticos sentem muito mais vontade de "gritar ao mundo" as maluquices que pensam do que um cristão moderado e de bom senso sente vontade de refutar essas aberrações, por isso parece que o mal sempre cresce. Mas o problema não é o grito dos maus, não é o radicalismo pró-Inquisição, cruzadas e todos os tipos de vilipêndio e atentado contra a vida e a dignidade humana vinda desses terroristas travestidos de apologistas católicos, isso é apenas o que os maus sempre fizeram desde o início da raça humana. O verdadeiro mau consiste nos bons ficarem quietos, cruzarem os braços e não falarem um pio contra essas atrocidades morais. Eu tento fazer a minha parte com este singelo e modesto blog, outros também tentam fazer a parte deles, mas a esmagadora maioria prefere literalmente não fazer NADA e esperar que as coisas se solucionem um passe de mágica. Aí que é difícil.

      Excluir
    2. Concordo com você Lucas, mas minha opinião não há motivos pra pânico não. O catolicismo está fazendo o que sempre fez: crescer às custas de mentiras. Eles estão fazendo o que lhe cabe: anunciar mentiras maquiadas de verdade. Lógico que não devemos ficar passivos. Vamos anunciar o Evangelho de Cristo. Quem convence do pecado é o Espírito Santo. Nada de rivalidades ou violencia. Vamos fazer o que fez o profeta Elias: se Deus for católico, serem católicos. Agora, sem querer ser arrogante, mas não precisa de muito esforço intelectual pra perceber quem está com a verdade. Jesus ensinou que é pelos frutos que se conhece a árvore. Olhemos para o passado da ICAR e teremos a resposta.

      Excluir
  27. Gabriel Lima Santos31 de dezembro de 2017 18:50

    Feliz 2018 Lucas!

    ResponderExcluir
  28. Feliz 2018 Banzolão :)

    ResponderExcluir
  29. Lucas o que acha desse cantor e pastor presbiteriano?https://www.youtube.com/watch?v=_V7-UPsduA8.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu até achei que ele canta bem, mas o estilo de música não é bem o que eu curto ouvir.

      Excluir
  30. Os astronautas vieram com mais uma lorota sobre Agostinho, dizendo que ele acredita que os concílios são infalíveis.. kkkkk tem como vc comentar o último texto dos "apologistas"?
    abçs Feliz 2018

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alguém ainda lê essa porcaria? kkkkk

      Os caras não conseguem decidir nem entre eles mesmos sobre a "infalibilidade" de um concílio ecumênico que ocorreu há apenas algumas décadas atrás (Vaticano II), e ainda querem decidir infalivelmente o que Agostinho acreditava há mais de um milênio meio. É rir pra não chorar.

      Excluir