19 de abril de 2015

O pior argumento católico de todos os tempos


Quando a gente pensa que os argumentos católicos já são tão suficientemente ruins ao ponto de não ter como piorar mais... tem sim. O Mestre, sim, ele mesmo, nos deu há poucos dias um argumento fenomenal, que prova de forma cabal que a Igreja Romana é a “Igreja de Cristo”. Vejam só:


Pois é, né? Quem precisa estudar doutrina, quando basta ver os corpos incorruptos dos santos e – puft – descobrir a “Igreja verdadeira”? Pra que ficar lendo esse livro antigo tão perigoso, chamado “Bíblia”, se podemos apenas testar a incorruptibilidade dos cadáveres e depois verificar a religião deles, chegando a uma conclusão tão incontestavelmente livre de erros? O que esses teólogos andam fazendo esse tempo todo, escrevendo livros e mais livros de teologia, estudando anos e mais anos em seminários, quando basta ver um defunto para resolver todos os dilemas? Como é que eles nunca perceberam este método tão easy de verificação da religião verdadeira? Quem precisa de Bíblia quando temos cadáveres, não é mesmo?

Mas quando foi que Jesus, ou qualquer um dos apóstolos, ensinou que a marca da “religião verdadeira” seria a possessão de cadáveres que não entrariam em decomposição? Essa seria, certamente, uma indicação muito fácil da “religião verdadeira”, que evitaria qualquer debate acirrado sobre temas históricos e doutrinários. É até impressionante que Jesus e os escritores bíblicos, unanimemente, jamais tenham afirmado tal tipo de coisa, que resolveria os debates em dois segundos. Eles sempre apontaram para a doutrina, e nada além da doutrina, como a marca da verdadeira fé. Jamais a corpos de “santos incorruptos”. Até hoje não temos a mínima noção de que Deus tenha preservado incorruptos os corpos de Pedro, Paulo, Tiago, João e de tantos outros gigantes da fé, incomparavelmente superiores a qualquer “santo” católico-romano.

O católico pode mostrar um único santo presente na Bíblia, que tenha tido seu corpo preservado incorruptível até os dias de hoje? Será que os “santos” de hoje são mais santos dos que os daquela época? E por que raios Deus iria preservar o corpo de um defunto que dentro de algum tempo ressuscitaria de forma gloriosa e incorruptível? Qual é a utilidade, finalidade ou lógica em manter incorrupto um corpo de alguém que já morreu, e que certamente não pode desfrutar em nada desta “benção” recebida? E, pegando a onda na crença papista da imortalidade da alma, qual o sentido de preservar um cadáver quando o “verdadeiro eu”, a tal “alma imortal”, já está vivinha da Silva lá no Céu, tocando harpa com os anjos e flutuando nas nuvens? Se a alma já está liberta do corpo, pra que preservar este corpo?

A coisa piora ainda mais quando vemos que os papistas ignoram ou desprezam as explicações científicas para o fenômeno dos “corpos incorruptos”, que não demandam necessariamente algo de milagroso ou sobrenatural. O artigo da Wikipédia acerca dos corpos incorruptos explica:

“Céticos afirmam que o fenômeno se deve geralmente a condições de preservação favoráveis, como baixas temperaturas e ausência de oxigênio nos caixões. Condições específicas também podem levar à mumificação natural; processo o qual as múmias do Llullaillaco, com mais de 500 anos de idade, definem exemplo recentemente destacado. O processo é cientificamente conhecido como adipocere. Mumificações ou preservações de corpos por processos naturais ocorrem não apenas com humanos mas também com as mais variadas formas de vida – de microrganismos ou plantas unicelulares até mamutes ou mesmo árvores inteiras – como demonstram a miríade de fósseis de tecidos moles já encontrados e catalogados. Relatos de corpos que resistem à decomposição e são encontrados intactos durante as exumações rotineiras dos restos mortais após transcorridos os períodos normais de sepultamento são frequentes o suficiente para não poderem ser classificados como casos anormais.
(...)
Pesquisas encomendadas pela Igreja Católica revelaram fraudes em muitos supostos corpos incorruptos. Foi o caso de Margarida de Cortona, morta em 1297 e venerada na região da Toscana. Ezio Fulcheri, professor da Universidade de Gênova, descobriu que o corpo preservado exposto na Catedral de Cortona, apresentava incisões nas coxas, na barriga e no peito, onde haviam sido injetados conservantes”

Mas pra que dar ouvidos às explicações científicas? Elas só cortam o barato. Não tem graça.

Há centenas de sites explicando e desmascarando os “santos incorruptos” da ICAR, e aqui não cabe passá-los todos. Para isso, basta uma busca rápida no Google. Apenas explanando alguns deles, um artigo da Discover magazine informa:

“A pedido do Vaticano, patologistas, químicos e radiologistas italianos estiveram estudando os corpos de homens e mulheres antigos enterrados nos relicários das igrejas (...) Em Cortona, Fulcheri juntou-se aos outros examinadores, fazendo o juramento requisitado a todos os participantes de tais procedimentos: ele jurou respeitar os restos dos santos, de não pegar nada e de dizer a verdade a respeito das suas descobertas. Então ele e seus colegas romperam os lacres do relicário e carregaram o corpo da santa [Margarita] a uma área privada da catedral. Conforme Fulcheri levantou gentilmente a borda de seu vestido sobre suas pernas, todos os reunidos começaram a murmurar. Várias longas incisões haviam sido feitas ao longo de suas coxas; havia outros cortes mais fundos ao longo do abdome e peito. Claramente feitos após a morte, eles haviam sido costurados com uma linha grossa e preta. Santa Margarita fora artificialmente mumificada.
Investigando documentos históricos e eclesiásticos, Fulcheri fez uma descoberta surpreendente: ‘As pessoas [de Cortona] pediram à Igreja que a embalsamasse’, diz ele. De acordo com os relatos, eles fizeram este pedido publicamente. Mas ao longo dos séculos, este fato havia se perdido. As pessoas assumiram, dado o estado do seu corpo, que ela havia sido preservada por um ano divino. Os reconhecimentos canônicos realizados no corpo pouco fizeram para corrigir o relato. Os examinadores detectaram a fragrância dos unguentos e especiarias sobre ela, mas eles estavam muito embaraçados para fazer nela um exame físico completo. ‘Eles haviam puxado seu vestido para trás, mas só um pouco para ser sincero’, observa Fulcheri”[1]

Um outro artigo a este respeito, que trata sobre a preservação da “santa Bernadete”, alega:

“Vamos analisar a história do corpo de Santa Bernadete após a sua morte, em 1879. Note-se que o site contando a história é católico. Trinta anos após a sua morte, o corpo foi exumado para ser examinado para processo de canonização. Um cirurgião e um doutor examinaram o corpo sob juramento. O estado de preservação do corpo era ‘perfeito’ (sic). O hábito estava umedecido, o rosto estava pálido. Ao remover o hábito, perceberam que os membros estavam rígidos e tensionados - e, de fato, o corpo todo estava rígido, de tal maneira que eles puderam virar e desvirar o corpo. As costelas estavam protuberantes e o estômago estava afundado. As partes mais baixas do corpo estavam enegrecidas, o que ‘parecia ter sido resultado do carbono que foi encontrado em grandes quantidades no caixão’. As freiras que acompanhavam o procedimento lavaram o corpo e colocaram-no em um novo caixão. Nas poucas horas que o corpo ficou exposto ao ar, ele começou a escurecer. O caixão foi selado e guardado.
Escurecer? Hum...
O próprio texto diz que a preservação do corpo não é necessariamente milagre, mas pode estar ligado com as condições em que o corpo foi sepultado. Dez anos depois, o corpo foi novamente exumado e analisado por dois doutores. O corpo estava praticamente mumificado. A pele estava ausente em alguns lugares, embora ainda estivesse presente na maior parte do corpo. Algumas das veias estavam ainda visíveis. Os músculos estavam atrofiados, mas bem conservados, a pele estava enrugada devido aos efeitos da umidade do caixão.
A última exumação se deu em 1925. Nesta ocasião, o corpo foi envolto em faixas, exceto no rosto e nas mãos. O rosto foi impresso para que a firma de Pierre Imans de Paris pudesse criar uma leve máscara de cera baseada nesta impressão e nas fotos disponíveis. Isto era uma prática comum, pois o enegrecimento da face e afundamento dos olhos poderiam dar uma impressão desagradável ao público. Convido-o, caro leiro, a examinar as máscaras de cera nas fotos de vários santos. Veja também quantas vezes a palavra wax (cera, em inglês) aparece nesta página[2] que defende que a incorruptibilidade dos santos é um milagre. É assim, caro leitor, que se esconde a verdade, para que o povo não ‘perca a fé’ - ou seja, não questione e continue pagando o dízimo. Com uma máscara de cera”[3]

Sobre o padre Pio, Brian Dunning sustenta:

“Padre Pio, o padre do século 20 famoso por seus estigmas, também está na lista de incorruptos da Igreja. No entanto, de acordo com registros da própria Igreja, seu corpo foi embalsamado com formaldeído após a morte. Mesmo assim, em sua exumação, 40 anos depois, os restos mortais foram descritos como ‘parcialmente esqueléticos’ e agentes funerários foram incapazes de restaurar a face a uma condição visível, então padre Pio é exibido hoje com uma máscara de silicone realista”[4]

Alguns papistas apelam ainda para o fato de os corpos incorruptos possuírem um cheiro agradável mesmo depois de tanto tempo mortos. Sobre isso, Dunning assinala:

“Corpos incorruptíveis, quando exumados, são muitas vezes acompanhados por um cheiro doce que os católicos chamam de odor de santidade. É claro que a explicação óbvia para um cheiro tal seria o formol. No entanto, os fluidos de embalsamamento modernos, basicamente misturas de formaldeído, diz-se que têm um cheiro forte e desagradável como a gasolina. Por isso a maioria dos fabricantes mascara o cheiro do perfume com aditivos. Historicamente, pomadas perfumadas foram utilizadas em cadáveres para combater o cheiro de decomposição, e muitas dessas pomadas são agora conhecidas por terem guaiacol contido, um conservante eficaz feito a partir de madeira de faia de alcatrão, similar ao creosote. Então, desenterrando um corpo e o encontrando em qualquer estado de conservação, é provável que você sinta um forte odor doce. Evidência de embalsamamento ou mascaramento de odor é uma explicação melhor para esse cheiro do que algum sobrenatural ‘odor de santidade’”[5]

Um outro artigo explica, sob uma perspectiva científica, o que ocorre nestes casos de “santos incorruptos” – trata-se de um processo natural conhecido como adipocere:

«O processo de adipocere acontece enterrando o corpo em locais com pouco oxigênio e muita umidade, como nas criptas e mausoléus. Durante o velório o corpo é coberto com um tule bem fino e de boa qualidade ou se lacra o caixão direto, assim moscas não conseguem depositar seus ovos no corpo o que faria eclodir as larvas que o devorariam. O ambiente úmido e com temperatura constante, além de uma certa alcalinidade na umidade devido as pedras ou cimento da cripta ou mausoléu, um caixão que permita passar essa umidade, mas não os seres decompositores, inicia-se assim um processo em que a gordura humana começa a se tornar lentamente um tipo de sabão. Essa substância protege os músculos, ossos e muitos órgãos internos do corpo. Além é claro da escuridão do local que permite uma boa fermentação continua em sem problemas. Normalmente só isso iria criar uma criatura esquisita semi corroída. Com auxílio de um embalsamador pode se até mesmo proteger melhor órgãos internos e até mesmo o sangue líquido. O sangue líquido pode também se formar mais tarde com a destruição dos glóbulos vermelhos, ficando assim os coágulos do sangue mas permitindo a passagem de um líquido avermelhado parecendo sangue.


A foto acima é de uma criança sepultada em 1902, exumada em 1995 quando houve a mudança do cemitério. Quando dizem que o processo de incorrupção de corpos não é explicado pela ciência é uma grande mentira. O processo é altamente conhecido e documentado pela ciência. O processo de incorrupção é um misto entre um processo natural de conservação do corpo com o processo de embalsamamento. O processo natural é conhecido como adipocere»

Recomendo a leitura do artigo inteiro, disponível no link abaixo, que explica com mais detalhes como funciona este processo:


Mas vamos fazer de conta que os corpos incorruptos católicos sejam mesmo totalmente comprovados cientificamente, que os cientistas não tenham nenhuma explicação natural e razoável para os fenômenos e que confirmem que se trate de um milagre católico incontestável e absolutamente sobrenatural. O que isso prova? Absolutamente nada. E isso por uma razão simples: as demais religiões também têm seus próprios “santos incorruptos”!

Olavo diz que continuaria a discussão quando seu interlocutor mostrasse os corpos incorruptos da sua religião. Então um budista continuaria a discussão tranquilamente, pois monges budistas bem preservados têm sido encontrados aos montões. Um deles é o “Hambo Lama” Itigelov, que morreu e foi enterrado em 1927, mas que tem até hoje seu corpo preservado como se estivesse mumificado, mesmo sem possuir nenhum conservante (a única coisa que o envolvia eram roupas de seda e tecido). Seus músculos e pele continuavam macios, e suas articulações ainda estavam sanfonadas. O artigo que trata sobre isso declara:

Monge Imortal

“Itigelov deixou um testamento, pedindo para ser enterrado na pose de lótus, dentro de uma caixa de cedro em um cemitério comum da Rússia. E assim foi feito. Exisitia também uma declaração, onde Itigenov solicitou que fosse exumado depois de vários anos. (Este é o ponto chocante, pois Itigenov sabia que o seu corpo estaria preservado). Seu corpo foi exumado três vezes, porém os monges estavam muito assustados para divulgar essa informação, devido ao regime comunista que não liberava nenhum espaço para religião na sociedade. Somente em 2002 o corpo foi finalmente exumado e transferido para Ivolginsky Datsan (residência atual do Hambo Lama), onde ele foi examinado de perto pelos monges e, o que é agora o mais importante por cientistas e patologistas. O comunicado oficial emitido sobre o corpo – muito bem conservado, sem quaisquer sinais de decadência, músculos inteiros, tecido e pele conservados e juntas flexíveis. O interessante é que o corpo nunca foi embalsamado ou mumificado. Dois anos se passaram. O corpo de Itigelov agora é mantido ao ar livre, em contato com outras pessoas, sem qualquer temperatura ou regimes de umidade. Como Itigelov mantém essa condição, ninguém sabe”[6]

Até mesmo hindus entram na lista dos “corpos incorruptos”. Em 1952, foi divulgado o caso de um hindu na Califórnia, chamado Paramahansa Yogananda, fundador da Self-Realization Fellowship, que exclamou:

“Em 7 de março de 1952, Paramahansa Yogananda entrou em mahasamadh (...) Sua passagem foi marcada por um fenômeno extraordinário. Um declaração reconhecida, assinada pelo Diretor do Forest Lawn Memorial-Park testemunhava: ‘Nenhuma desintegração física era visível em seu corpo, mesmo vinte dias após a morte (...) Este estado de perfeita preservação de um corpo é, até onde sabemos pelos anais mortuários, sem paralelos (...) o corpo de Yogananda estava aparentemente em um fenomenal estado de imutabilidade”[7]

Entre os ortodoxos, encontrar “santos incorruptos” também é extremamente comum. Na própria página de Olavo, um de seus seguidores postou isso:


Curiosamente, Olavo não lhe deu resposta.

Sabe-se que há divergências cruciais entre a Igreja Romana e a Ortodoxa. Os ortodoxos negam a autoridade e infalibilidade do bispo romano, não creem em doutrinas como o purgatório e a imaculada conceição de Maria, nem admitem imagens de escultura em seus templos. Mesmo assim, eles têm tantos corpos de “santos incorruptos” quanto os romanos dizem possuir. Se os corpos incorruptos são um milagre divino para mostrar qual é a “religião verdadeira”, devemos presumir que Deus nos quer deixar confusos – ou que todos os caminhos levam a Ele. Relatos de corpos incorruptos têm aparecido entre ortodoxos, hindus, budistas e em multidão de pessoas anônimas e inclusive irreligiosas.  

Dunning afirma:

“Os melhores exemplos de incorruptibilidade naturais vêm das turfeiras do norte da Europa. Cerca de mil pessoas foram exumadas nos pântanos, onde uma combinação única de condições de frio e processos químicos preserva os tecidos moles. A maioria destes vem a partir da idade de ferro Celtic, mas alguns são muito mais antigos; o ser mais antigo, Koelbjerg Mulher, é de 5.500 anos de idade. Em corpos do pântano, o ácido turfa dissolve realmente os ossos, mas deixa os tecidos moles flexíveis, como a borracha. Tecnicamente, estes cumprem os critérios católicos da incorruptibilidade muito melhor do que qualquer um dos cadáveres mumificados secos das reivindicações da Igreja. Por que as pessoas não os consideram santos? Pelo menos seus corpos realmente não permanecem flexíveis”[8]

Essas mil pessoas não eram todas católicas, nem foram reconhecidas como “santos”, mas tiveram seus corpos preservados de maneira mais precisa do que a dos corpos de “santos” católicos. A verdade é que se a discussão sobre a verdadeira fé deve se pautar pelo campo dos corpos incorruptos, então qualquer pessoa, de qualquer religião, poderia “continuar o debate” tranquilamente – até que este debate não leve a parte alguma.

Por fim, mesmo que a ciência comprovasse que os corpos incorruptos só podem ser explicados sobrenaturalmente, e ainda que relatos deste tipo só existissem dentro da Igreja Romana em particular, isso ainda não nos levaria a crer que a Igreja Romana é a “verdadeira Igreja de Cristo”. E isso por uma razão extremamente simples: biblicamente, o diabo também tem poder para fazer coisas que poderíamos atribuir ao “sobrenatural”. Eu escrevi um artigo inteiro sobre isso, intitulado: "Os milagres na Igreja Católica são de Deus?". Ali eu mostro sete provas bíblicas incontestáveis de que Satanás também pode agir de forma “miraculosa”. A Bíblia deixa extremamente claro que “espíritos de demônios realizam sinais miraculosos” (Ap.16:14), para não deixar ninguém com dúvida alguma.

Um dos relatos mais interessantes, para mim, está em Apocalipse 13:13-14, no contexto da grande tribulação, em que João diz:

“E faz grandes sinais, de maneira que até fogo faz descer do céu à terra, à vista dos homens. E engana os que habitam na terra com sinais que lhe foi permitido que fizesse em presença da besta, dizendo aos que habitam na terra que fizessem uma imagem à besta que recebera a ferida da espada e vivia” (Apocalipse 13:13-14)

Note que o anticristo fazia – pelo poder satânico, obviamente – sinais miraculosos espetaculares, de tal forma que fazia com que fogo caísse do céu à terra, e isso publicamente, para todo mundo ver e testemunhar por si mesmo. Eu (e tenho certeza que você também) considero isso uma “evidência miraculosa” de peso enormemente superior aos “corpos incorruptos”. Se eu precisasse de um “sinal” extraordinário, com certeza seria esse. À uma primeira vista, isso só pode vir de Deus. Mas a Bíblia diz que veio do diabo. Imagine alguém na grande tribulação, vendo os sinais tão poderosos, inexplicáveis e espetaculares que o anticristo vem fazendo, e então afirmasse:

“Confrontando com os adeptos de ‘outras religiões’, eu me perco em polêmicas doutrinais que só azedam a alma e não levam a parte alguma. Prefiro mostrar ao interlocutor o fogo que o anticristo faz cair do céu e dizer: continuaremos a discussão quando você me mostrar os da sua religião”

E esses “da outra religião”, com certeza, não seriam capazes de fazer com que o fogo caísse do céu também – tente pedir isso, e por mais santo que você for, sairá frustrado. Mas o que nem o mais santo cristão poderá fazer, o anticristo fará, e o fará com naturalidade, impressionando a todo mundo. A mesma coisa ocorre no caso dos “santos incorruptos”: um sinal que, mesmo que fosse verdadeiro e inexplicável cientificamente (o que sabemos que não é), não prova coisa nenhuma, a não ser que o diabo também tem poder para operar coisas do tipo, o que não é novidade para ninguém que tenha um mínimo de conhecimento bíblico.

No fim das contas, percebemos que esta tentativa de “argumento” não passa de mais uma técnica cretina de se desviar do campo doutrinário e da Bíblia, que é justamente o que Satanás sempre persistiu em fazer. Como eles sabem que suas heresias são gritantemente antibíblicas, eles já abriram mão do embate teológico, levando o debate para outra arena, a qual eles pensam que tem vantagem. Em outras palavras, como eles têm falsas doutrinas e corpos incorruptos, e nós temos verdadeiras doutrinas e corpos corruptos, eles desviam o foco do debate da doutrina, levando-o para os defuntos. É lastimável. Só serve para provar, mais uma vez, que eles estão mais desesperados do que nunca – e isso sim é uma grande notícia.


Em contraste com a ignorância olavista, prefiro ficar com Martinho Lutero, que disse:

"Qualquer ensinamento que não se enquadre nas Escrituras deve ser rejeitado, mesmo que faça chover milagres todos os dias"

Paz a todos vocês que estão em Cristo.

Por Cristo e por Seu Reino,
Lucas Banzoli (apologiacrista.com)


-Meus livros:

-Veja uma lista completa de livros meus clicando aqui.

- Acesse o meu canal no YouTube clicando aqui.


-Não deixe de acessar meus outros sites:
Apologia Cristã (Artigos de apologética cristã sobre doutrina e moral)
O Cristianismo em Foco (Reflexões cristãs e estudos bíblicos)
Estudando Escatologia (Estudos sobre o Apocalipse)
Desvendando a Lenda (Refutando a Imortalidade da Alma)
Ateísmo Refutado (Evidências da existência de Deus e veracidade da Bíblia)


29 comentários:

  1. Irmão Lucas,

    Realmente esse não é somente o Olavo que tem a insensatez de argumentar com tamanho ridículo ao mais simples intelecto. Veja outro exemplo: Não se se o irmão está sabendo que a ICAR está para beatificar D. Helder Câmara. Nada pessoal contra o mesmo, bom homem, com uma história de vida significativa para os padrões social. Entretanto, daí a se tornar intercessor no céu junto ao Pai é outra coisa. Um Bispo recifense disse em entrevista à TV local para os católicos rezarem a D. Helder para que recebam graças através do mesmo e possam dar o seu testemunho de graças alcançadas. Pois bem, se para algum defunto ser considerado beato ou "santo" precisa que haja provas de que sua intercessão no céu é atendida por Deus, então a Igreja Católica deveria beatificar outros muitos outros defuntos, pois tem muitíssima gente que teria recebido "graças" do além após terem rezado a estes mortos-vivos. Olhe que tem gente que já rezou a um defunto chamado Anás. Já imaginou a ICAR com um santo com um nome destes? Eles poderiam até construir uma igreja em sua honra: A Igreja de SANT' ANÁS!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahaha essa do "SANT' ANÁS" foi ótima!

      E o pior é que esse Dom Hélder, que está prestes a se tornar "santo", é nada a menos que o patrono da esquerda católica no Brasil:

      http://juliosevero.blogspot.com.br/2015/04/vaticano-autoriza-processo-de.html

      E enquanto isso, na maior coerência do mundo, a garotada católica que segue o Olavo jura de pés juntos que a Igreja Romana é anti-esquerdista e totalmente capitalista e direitista!

      Excluir
    2. Seguir o romanismo traz muitas contradições a serem resolvidas.

      Estão prestes a canonizar um comunista, algo que as olavetes consideram um pecado mortal.

      Isto quer dizer que pessoas alcançaram graças devido a intercessão desse pecador mortal. Porém, a mesma pessoa que diz que Dom Hélder é filho do diabo também acredita que a igreja que o canonizará é infalível.

      Como fica isso ae?

      Excluir
    3. Isso sem falar no "comunista" Dom Odilo, que quase foi eleito papa. Imagine se ele ganha mesmo? Como ficariam as olavetes? rsrs

      Excluir
  2. Excelente Lucas! Isto é igual aquele caso em que falam que basta um caso de consciencia fora do corpo pós morte - clinica - para acreditar que existe consciencia fora do corpo, sem uso de cérebro etc - portanto, existe alguma conclusão para se pensar em imortalidade da alma. Como se pudessemos legar crença numa besteira dessa. Força e Honra Ass: Eremilson

    ResponderExcluir
  3. Primeiro era Trento e sua afirmação de uma tradição oral e misteriosa passada desde Cristo, que homens como Chemnitz refutaram. Depois veio Newman, um anglicano confuso que, insatisfeito com seu movimento ser minoria no protestantismo inglês e com uma desconfiança e ceticismo na razão humana,vinda de leituras de Hume e De Maistre, cria sua teoria do desenvolvimento do dogma como fundamento para a fé.Agora, o Olavo tem um insight genial e descobre a chave para a verdade: corpos conservados, muitas vezes por mumificação. Que Cristo tenha piedade deste homem.

    ResponderExcluir
  4. Acho que depois de ter citado esse "argumento", esse senhor ai deveria excluir sua conta do face, srsrsr!

    ResponderExcluir
  5. O Leonardo Pratas fez um excelente comentário sobre a fala do Olavo em sua página no facebook:

    "Mostre-me corpos defuntos incorruptíveis como suposto argumento validativo da sua fé e eu lhe mostrarei vidas perdoadas, restauradas, renovadas, santificadas, saradas, libertas e abençoadas por um DEUS de VIDA e não de morte! Afinal, esse mesmo DEUS diz que "a carne para nada se aproveita mas é o espírito que vivifica" (Jo 6:63)"

    Sem mais!

    ResponderExcluir
  6. Dá até para ver como os papistas decairam.Vamos em ordem decrescente:
    1-o protestantismo nao valoriza os sacramentos e a igreja visivel.
    Isto se refuta mostrando os escritos de Lutero, Calvino, Bunge, Bucer, Kline, Murray, Wilson,Jordan Pusey, entre outros.
    2-O protestantismo nao fernece uma visao de mundo abrangente.
    Esta mentira se refuta ao se olhar Dooyeweerd, Van til , Clouser, Rushdoony e varios outros.
    2-O protestantismo leva ao pietismo ou liberalismo.
    É um argumento de parcialidade grosseira, ignorando nomes como Kuyper e Wesley.
    3-O protestantismo é legalista.
    Só afirma isso quem nao conhece o sola fidei.
    4-Os protestantes nao levam os pais da igreja a serio.
    Apenas as institutas refutam esta mentira com folga.
    5-Calvino matou Serveto.
    Ignorancia do contexto da epoca.
    6-Lutero se casou com uma ex freira.
    Este é quando o papista já está desesperado.
    Agora o mais recente:o protestantismo nao tem mumias.É o ultimo prego no caixao.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tem também aquele de que "Lutero vivia bêbado" (risos):

      http://resistenciaapologetica.blogspot.com.br/2015/03/nazismo-inquisicao-protestante-e-o.html

      Excluir
    2. Lucas, fantástico esse artigo do link exposto por você acima. O rapaz é muito bom pra refutar. Tem como você reproduzir aqui no seu blog também? Isso precisa ser espalhado pelos quatro cantos da internet.

      Excluir
    3. Criei uma página sobre isso em meu outro site:

      http://www.apologiacrista.com/index.php?pagina=1087769893

      Abraços!

      Excluir
    4. Lucas, estou me referindo ao link que você postou acima do resistência apologética sobre o Lutero bêbado. Seria bom reproduzir aqui em seu site também. O Fernando e a sua secretária foram tão bem refutados que não sobrou mais nada deles, só a fumaça do incêndio.

      Excluir
    5. Ah, sim. Já fiz um artigo divulgando a refutação dele:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2015/04/fakenando-nascimento-sendo-humilhado-de.html

      Excluir
  7. Lucas quem é o vicário de Cristo na terra ? O esp Santo ou não tem vicário nenhum ? A ICAR diz que é o papa...mas se dissermos que é o Esp santo não da a entender que a presença de Jesus não está presente conosco, já que a palavra ´´vicário´´ significa ´´no lugar de ´´.

    Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Espírito Santo pode ser considerado nosso "vicário" a partir dessas palavras de Jesus:

      "E eu pedirei ao Pai, e ele lhes dará outro Conselheiro para estar com vocês para sempre, o Espírito da verdade. O mundo não pode recebê-lo, porque não o vê nem o conhece. Mas vocês o conhecem, pois ele vive com vocês e estará em vocês. Não os deixarei órfãos; voltarei para vocês" (João 14:16-18)

      "Tudo isso lhes tenho dito enquanto ainda estou com vocês. Mas o Conselheiro, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, lhes ensinará todas as coisas e lhes fará lembrar tudo o que eu lhes disse" (João 14:25-26)

      "Mas eu lhes afirmo que é para o bem de vocês que eu vou. Se eu não for, o Conselheiro não virá para vocês; mas se eu for, eu o enviarei" (João 16:7)

      "Tenho ainda muito que lhes dizer, mas vocês não o podem suportar agora. Mas quando o Espírito da verdade vier, ele os guiará a toda a verdade. Não falará de si mesmo; falará apenas o que ouvir, e lhes anunciará o que está por vir" (João 16:12-13)

      Mas isso não significa que Jesus nos tenha "abandonado". Ele continua conosco "até a consumação dos séculos" (Mt.28:20), mas não pessoalmente, e sim através do Espírito Santo, que habita permanentemente nos corações de todo aquele que crê.

      Excluir
  8. Gostei muito do texto e da sua colocação!! Acho que o argumento de mostrar corpos de santos mortos não é o suficiente pra mostrar que uma religião tem evidências que se adequam à verdade. Porém, eu queria indagar algo. Suponhamos que tenha sido encontrado o corpo de sao Jorge (vou usar um exemplo de santo católico), isso não iria provar que a religião catolica é a certa, porque sao Jorge é uma santo para mim (no sentido de ter sido fiel a Deus ate o fim, nao ter negado a fé e ter morrido de forma drástica). Então, eu queria entender porque os católicos e alguns protestantes ficam fazendo essa divisão (ex: Maria é Santa para o catolico. Para o evangélico, Maria é só mae de Jesus e dizer que ela é Santa é pecado). Nao to generalizando em relação aos evangelicos, mas eu acho que se a gente começasse a entender que os santos nao sao propriedade de religião nenhuma, mas apenas pessoas santas para Deus, ja diminuiria essa briguinha de religiosos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também acho. No caso de Maria, por exemplo, eu não tenho problema nenhum em chamá-la de "santa", porque santo é qualquer pessoa que aqui na terra viveu uma vida de santidade. Infelizmente a Igreja Romana que veio mais tarde deturpou tudo, e transformou o conceito de "santo" em mortos que estão no Céu intercedendo por nós (que é um conceito de "santidade" completamente estranho à Bíblia). Mas você tem razão, é um grande equívoco tentar se "apropriar" de um "santo" porque este tinha esta ou aquela religião. Se isso fosse um critério verdadeiro para determinar a legitimidade de alguma fé, teria sido extremamente fácil para Jesus dizer: "siga a religião que tiver mais corpos incorruptos", e pronto. Mas biblicamente o critério é a obediência à Palavra de Deus, o nosso guia supremo.

      Abraços.

      Excluir
  9. Meu caro bloguero, já fui protestante por muito tempo, hoje sou católico. Não me tornei católico por causa de corpos incorruptos ou por coisas que a própria Igreja Catolica faz também investigaçoes criteriosas e sim por coisas muito mais profundas, que Calvino e Lutero entenderiam muito bem, mesmo que nao aceitassem. Mas quero fazer uma critica construtiva ao seu blog. Você colocou a seguinte exigencia:" Comentários que tentem desmerecer o artigo SEM refutá-lo não serão publicados, assim como comentários que contenham ofensas, sarcasmos ou deboches". Mas o que eu tenho visto é que os sarcasmos e deboches de quem os faz contra o catolicismo não é excluido. Isso é uma disputa justa? Como católico tenho muito a concordar e discordar de você, pois como apologéta você parece prezar a razão, mas acho que antes deveria moderar certos comentadores que cantam de galos contra homens muito gabaritados como o Cardeal Newman, mas não tem capacidade para ler uma pagina sequer dele. Fica a observação.

    ResponderExcluir
  10. Olá Lucas.
    A meu ver o apologista Olavo resolveu um problema criando outro.
    Ou seja: Ficou mais difícil saber qual é religião verdadeira pois se o critério de verdadeiro ou falso é corpos incorruptíveis então devemos aceitar como verdadeira todas as religiões do Egito antigo que mumificavam seus mortos. E para piorar: Qualquer religião que mumificar seus mortos recebe o atributo de verdadeira. E tem mais:se o corpo de um ateu mumificar-se naturalmente (algo perfeitamente possível) estamos diante de um milagre? o ateísmo passar a ser verdadeiro?
    Gostaria que algum defensor dessa hipótese solucionasse a questão.
    grato

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se "corpos incorruptos" fosse um critério para se definir a "religião verdadeira", seria muito fácil Jesus dizer isso em sua época. Isso evitaria debates teológicos milenares sobre doutrinas, igrejas e religiões. Obviamente isso nunca aconteceu, porque corpos incorruptos nunca foi critério para se definir porcaria nenhuma. Em vez disso, Jesus apelava aos frutos e à doutrina. Quem quer fugir do campo da teologia para entrar no campo dos defuntos é quem já admite que seus argumentos são completamente fracassados e assume a derrota.

      Já até imagino Tiago dizendo:

      “Se alguém se considera religioso, mas não refreia a sua língua, engana-se a si mesmo. Sua religião não tem valor algum! A religião que Deus, o nosso Pai aceita como pura e imaculada é esta: A QUE POSSUI CORPOS INCORRUPTOS” (Pseudo-Tiago 1:26-27)

      Abs!

      Excluir
  11. Lucas, saudações, os católicos estão em festa, a madre Teresa de Calcutá vai ser canonizada no dia 4 de setembro e um dos milagres é de um engenheiro que sobreviveu a uma infecção devastadora no cérebro, a minha duvida é: Os católicos vão conseguir trocar de cérebro ou continuar no modo zumbi?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Hahahahahaha acho que vão continuar no #zombiemode.

      O mais engraçado é que madre Tereza não fez nenhum milagre enquanto viva, pelo contrário, há relatos de que deixava os doentes morrerem por considerar o sofrimento uma bênção de Deus, e agora depois de morta começa a chover "milagres"...

      Excluir
  12. Amigo. Como é que a verdade possa está somente na Bíblia se foram os próprios monges Católicos que organizaram como aconhecemos hoje ?
    A igreja a qual vc critica é na verdade a que criou a Biblia que vc a defende.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 1) Não foram "monges católicos" que organizaram a Bíblia, quando ela foi organizada os monges católicos sequer existiam ainda, desde quando existiam monges católicos romanos nos primeiros séculos?

      2) A Igreja Romana CRIOU a Bíblia? Deve ter sido legal uma seita criada no racha de 1054 d.C, mil anos depois dos apóstolos escreverem a Bíblia, a terem "criado". Bem bacana a sua lógica. Ah, já sei: você deve ser mais um daqueles lesados que pensam que a Igreja Romana foi fundada no século I. Sim, e que Papai Noel existe e o Bicho Papão vai te pegar a noite. Buuuuuu!

      Excluir
  13. Veja o comentário desse jovem chamado Jorge Deichmann: A Bíblia diz claramente "cheia de graça" e também "bendita entre as mulheres". Isto não diz nada?
    De Maria é dito "bendita entre as mulheres". Ora, única mulher antes de Maria a ser criada sem pecado original – perfeita – foi Eva. Mas Maria é bendita entre as mulheres incluindo Eva. Então ela não pode ter tido pecado algum, caso contrário estaria em condição inferior à de Eva e a Bíblia estaria errada."

    Daí você já pode ver "a tamanha intelectualidade teológica que alguns católicos apresentam".

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Se tivesse um print disso entraria para a série dos "zumbis tridentinos" ;p

      Excluir

Seu comentário será publicado após passar pela moderação. Ofensas, deboches, divulgação de páginas católicas (links), control c + control v e manifestações de fanatismo não serão aceitos. Todos os tipos de perguntas educadas são bem-vindas e serão respondidas cordialmente. Caso o seu comentário ainda não tenha sido liberado dentro de 24h, é possível que ele não tenha chegado à moderação, e neste caso reenvie o comment.