14 de maio de 2017

O anticristo ao longo da história e a invenção preterista


Ao longo da história, por pelo menos mais de um milênio e meio o anticristo foi sempre, sem exceção, identificado como o “homem do pecado” (2Ts 2:3) que virá no fim dos tempos da parte de Satanás para trazer o mal ao mundo e perseguir o povo de Deus. Essa interpretação unânime e consensual em todos os Pais da Igreja e teólogos até pelo menos o século XVI foi desafiada em tempos recentes por preteristas, os quais em grande parte negam a existência de um futuro anticristo específico e o identificam como sendo Nero, o imperador romano que governou de 54 a 68 d.C, antes mesmo da destruição do templo (70 d.C).

Enquanto a maioria dos preteristas se apega a um homem que já morreu como sendo o “anticristo” profetizado por Paulo e por João, uma minoria como Cris Macabesta, o Sr. Obsceno, assegura de pés juntos que esse anticristo específico não existe, pois o que existe na verdade são muitos anticristos em todas as eras, se apoiando em uma interpretação delirante e falaciosa de 1ª João 2:18, que diz:

“Filhinhos, esta é a última hora e, assim como vocês ouviram que o anticristo está vindo, já agora muitos anticristos têm surgido. Por isso sabemos que esta é a última hora” (1ª João 2:18)

Os macabestas destacam a parte que fala dos “muitos anticristos”, esquecendo-se da primeira parte do mesmo versículo que fala claramente em O anticristo, com artigo definido e no singular. Claramente João sabia da existência de um anticristo escatológico futuro, o mesmo “iníquo” e “homem do pecado” que Paulo faz referência em 2ª Tessalonicenses 2:3-9, também com artigo definido e no singular. Os “muitos anticristos”, portanto, não implicam na ausência de um anticristo escatológico específico, apenas indica que há bem mais gente que partilha do mesmo “espírito” ou moral pervertida dele. É por isso que João escreve:

“Mas todo espírito que não confessa Jesus não procede de Deus. Esse é o espírito do anticristo, acerca do qual vocês ouviram que está vindo, e agora já está no mundo” (1ª João 4:3)

O que “já estava no mundo” não é o anticristo em pessoa, mas sim o espírito do anticristo, que diz respeito à sua índole. Embora o anticristo em pessoa ainda não tivesse chegado, seu “espírito” já se fazia presente por meio dos ímpios no mundo, espalhando desde já a podridão que o anticristo trará, precedendo-o e abrindo caminho pra ele. E foi dessa forma que entenderam todos os Pais da Igreja que escreveram alguma coisa sobre o tema, pois nenhum deles afirmou que o anticristo já tinha morrido há tempos atrás. Ao contrário, todos eles esperavam a vinda desse anticristo futuro, escatológico, da mesma forma que qualquer protestante espera nos dias de hoje. O próprio Nero era tido no máximo como um antítipo do anticristo, mas não como o próprio anticristo em pessoa.

Em meu antigo artigo intitulado "Manual de como esmagar o preterismo com a História", escrito em 2012 mas até hoje não refutado, eu mostro inúmeras provas nos Pais da Igreja contra o preterismo, o que vai desde a datação do Apocalipse (datado depois de Domiciano, e não em 70 d.C) até a expectativa deles quanto à vinda futura do anticristo, que é o foco deste artigo. Segue algumas dessas citações no que tange a esse segundo aspecto.


Irineu de Lyon

“É tradição que, neste tempo, o apóstolo e evangelista João, que ainda vivia, foi condenado a habitar a ilha de Patmos por ter dado testemunho do Verbo de Deus. Pelo menos Irineu, quando escreve acerca do número do nome aplicado ao anticristo no chamado Apocalipse de João, diz no livro V Contra as heresias, textualmente sobre João o que segue: ‘Mas se fosse necessário atualmente proclamar abertamente seu nome, seria feito por meio daquele que também viu o Apocalipse, já que não faz muito tempo que foi visto, mas quase em nossa geração, ao final do império de Domiciano’” (História Eclesiástica, Livro III, 18:1-3)

Aqui Irineu deixa claro que não sabia quem era o anticristo, o que significa que o anticristo não tinha vindo ainda, pois se já tivesse vindo eles já saberiam quem era (da mesma forma que os preteristas que afirmam que se trata de Nero). O mesmo Irineu disse ainda:

Não vamos, no entanto, incorrer no risco de se pronunciar de forma positiva quanto ao nome do anticristo, pois se fosse necessário que seu nome deve ser claramente revelado neste momento, teria sido anunciado por aquele que viu a visão apocalíptica. Por que foi visto num tempo não muito longo desde então, mas quase em nossos dias, para o fim do reinado de Domiciano” (Contra Heresias V, 20)

Por que Irineu não disse que era Nero? Porque não era.

Que Irineu sabia que o anticristo não era Nero, mas alguém que ainda estava por vir no futuro, isso fica ainda mais claro nesse texto:

“Então é mais acertado e menos danoso esperar o cumprimento da profecia do que ficar fazendo adivinhações ou predições acerca dos possíveis nomes que este anticristo possa ter, já que se pode encontrar muitos nomes que possam conter o número mencionado; e a mesma interrogação seguirá sem resolução (...) Porém, agora ele indica o número do nome, para que quando este homem venha possamos precaver-nos, estando alertas a respeito de quem ele é” (Contra as Heresias, Livro V, XXX)

Irineu pede para os cristãos esperarem o cumprimento da profecia, porque a profecia (sobre o anticristo) ainda não havia se cumprido. E para acabar de uma vez por todas com a ilusão macabesta, ele complementa dizendo que “quando este homem venha podemos precaver-nos” (mais óbvio do que isso, só desenhando). É evidente que Irineu sabia que o anticristo escatológico ainda estava por fim. Negar isso é oferecer um atestado de charlantice.

E Irineu continua:

Quando o anticristo devastar todas as coisas neste mundo, ele vai reinar por três anos e seis meses e sentar no templo em Jerusalém; depois, virá o Senhor do céu nas nuvens, e a glória do Pai, mandando esse homem – e aqueles que o seguem - para o lago de fogo; mas para os justos, ele traz os tempos do reino, isto é, o resto, o abençoado sétimo dia; e restaurará a Abraão a herança prometida, na qual o reino do Senhor declarou que 'muitos vindo do oeste e do leste sentariam com Abraão, e Isaque, e Jacó'" (Contra as Heresias, Livro V, XXX)

Note que a escatologia de Irineu era exatamente a mesma dos futuristas protestantes atuais. O anticristo não tinha vindo ainda, por isso ele coloca o tempo verbal no futuro ao dizer que ele “vai devastar as coisas deste mundo”. E ele também cria numa forma de dispensacionalismo, porque diz que o anticristo vai reinar por três anos e meio, exatamente o tempo que os dispensacionalistas afirmam (ou seja, a metade da tribulação de sete anos), por causa da septuagésima semana de Daniel. E diz ainda que o anticristo será entronizado no templo de Jerusalém, o que implica que o templo será reconstruído, já que o templo já havia sido destruído na época em que Irineu escrevia. Tudo isso contraria flagrantemente o pensamento preterista que nega todas essas coisas.

Ele ainda afirma:

“É exatamente isto que fará o anticristo no tempo de seu reinado: transferirá o seu reinado para Jerusalém, assentar-se-á no templo de Deus, enganando os seus adoradores, fazendo com que creiam que é o Cristo" (Contra as Heresias, Livro V, 25, 4)

Creio que com todas essas citações de um dos Pais mais admirados e mais usados na apologética católica, não há mais nada que comentar.


Hipólito de Roma

O caso de Hipólito é ainda mais interessante, pois ele não escreveu sobre o anticristo em apenas um ou outro capítulo como faz Irineu, mas dedicou um livro inteiro sobre esse assunto. E o livro, como deveríamos esperar, é inteiramente futurista do início ao fim, colocando tudo no futuro – tribulação, anticristo, queda da Babilônia, volta de Jesus, etc – precisamente da mesma forma que os evangélicos fazem hoje. O livro completo pode ser conferido neste site católico. Como é bem extenso, citarei aqui apenas dois trechos suficientemente esclarecedores:

“Mas como o tempo nos força a considerarmos de imediato a questão proposta, e quanto ao que já foi dito na introdução em relação a glória de Deus, que seja suficiente, é conveniente que tomemos as próprias Escrituras na mão, e por elas achemos o que significa e de que maneira se dará a vinda do anticristo; em que ocasião e em que tempo este ímpio se revelará; de onde e de qual tribo ele sairá; qual o seu nome; o que indica o seu número nas Escrituras; como ele obrará o erro entre os povos, reunindo-os dos confins da terra; como desencadeará a tribulação e a perseguição contra os santos; como vai se auto glorificar como Deus; qual será seu fim; como o repentino aparecimento do Senhor se mostrará no céu; como será a consumação do mundo e o que deve ser o reino glorioso e celeste dos santos, quando reinarem juntos com Cristo, e qual a punição do malvado pelo fogo” (Tratado sobre o anticristo, 5)

"Como essas coisas estão no futuro, e como os dez dedos da imagem são equivalentes (e muito) a democracias, e os dez chifres da quarta besta estão distribuídos entre dez reinos, olhemos o tema com mais profundidade, e consideremos estes assuntos à luz clara de uma posição pessoal. A cabeça de ouro da imagem e o leão caracterizam os babilônios; o peito e braços de prata, e o urso, representam os persas e os medos; o ventre e as coxas de bronze, e o leopardo, significa Grécia, que liderou desde os tempos de Alexandre; as pernas de ferro e a besta assombrosa e terrível são uma expressão dos romanos, os quais têm reinado até o presente; os dedos dos pés, que são metade barro e metade ferro, e os dez chifres, são emblemas de reinos que ainda surgirão; o outro pequeno chifre que surge entre eles significa o anticristo no meio deles; a pedra que esmaga a terra e traz julgamento sobre o mundo foi Cristo" (Tratado sobre o anticristo, 27 e 28) 

Se não fosse dito quem é o autor, os macabestas da vida diriam que só pode ser de um rebelado protestante filho da serpente, mas é do mais importante teólogo da Igreja de Roma do século III.

Abaixo seguem mais citações de vários outros Pais da Igreja falando da vinda futura do anticristo, da reconstrução do templo de Jerusalém, da perseguição que ele fará aos judeus e cristãos e coisas semelhantes que fazem do sonho preterista um verdadeiro pesadelo. Eu iria comentar cada um dos textos, mas como são muitos, mas muitos mesmo, em uma quantidade que satisfaz ao preterista mais cético, mudei de ideia e decidi passar somente os textos (que, aliás, não chegam nem perto da quantidade total de provas históricas contra o preterismo, sendo apenas um resumo de citações), senão ficaria o dia inteiro comentando e traduzindo cada um deles.


Justino

"Terminada a citação, acrescentei: Senhores, sei muito bem que vossos mestres reconhecem que todas as palavras dessa passagem se referem a Cristo. Contudo, sei também, por suas afirmações, que o Cristo ainda não veio e, caso tivesse vindo, ninguém sabe quem ele é. Quando se apresentar de modo claro e glorioso, então se reconhecerá quem ele é, dizem eles. E então, acrescentam, cumprir-se-á o que diz nessa passagem da profecia, como se agora suas palavras não tivessem nenhum cumprimento. Os insensatos não compreendem o que todos os meus raciocínios demonstraram, isto é, que estão anunciadas duas vinda de Cristo: uma, em que se predisse que apareceria passível, sem glória, sem honra, e seria crucificado; outra, em que viria dos céus com glória, quando o homem da apostasia, aquele que profere insolências contra o Altíssimo, se atrever a cometer iniquidades contra nós, cristãos, contra nós que, conhecendo a religião através da lei e da palavra que saiu de Jerusalém pela obra dos apóstolos de Jesus, nos refugiamos no Deus de Jacó e no Deus de Israel” (Diálogo com Trifão, 110)


Cirilo de Jerusalém

"Y dice tambiém: Que se opone y se alza sobre todo lo que lleva el nombre de Dios o es adorado. Sobre todo Dios; es decir, que el anticristo odiará los ídolos: hasta el punto de sentarse él mismo em el templo de Dios (2 Ts 2,4)’. ¿Y de qué templo se trata? Habla del templo judio que fue destruído; ¡por Dios!, que no se refiera a este enel que nos encontramos. ¿Por qué décimos esto? Para que no parezca que nos favorecemos a nosotros mismos. Porque si viene a lós judíos como Mesías y quiere que ló adoren, para engañar lês mejor mostrará sucelo por el templo, sembrando las os pecha de que él es del linaje de David, él que reedificará el templo que ya fue construído por Salomón" (S. Cirilo de Jerusalém, Catequesis 15, 15, p. 342-343)

“Y dándose a si mismo con mentira el nombre de Cristo; y con esa usurpación del nombre de Cristo enganará a los judíos que esperan al Ungido (S. Cirilo de Jerusalém, Catequesis 15, 11, ed. Ciudad Nueva, p. 340)

“Al principio, como si quiera tratara de una persona sensata y prudente, simulará bondad, moderación y humanidad, dando el pego a los judíos, como si fuese el Cristo esperado, con signos y prodígios” (S. Cirilo de Jerusalém, Catequesis 15, 11, ed. Ciudad Nueva, p. 340)


Rufino

“Debemos saber, sin embargo, que esta venida salvífica de Cristo tratará de simularla fraudulentamente el enemigo con el fin de enganar a los fieles, presentándose el hijo de la perdición con signos y prodígios enganosos en lugar del Hijo del hombre, que se espera que venga el la majestad de su Padre, introduciendo en este mundo al anticristo en vez de a Cristo; acerca de esto el Señor en el Evangelio anunció a los judíos: Vine en nombre de mi Padre y no me recibisteis; vendrá outro en su nombre y recibiréis” (Jn 5, 43) (Rufino de Aquileya, Explicación del Símbolo, 32, ed. Ciudad Nueva, p. 94)


Cipriano

"Não deixem que nenhum de vocês, irmãos na fé, sejam aterrorizados pelo medo da futura perseguição, ou pela vinda do anticristo... o anticristo está vindo, mas após ele virá Cristo também" (Epístola de Cipriano, LV, 7)

“You have desired, beloved Fortunatus that, l since the burden of persecutions and afflictions is lying heavy upon us, and in the ending and completion of the world the hateful time of Antichrist is already beginning to draw near, I would collect from the sacred Scriptures some exhortations for preparing and strengthening the minds of the brethren, whereby I might animate the soldiers of Christ for the heavenly and spiritual contest” (Fonte)


Tertuliano

"’E agora vocês sabem o que o está detendo, para que ele seja revelado no seu devido tempo. A verdade é que o mistério da iniquidade já está em ação, restando apenas que seja afastado aquele que agora o detém’. Que obstáculos há, senão o Estado romano, cuja queda, ao ser espalhado nos dez reinos, introduzirá o anticristo sobre suas próprias ruínas? E então será revelado o ímpio, que o Senhor consumirá com o espírito da sua boca, e destruirá com o resplendor da sua vinda. Aquele cuja vinda é obra de Satanás, com todo poder e sinais, e maravilhas mentirosas, e com todo o engano da injustiça naqueles que perecem” (Sobre a Ressurreição, 24)


Metódio

"Então o anticristo entrará Jerusalém, onde será entronizado no templo como um deus (embora ele seja um homem comum da tribo de Dã, da qual Judas Iscariotes também pertencia) (...) Naqueles dias, o anticristo provocará muitas tribulações, mas Deus não permitirá que os remidos pelo sangue divino sejam enganados, por isso enviará seus dois servos, Enoque e Elias, que declararão os prodígios do anticristo como falsos, e o denunciará como um impostor... e muitos de seus seguidores o abandonarão para se juntar à companhia dos justos. O sedutor, ao se ver reprovado e desprezado, ficará enfurecido e matará aqueles santos de Deus. É então que aparecerá o sinal do Filho do Homem, e ele virá sobre as nuvens do céu” (Fonte)


Efrém, o Sírio

"Nós devemos compreender perfeitamente por isso, meus irmãos, o que é iminente ou pendente. Houve fomes e pestes, abalos violentos das nações e sinais, os quais foram previstos pelo Senhor, e foram cumpridos (consumados), e nada mais resta, exceto a vinda do iníquo [o homem do pecado] na plenitude do reino romano. Por que estamos ocupados com os negócios do mundo, e nossa mentalidade nos desejos pecaminosos deste mundo ou nas preocupações deste tempo? Portanto, por que não rejeitamos cada preocupação com as coisas terrenas e nos preparamos para o encontro com nosso Senhor Jesus Cristo, para que nos leve da confusão que oprime o mundo? Acredite-me, queridos irmãos, porque a vinda do Senhor está próxima, acredite em mim, porque o fim do mundo está próximo, acreditem, porque é o verdadeiro final dos tempos. Ou não irão crer a menos que vejam com seus próprios olhos? Vejam que esta frase não se compre em vocês como declara o profeta: ‘Ai dos que desejam ver o dia do Senhor’! Porque os santos e escolhidos serão reunidos antes da tribulação que há de vir, e serão levados ao o Senhor para não verem a confusão que dominará o mundo por causa dos pecados. E assim, meus queridos irmãos, é a décima primeira hora, e o fim do mundo vem com a ceifa, e os anjos armados e preparados, com foices nas mãos, esperando o império do Senhor” (Sobre os Últimos Tempos – Biblioteca Pós-Nicena)


Jerônimo

“Egipto quedará em la desolación e Idumea se convertirá em um desierto de perdición, porque obraron inicuamente com los hijos de Judá, al derramar sangre inocente em su tierra. Dicen los Setenta: Egipto quedará destruído e Idumea se converterá em um campo de desolación a causa de las iniqüidades de los hijos de Judá, puesto que derramaron sangre justa em su tierra. Tambiém respecto a este pasaje a los judíos los invade um sueño profundo, al forjarse la vana esperanza de que em los últimos tiempos, cuando van recibir, no a Cristo, sino al anticristo (Comentário a Joel, Jl, 3, 19; Obras completas, III, comentários a los profetas menores, ed. BAC, p. 385)

"Não cremos que o anticristo seja, como alguns pensam, o diabo, ou algum demônio, senão que será algum homem em quem habitará corporalmente satanás inteiro" (São Jerônimo apud Sagrada Bíblia en latin y español con notas de D. Agustín Calmot, 1833)


João Crisóstomo

“Yo he venido en nombre de mi Padre y no me recibís. Si otro viene en su nombre propio, a ése lo recibiréis. ¿Observas cómo continuamente afirma haber venido para esto, y haber recibido del Padre la potestad de juzgar, y que nada puede hacer de sí mismo, todo con el objeto de quitar toda ocasión de malicia? Mas ¿a quién se refiere al decir que vendrá otro en nombre propio? Deja aquí entender al anticristo y con un argumento irrebatible les demuestra su perversidad [de los judíos] (...) También por aquí podía haberles demostrado que no amaban a Dios, pues no recibían al que se decía enviado de Dios. Pero demuestra la impudencia de ellos por el camino contrario, o sea que al anticristo sí lo recibirían. Puesto que no recibían al que se decía enviado de Dios, y en cambio más adelante adorarían a otro que no conocería a Dios, sino que, lleno de jactancia se diría él mismo ser Dios, quedaba manifiesto que la persecución tenía como origen la envidia y el odio de Dios (...) Pablo, hablando del anticristo proféticamente, dice: Les enviará Dios toda suerte de seducciones perversas para que acaben condenados, pues no creyeron en la verdad, al paso que se complacían en la injusticia” (Homílias sobre el evangelio de S. Juan 2)

"Quem será este anticristo? Será satanás? Não, senão um homem em quem se encontrará toda a eficácia de Satanás, porque segundo o apóstolo, será um homem que se levantará contra tudo que se chama Deus" (São João Crisóstomo, apud Sagrada Bíblia en latin y español con notas de D. Agustín Calmot, 1833)


Hilário de Poitiers

“O de otro modo, el Señor da a conocer un indicio seguro de su venida futura diciendo: 'Cuando viereis que la abominación’. Esto lo dijo el profeta refiriéndose a los tiempos del anticristo. Fue llamada abominación, porque viniendo contra Dios, reclama para sí el honor de Dios; y abominación de desolación, porque ha de desolar toda la tierra con guerras y mortandades, y por esto, recibido por los judíos, se instalará en el lugar de santificación, para que donde se invocaba a Dios por las súplicas de los santos, recibido por los infieles, sea venerado con los honores de Dios. Y porque este error será más propio de los judíos, que por haber menospreciado la verdad abracen la falsedad, les aconseja que abandonen Judea y se marchen a los montes, no sea que mezclándose con aquellas gentes crean en el anticristo y no puedan escapar de la perdición. Y lo que dice: ‘Y el que esté en el tejado no descienda’, etc., se entiende de este modo: El techo es lo más alto de la casa y la conclusión más elevada de toda habitación; por lo tanto, todo aquél que se esforzare en la conclusión de su casa (esto es, en la perfección de su corazón), y en hacerse nuevo por la regeneración, y elevado según el espíritu, no deberá rebajarse por la codicia de bienes mundanos. ‘Y el que estará en el campo’, etc., esto es, cumpliendo con su deber, no vuelva a los cuidados antiguos, por los que habrá de volver a tomar el vestido formado por los pecados viejos con que se cubría’” (Matthaeum, 25)

“Nos dias difíceis e de tempestade da Igreja, ai das almas minadas pela incerteza e nas quais a fé e a piedade estiverem ainda em estado embrionário ou ainda na infância. Umas, surpreendidas no embaraço de suas incertezas e atrasadas por causa das irresoluções de seu espírito constantemente irrequieto, estarão muito pesadas para escapar às perseguições do anticristo. Outras, tendo apenas degustado os mistérios da fé e embebidas somente de uma fraca dose de ciência divina, não terão força suficiente e habilidade necessário para resistir a tão grandes assaltos” (Comentários sobre o Evangelho de São Mateus, 25.6)


Gregório de Tours

“Concerning the end of the world, I believe what I have learnt from those who have gone before me. Antichrist will assume circumcision, asserting himself to be the Christ. He will then place a statue to be worshipped in the Temple at Jerusalem, as we read that the Lord has said, ‘Ye shall see the abomination of desolation standing in the holy place’” (Fonte)


Agostinho

“Outros, porém, acham que tanto estas palavras: ‘Já sabeis a causa que o detém’, como estas: ‘Já começou a operar-se o mistério da iniquidade’, se referem unicamente aos maus e aos hipócritas existentes na Igreja, até formarem número capaz de constituir o povo do anticristo. É, dizem eles, ao que chama mistério de iniquidade, porque é coisa oculta. Essas outras palavras seriam exortação do apóstolo aos fiéis para perseverarem firmes na fé: só que aquele que agora se mantém se mantenha em pé até ser tirado do meio, quer dizer, até sair da Igreja o mistério de iniquidade agora oculto. E acreditam aludirem a esse mistério aquelas palavras do evangelista São João em sua epístola: Filhos, está já é a última hora e, como haveis ouvido que há de vir o anticristo, assim agora muitos se fizeram anticristos. Isso faz-nos perceber que já é a última hora. Saíram de nós, mas não eram dos nossos, pois, se fossem dos nossos, haveriam sem dúvida, perseverado conosco. Assim como, dizem eles, antes do fim, antes dessa hora que São João chama a última, já saíram da Igreja muitos hereges, pelo apóstolo chamados anticristos, assim também todos os não pertencentes a Cristo, mas ao anticristo, então sairão e se manifestarão (A cidade de Deus, c. XIX)


Gregório Magno

"Por uma terrível e misteriosa disposição de Deus, antes do aparecimento do anticristo, ‘ficarão subtraídos da Igreja, os milagres e os prodígios’. ‘Se esconde a profecia, desaparece a graça das curas, diminui a virtude de larga abstinência, calam as palavras de doutrina, são excluídos todos os prodígios milagrosos’. Não é que a providência elimine completamente essas coisas, ‘mas não as deixará ver com frequência e claridade dos tempos do anticristo’. Isto, Deus os permite, para que nas dificuldades resplandeça mais a virtude dos bons, privada esta ‘de quase toda multidão e manifestação dos milagres’. Estes não faltarão, mas em comparação como os que fará Satanás parecerão ‘pouco ou nada’" (Moralia in Job, XXXIX, 7, PL 76)


Cesário de Arles

“Nos tempos do anticristo, o reino da besta será mesclado com a variedade de nações e povos” (Comentario al Apocalipsis. Madrid: Editorial Ciudad Nueva, 1994, p. 92)

É sério: eu procurei em todo lugar e não achei nem uma única declaração sequer de alguém dizendo que o anticristo já morreu no século I e não vai existir nenhum anticristo escatológico. Nada de nada.

As provas são esmagadoras e eu nem citei todas aqui. Há para além disso numerosas citações dos Pais situando no fim dos tempos a grande tribulação apocalíptica e eventos tribulacionais que os preteristas colocam em 70 d.C, as quais eu não postei aqui por não citarem o anticristo. A verdade é uma só: ou os mesmos católicos que adoram citar a patrística contra os protestantes (de forma distorcida e manipulada) e até mesmo citando aqueles Pais como sendo católicos romanos(!) admitem clara e abertamente que a patrística fulmina a ilusão preterista, e que todos os Pais da Igreja de forma unânime e consensual adotavam o futurismo da mesma forma que crido hoje pela grande maioria dos evangélicos, ou então estará não apenas contradizendo a autoridade dos Pais que eles tanto dizem estimar, mas também violando as próprias determinações do Concílio de Trento, que definiu:

“Além disso, para reprimir os engenhos petulantes, [o Sacrossanto Concílio] decreta que ninguém, apoiado na sua prudência, seja ousado a interpretar a Sagrada Escritura, em matérias de fé e costumes, que pertencem à edificação da doutrina cristã, retorcendo a Sagrada Escritura conforme o próprio sentir, contra aquele sentido, que sustentou e sustenta a Santa Madre Igreja, a quem compete julgar sobre o verdadeiro sentido e interpretação das Escrituras Santas, ou também contra o unânime sentir dos Padres, mesmo quando tais interpretações não tiverem de sair à luz em tempo algum” (Concílio de Trento, Sessão IV de 8 de Abril de 1546, Denzinger #786)

O Concílio considerado “infalível” pelos católicos proíbe crer em algo que vai contra o sentir unânime dos Pais da Igreja, e como vimos, o consenso unânime dos Pais é justamente a crença protestante no aparecimento futuro do anticristo no fim dos tempos, por ocasião da tribulação apocalíptica a qual João descreveu. Agora para continuar sustentando a aberração preterista só lhes falta desprestigiar os Pais, dizer que eles não sabiam o que estavam falando, ou que eram todos hereges, ou que eram todos burros que não sabiam interpretar da forma que o grande Cris Macabesta interpreta – afinal de contas, se existissem preteristas naquela época eles poderiam ensinar aos Pais da Igreja a “interpretação certa”: aquela de que não existe nenhum anticristo em particular ou aquela de que o anticristo é Nero, incluindo os Pais que viveram relativamente próximos aos apóstolos e que expressavam um entendimento oposto ao dos preteristas, como Justino, Tertuliano, Irineu, etc. É uma pena que Cris Macabesta não estava vivo naquela época para ensinar esses Pais da Igreja a interpretarem o Apocalipse direito.

O amigo leitor poderá ser tentado a pensar que a Igreja Católica alterou a doutrina depois da era patrística, o que é um grande erro, já que mesmo depois da era patrística os teólogos católicos continuaram ensinando da mesma forma. Todos os teólogos católicos até o século XVI seguiram crendo no futuro aparecimento do anticristo, numa futura grande tribulação e em todas aquelas coisas que os Pais da Igreja diziam em plena conformidade com o entendimento protestante. Eu estou lendo um livro de história chamado A Civilização Feudal: do ano 1000 à colonização da América, escrito pelo conceituado historiador francês Jérôme Baschet e prefaciado por Jacques Le Goff. O livro é de cunho histórico e não teológico, mas por coincidência e sorte um dos capítulos aborda a temática do anticristo como era vista na Idade Média. Abaixo segue uma imagem que eu tirei da página 332 do livro, que diz:


Como vemos, a crença no anticristo era tão forte na Idade Média que eles pensavam que o anticristo já estava chegando naqueles dias, porque muitos deles acreditavam que o fim dos tempos estava próximo. Há muitos outros relatos e testemunhos dessa época, onde os próprios teólogos católicos ou até mesmo papas exibem essa mesma crença. O papa Gregório VII (1015-1085) pensou que Wilbert podia ser o anticristo[1], mas não contava que o cardeal Benno afirmasse que ele próprio era “um seguidor do anticristo ou o próprio anticristo”[2].

Aliás, dado o muito elevado índice de imoralidade e depravação dos papas na Idade Média, eram muitas as autoridades católicas que acusavam um papa em específico de ser o anticristo. O arcebispo Arnulf de Rheims (991 d.C) achava que o papa de sua época, João XV, era o anticristo, acusação semelhante à de Eberhard II von Truchsees, príncipe-arcebispo de Salzburgo, no Concílio de Regensburg (1241), que denunciou o papa Gregório IX como “aquele homem da perdição, que eles chamam de anticristo”[3].

Os reformadores também identificavam no papa ou no papado o anticristo, como Lutero fazia abertamente. Inclusive a Confissão de Fé de Westminster, uma das primeiras e mais respeitadas confissões de fé protestante da história, declara expressamente:

“Não há outro Cabeça da Igreja senão o Senhor Jesus Cristo; em sentido algum pode ser o papa de Roma o cabeça dela, mas ele é aquele anticristo, aquele homem do pecado e filho da perdição que se exalta na Igreja contra Cristo e contra tudo o que se chama Deus” (Fonte)

Diferentemente do que um papista possa pensar, os primeiros protestantes não estavam inventando uma crença nova no futuro aparecimento do anticristo, mas apenas reiterando o consenso de toda a Igreja de então. Simplesmente não existe debate teológico nos primeiros quinze séculos de Igreja em torno dessa questão, pelo mero e simples fato de que isso era coisa tão óbvia e evidente que estava fora de dúvida. O que se debatia era a identidade desse tal anticristo, se por exemplo era alguém de sua época que já estava vivo entre eles ou se ainda iria nascer, sobre de onde viria, etc, coisas que ainda são debatidas no mundo protestante atual. Mas nunca se o anticristo era alguém do passado que já morreu há séculos ou não. O preterismo era completamente ignorado das discussões teológicas simplesmente porque NÃO EXISTIA.

O que aconteceu, então, no século XVI, para a invenção desse delírio preterista?

A resposta está na própria Reforma. Como vimos, antes mesmo da Reforma já haviam pessoas que viam em um papa a figura do anticristo, mas isso eram casos isolados e esporádicos. Com o advento do protestantismo, toda a teologia protestante (com milhões de adeptos e milhares de teólogos) passou a identificar o papa ou o papado como sendo esse anticristo. E a identificação era bastante simples e fácil, porque, como vimos neste artigo, TODOS os indicativos bíblicos apontam a Igreja Romana como sendo a prostituta ou Babilônia do Apocalipse, e como o papa era a sua Cabeça ficava marcado como sendo o anticristo ou o falso profeta de que fala João no livro.

Os teólogos católicos logo começaram a se perturbar com tantas evidências e viram que precisavam fazer alguma coisa, dando então início à mudança de pensamento em relação ao anticristo. O Quinto Concílio de Latrão (1516) abordou  o problema, e o papa Leão X redigiu uma bula conciliar onde manda que “ninguém pretenda anunciar ou predizer nos seus sermões a vinda do anticristo”[4]. Como a Igreja Romana ainda não tinha como desvincular a identificação do anticristo como vinculado ao papado, ela resolveu que não se falaria mais nele. Simples. Mas isso obviamente não encerrou a questão, porque os católicos ainda não tinham uma interpretação que fizesse frente à dos protestantes.

Foi então que surgiu um cara chamado Luís de Alcazar (1554-1613), um jesuíta português. Para quem não sabe, os jesuítas eram os “apologistas católicos” daquela época, com a missão de catequizar as pessoas, doutrinando-as da maneira católica, mesmo que para isso fosse necessário empregar estratégias desonestas. Alcazar interpretava Apocalipse 4-11 como um retrato da perseguição dos judeus aos cristãos, e Apocalipse 12-19 como um resumo da fundação da Igreja, da queda de Roma e da cristianização do Império. Por mais bizarro que pareça, ele cria que Constantino era o anjo que prendia Satanás e que o milênio começou no reinado dele. Claro que essa interpretação ainda não era totalmente satisfatória, mas como destaca Arthur W. Wainwright, “o preterismo combinava com os católicos porque rechaçava a sugestão de que o papa podia ser o anticristo e honrava a Igreja Católica Romana”[5].

Essa tese foi sendo cada vez mais costurada com o tempo, até tomar a forma grotesca e deformada dos dias de hoje, presente em seres macabros como Cris Macabesta e seus comparsas. É essa a história da invenção do preterismo: um conto de fadas criado para maquiar a história de uma forma que não comprometesse a Igreja Católica. Por meio de malabarismos exegéticos e de uma grande criatividade interpretativa com uma mente mais fértil ainda, jogaram na lata do lixo quinze séculos de teologia e de estudos escatológicos para aderir a uma teologia de costura e remendo a fim de passar panos quentes e salvar a pele do papado. Fruto do mais puro desespero, que só podia redundar em uma escatologia furada e fracassada, mais cheia de furos do que queijo mineiro.

Desta forma, a identificação da Babilônia passou a ser Jerusalém, o anticristo que se assentaria no templo de Jerusalém como deus virou Nero (alguém que nunca pisou os pés em Jerusalém na vida e muito menos entrou no templo), os “duzentos milhões” (Ap 9:16) foram transformados em poucos milhares, a cidade das sete colinas que em todas as eras da humanidade sempre foi um codinome de Roma (Ap 17:9) virou Jerusalém também, e era também Jerusalém a “cidade que reina sobre todos os reis da terra” (Ap 17:18) enquanto estava cercada por soldados romanos que exerciam domínio sobre ela já fazia um século; expressões deliberadas de universalismo como “toda a terra” (Ap 5:6) e “o mundo inteiro” (Ap 3:10) foram subitamente transformadas em “Jerusalém e nada além de Jerusalém”; a marca da besta se converteu no “Ave César” e diversos outros devaneios e interpretações esquizofrênicas sem absolutamente nenhuma base histórica foram ganhando espaço, substituindo a teologia séria dos Pais da Igreja e dos teólogos cristãos até a Reforma, que hoje continua apenas na teologia protestante, embora incrivelmente até mesmo no protestantismo haja uma minoria de intérpretes ingênuos e tolos o suficiente para fisgarem essa isca e defenderem também esse completo delírio inventado em tempos recentes. Com muita imaginação, com mais imaginação e mais imaginação ainda, eles conseguem colocar qualquer coisa na Bíblia – até uma “ressurreição” de Nero (Ap 13:3; 17:8-11).

Em resumo: o anticristo não é Nero, o qual pode ser considerado não mais que um antítipo do anticristo e um dos “muitos anticristos” do qual falou João, mas de modo algum o próprio homem do pecado, o iníquo, o anticristo no singular e com artigo definido do qual os escritores bíblicos, os Pais da Igreja e até mesmo os próprios teólogos católicos tanto falaram até o século XVI, como sendo o anticristo escatológico que virá no fim dos tempos para perseguir cristãos e judeus, o qual se assentará no trono do templo de Jerusalém se autoproclamando deus. Vale ressaltar que a tese de Nero como sendo a besta já foi refutada por mim neste artigo, que a invenção de Jerusalém como sendo a Babilônia já foi refutada neste outro artigo, que o preterismo como um todo já foi refutado por mim neste vídeo e que o blog do Alon, "A Grande Cidade", é um gigantesco acervo que detona completamente as ilusões preteristas até restarem pó e cinzas – sua página de "Contradições do Preterismo" é 100% imperdível, pois mostra até que ponto o desespero é capaz de levar alguém a defender uma insanidade sem ter conta disso (ou tendo, o que é pior).

Paz a todos vocês que estão em Cristo.

Por Cristo e por Seu Reino,

-Meus livros:

- Veja uma lista de livros meus clicando aqui.

- Confira minha página no facebook clicando aqui.

- Acesse meu canal no YouTube clicando aqui.


-Não deixe de acessar meus outros blogs:

LucasBanzoli.Com (Um compêndio de todos os artigos já escritos por mim)
Apologia Cristã (Artigos de apologética cristã sobre doutrina e moral)
O Cristianismo em Foco (Artigos devocionais e estudos bíblicos)
Desvendando a Lenda (Refutando a imortalidade da alma)
Ateísmo Refutado (Evidências da existência de Deus e veracidade da Bíblia)
Fim da Fraude (Refutando as mentiras dos apologistas católicos)




[1] The Correspondence of Pope Gregory VII trans. Emerton, Ephraim. New York: Columbia University Press, 1990., p. 162.
[2] David M. Whitford, The Papal Antichrist: Martin Luther and the Underappreciated Influence of Lorenzo Valla, Renaissance Quarterly, 61:26–52, Spring 2008.
[3] The Methodist Review Vol. XLIII, No. 3, p. 305.
[4] Javier Gonzaga: Concilios. Grand Rapids: International Publications, 1965, 1:491-492.
[5] Arthur W. Wainwright, Mysterious Apocalypse. Interpreting the book of Revelation. Nashville: Abingdon Press, 1993, p. 61-63.

87 comentários:

  1. First!
    Será que agora vai?

    ResponderExcluir
  2. A escatologia islâmica também fala de um anticristo que viria no final dos tempos. Maomé provavelmente recebeu essa informação de cristãos no século 7, mas acabou inventando que foi uma revelação do anjo Gabriel.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente, muita coisa que Maomé inventou ele tirou dos cristãos, dos judeus ou de ambos, interpretando à sua maneira e acrescentando outras coisas. A escatologia islâmica é relativamente parecida com a cristã, até mesmo na besta que sobe da terra eles creem, com a diferença de que eles são extremamente literalistas e por isso acham que essa besta é uma besta literal, um monstro da terra, em vez de algo simbólico com outro significado.

      Excluir
  3. Tragam mais dois troféis para ele: um de mito dos mitos e outro caso ele perca o primeiro.
    #RIPMACABEUS de novo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não Sr Scott!
      https://m.facebook.com/story.php?story_fbid=1633308496680821&id=490472354297780
      Fenomenal! 👏👏👏👏👏

      Excluir
  4. Jesus disse que todo aquele que faz a vontade de deus é sua mãe e seus irmãos (mt 12:20). Então eu sendo homem sou a mãe de Jesus e sou irmão dele? é isso que o texto diz. eu sei que jesus considerava o parentesco espiritual acima do carnal, mas quem ler esse texto isolado sem saber disso vai achar que cada cristão na terra é a mãe de jesus.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todo aquele que faz a vontade de Deus é "mãe" e "irmão" de Jesus em SENTIDO ESPIRITUAL evidentemente, mas não em sentido natural. Significa meramente que, no mundo espiritual, todos os verdadeiros crentes em Jesus estão em um mesmo "nível", e não como se houvesse superioridade de uns sobre outros por terem sido irmãos, mãe ou qualquer outro parentesco físico com Jesus em vida.

      Excluir
  5. Luquinhas, como você deve saber, depois dos últimos dois artigos, o Macabeus está moralmente morto. Fica aqui uma singela ode

    Em memorian... Macabeus

    Macabeus...
    Macabeus, infame Macabeus...
    Macabeus é uma besta...
    Uma besta Macabesta
    Macabeus é Macabesta
    Ou será marca da Besta??
    Macabeus é a marca da Besta?
    Macabeus é a marca da bosta
    Macabesta é a marca de bosta...
    Macabesta é a marca da Besta?
    Macabesta é uma besta na maca
    Vendo a Besta e vendo a bosta,
    "Basta!"
    Basta de desta besta
    Basta de tanta bosta...
    Descanse em paz, Macabeus...

    Autoria: eu mesmo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Shakespeare estaria impressionado com essa obra-prima de poema.

      Excluir
  6. Deixando a zuera de lado, EXCELENTE ARTIGO, Lucas! Cheio de fontes (vê-se uma diferença nítida dos sites católicos). Incrível como precisa-se se fontes tão influentes para se garantir aquilo que eu cresci ouvindo nas pregações. Mas fazer o quê?.. Católico é católico... Enfim. Ontem vi um vídeo que me suscitou algumas duvidas e pensei que seria uma ótima sugestão para um artigo futuro: A Igreja Católica e o Mitraísmo. Descobrir as raízes mitraicas do Catolicismo seria um golpe fatal nas suas tradições!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma boa ideia, eu ainda não me aprofundei sobre isso mas pretendo pesquisar. Abs!

      Excluir
  7. Lucas banzoli eu estou fazendo um curso de história da igreja com um professor e ele tocou no assunto do batismo e disse que quem se batizava usava vestes brancas. Eu fiz uma pergunta a ele da onde ele tirou isso e quando surgiu o batismo infantil. Veja a resposta dele e analise fazendo o favor. Ai está:

    Com relação ao batismo infantil apresento a seguir uma série de citações dos pais da Igreja. Faço-as em ordem cronológica! Há que se observar porém, que os pais se diferem tanto pela região em estão (ocidente ou oriente) e no caso dos orientais ainda quanto a escola de pensamento (alexandrina ou antioquena). Então não dá para falar que o batismo de infantes entrou na Igreja em uma época, é mais provável que ele passou a ser uso primeiro no oriente, onde a teologia tendia mais às especulações filosóficas e o batismo era entendido de forma mais mística. Enquanto isso no ocidente, com sua ênfase na soteriologia, houve uma tendência a aceitar o batismo de infantes apenas por volta da época de Agostinho.

    Irinaeus, Adversus Haereses, 2,22,4 (189 d.C)
    For He came to save all through means of Himself—all, I say, who through Him are born again to God3134—infants,3135 and children, and boys, and youths, and old men. He therefore passed through every age, becoming an infant for infants, thus sanctifying infants; a child for children, thus sanctifying those who are of this age, being at the same time made to them an example of piety, righteousness, and submission; a youth for youths, becoming an example to youths, and thus sanctifying them for the Lord. So likewise He was an old man for old men, that He might be a perfect Master for all, not merely as respects the setting forth of the truth, but also as regards age, sanctifying at the same time the aged also, and becoming an example to them likewise.

    Tertuliano:
    And so, according to the circumstances and disposition, and even age, of each individual, the delay of baptism is preferable; principally, however, in the case of little children. For why is it necessary—if (baptism itself) is not so necessary8730—that the sponsors [menção a padrinhos neste contexto indica que o batismo de infantes acontecia de fato, Tertuliano porém critica a prática] likewise should be thrust into danger? Who both themselves, by reason of mortality, may fail to fulfil their promises, and may be disappointed by the development of an evil disposition, in those for whom they stood? The Lord does indeed say, “Forbid them not to come unto me.”8731 Let them “come,” then, while they are growing up; let them “come” while they are learning, while they are learning whither to come;8732 let them become Christians8733 when they have become able to know Christ. Why does the innocent period of life hasten to the “remission of sins?” More caution will be exercised in worldly8734 matters: so that one who is not trusted with earthly substance is trusted with divine! Let them know how to “ask” for salvation, that you may seem (at least) to have given “to him that asketh.” ( Tertulian 3, 2,18 provavelmente entre 192 e 199 d.C.)

    Hipólito:
    "Baptize first the children, and if they can speak for themselves let them do so. Otherwise, let their parents or other relatives speak for them" (The Apostolic Tradition 21:16 (215 d.C)

    Orígenes:
    "Every soul that is born into flesh is soiled by the filth of wickedness and sin. . . . In the Church, baptism is given for the remission of sins, and, according to the usage of the Church, baptism is given even to infants. If there were nothing in infants which required the remission of sins and nothing in them pertinent to forgiveness, the grace of baptism would seem superfluous" (Homilies on Leviticus 8:3 [ 248 d.C]).

    "The Church received from the apostles the tradition of giving baptism even to infants. The apostles, to whom were committed the secrets of the divine sacraments, knew there are in everyone innate strains of [original] sin, which must be washed away through water and the Spirit" (Commentaries on Romans 5:9 [248 d.C.]).

    continua ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Veja esse artigo, que aborda especificamente essa questão:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2015/04/o-batismo-infantil-foi-praticado-pela.html

      Abs!

      Excluir
    2. A bíblia não apoia o batismo de crianças... até quando teremos dúvidas sobre tais assuntos, sendo a Palavra de Deus tão clara?
      Não há dúvidas aqui.

      Mateus 3:6
      "Confessando os seus pecados, eram batizados por João no rio Jordão."

      Marcos 1:4,8
      "E foi assim que chegou João, batizando no deserto e pregando um batismo de arrependimento para perdão dos pecados. …"

      "Então veio Jesus da Galiléia ter com João, junto do Jordão, para ser batizado por ele.
      Mas João opunha-se-lhe, dizendo: Eu careço de ser batizado por ti, e vens tu a mim?
      Jesus, porém, respondendo, disse-lhe: Deixa por agora, porque assim nos convém cumprir toda a justiça. Então ele o permitiu.
      E, sendo Jesus batizado, saiu logo da água, e eis que se lhe abriram os céus, e viu o Espírito de Deus descendo como pomba e vindo sobre ele."
      Mateus 3:13-16

      Pergunta: porque a bíblia não mostra que Jesus foi batizado enquanto criança?
      Jesus foi dedicado a Deus quando criança. Batizado após adulto. O batismo envolve consciência.

      O que antecede o batismo? Não seria o arrependimento?

      Excluir
  8. .. continuação ...

    Por email você me perguntou sobre o uso de vestes brancas na liturgia batismal. Seguem as fontes abaixo. Ainda é discutível se foi Eusébio ou Cirilo o primeiro a citar o uso de vestes brancas, uma vez que a citação do batismo de Constantino pode ter sido “aveludada” por ser ele o imperador, enquanto que Cirilo descreve mais a pratica das comunidades à sua volta. A pratica já estava bem estabelecida na Igreja da Siria e Igreja Copta no séc. V. No ocidente já atestado na Espanha em textos do séc. IV.

    Everet Ferguson comenta que o batismo tanto no judaísmo do segundo templo, quanto na igreja antiga era muitas vezes de pessoas semi-nus ou até completamente nuas. Em algumas regiões usavam alguma veste. No judaísmo recebiam vestes novas após o batismo. O mesmo pareceu ser comum a partir do 3.o século cf. Anotações das testemunhas abaixo.

    Além disso eu faço uma ponte entre o batismo de prosélitos do judaismo e o batismo cristão, uma vez que o batismo cristão muito provavelmente tomou como base as tradições que já eram comuns no solo judaico. Forte indicio, na minha opinião é de que o ritual descrito na Didaque se assemelha em alguns pontos com rituais presentes no batismo de prosélitos. Além disto o batismo de prosélitos aceitava que crianças fossem batizadas juntos com os pais, no caso da conversão de uma família para o judaísmo (paralelo disto tempos em Atos), mas não previa o batismo de infantes (recém nascidos), isto com certeza foi uma inovação cristã.

    Eusébio de Cesareia, The Life of Constantin, 4,62
    “At the conclusion of the ceremony he arrayed himself in shining imperial vestments, brilliant as the light,3360 and reclined on a couch of the purest white, refusing to clothe himself with the purple any more.”

    Cirilo de Alexandria, On Mysteries, 4,8
    Therefore Solomon also, hinting at this grace, says in Ecclesiastes, Come hither, eat thy bread with joy (that is, the spiritual bread; Come hither, he calls with the call to salvation and blessing), and drink thy wine with a merry heart (that is, the spiritual wine); and let oil be poured out upon thy head (thou seest he alludes even to the mystic Chrism); and let thy garments be always white, for the Lord is well pleased with thy works2465; for before thou camest to Baptism, thy works were vanity of vanities2466. But now, having put off thy old garments, and put on those which are spiritually white, thou must be continually robed in white: of course we mean not this, that thou art always to wear white raiment; but thou must be clad in the garments that are truly white and shining and spiritual, that thou mayest say with the blessed Esaias, My soul shall be joyful in my God; for He hath clothed me with a garment of salvation, and put a robe of gladness around me2467.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas e isso de vestes brancas é verdade?

      Excluir
    2. Não tinha ouvido falar nisso antes, mas se ele prova textualmente, deve ser verdade.

      Excluir
  9. Essa semana abri a internet para olhar alguns filmes em cartazes para assistir no
    cinema e me deparei com um filme que lançaram agora chamado ALIENS que fala da
    existência de extraterrestres na Terra...Depois fui dar uma olhada no Youtube e achei
    vários vídeos dizendo q esses seres são entidades demoníacas...
    O que você acha sobre isso? É possível que Deus tenha criado outras formas de vida
    além da humana?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A minha opinião é de que aliens (como seres criados em outros planetas) não existem, e sim, se os demônios podem se transfigurar até em anjo de luz, quanto mais na forma desses "aliens" que as pessoas veem por aí, embora eu creia que a esmagadora maioria dos casos são ou fraudes, ou outros tipos de avistamentos que são confundidos com aliens ou discos voadores, ou alucinações. Mas se existissem esses tais seres de outros planetas, isso não iria afetar em nada a minha fé, e creio que não afetaria a de nenhum outro cristão centrado em Cristo.

      Excluir
  10. Se a teologia romana não se manteve inalterada, como é possível acreditar que a tradição permaneceu?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não permaneceu:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2017/02/a-tradicao-e-as-tradicoes-devemos.html

      Excluir
  11. Lucas você em outro texto que escreveu sobre o Apocalipse,apresentou a sua opinião baseada no texto´´ O qual se opõe, e se levanta contra tudo o que se chama Deus, ou se adora; de sorte que se assentará, como Deus, no templo de Deus, querendo parecer Deus.´´
    2 Tessalonicenses 2:4 , o que leva a uma interpretação de um líder ateu,e o sistema mais ateísta que existe é o comunismo,então o anticristo segundo esse texto será um marxista,mas eu penso como ele fará para ser aceito pelos muçulmanos?Já que os países muçulmanos em sua maioria possuem como Constituição a Sharia,lei islâmica,no Ocidente,principalmente na Europa,o secularismo já vem sendo imposto a décadas,então será mais fácil a aceitação de um líder ateu e antirreligioso,mas e no Oriente Médio,onde toda a sociedade é inspirada no islamismo,e esse mesmo islamismo possui grupos fundamentalistas que matam qualquer infiel,acho meio difícil o pessoal do ISIS,da Al Qaeda,os aiatolás iranianos,a familia Saud,wahabista que governa a Arábia Saudita aceitar e adorar um líder ateu

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pode ser: (1) que esses grupos extremistas sejam exterminados ou apaziguados antes ou durante a grande tribulação (e isso venha até a reforçar a reputação do anticristo, já que ele teria derrotado o terrorismo, coisa que ninguém antes dele havia sido capaz de fazer); ou: (2) que o anticristo consiga enganá-los com astúcia e sagacidade de alguma maneira, talvez recusando-se a se passar abertamente como um ateu anti-islã e mais como um líder político ecumênico que quer o "bem" de todos.

      Abs!

      Excluir
  12. Lucas e você acredita que com o passar das décadas esses grupos islâmicos fundamentalistas como ISIS,Al Qaeda,Hezbollah,Hamas serão destruídos e os governos religiosos do Oriente Médio serão derrubados,e aos poucos o ateísmo e o secularismo também serão implantados por lá para preparar o caminho para que o anticristo ateu seja aceito pelos árabes também?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Respondi acima (levantando duas possibilidades que considero plausíveis). Abs!

      Excluir
  13. Banzoli, vc é aliancista?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como vc se considera? porque vc crê que a igreja passará pela grande tribulação. Então não pode ser dispensacionalista.

      Excluir
    2. Eu sou dispensacionalista progressivo, corrente que não crê no arrebatamento pré-tribulacional, mas no pós:

      http://www.projetoomega.com/estudo7.htm

      Excluir
  14. Olá Lucas. Você não acha que o anticristo não precisa necessariamente ser alguém do campo religioso (papa, Sultão, Xeque, Aiatolá) mas alguém do mundo político?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu entendo que o anticristo será do mundo político e o falso profeta do mundo religioso, mas eles estarão unidos na grande tribulação com uma mesma finalidade e propósito em comum.

      Excluir
    2. Amados, não se deixem enganar. Lucas, você escreve tanto sobre a igreja de Roma: sobre adoração aos santos, veneração aos mortos, perdão de pecados, o papado com tantos títulos que só podem ser atribuídos a Deus, e não percebes quem é o o homem do pecado de quem Paulo fala? Paulo nos disse que o anticristo se levantaria de dentro da igreja de Deus. Ele disse também que ele já estava entre eles, se referindo a Roma pagã. Com o advento do papado, isso se realizou.

      "O instrumento utilizado por Satanás para dar morte a Cristo e a muitos do povo de Deus foi o Império Romano. Operou particularmente por intermédio do rei Herodes, vassalo dos romanos; Pôncio Pilatos, procurador romano da Judéia; o imperador romano Nero, e outros mais. Depois da queda do Império Romano Ocidental (476 DC) perseguiu ao verdadeiro povo de Deus sob o disfarce de uma organização político religiosa que tinha raízes no antigo império dos cézares. Esta perseguição, que se estendeu por um
      período de 1260 anos, está representada em Apocalipse 12:6 como o “deserto” e em Mateus 24:21 como a “grande aflição”. Durante este tempo pereceram como mártires milhões de fiéis do verdadeiro povo de Deus por negarem seguir os ditames da Igreja Romana. A Bíblia havia profetizado com exatidão que o poder papal, representado por um “chifre pequeno” em Daniel 7:8, 20 e 21, e como uma besta “semelhante a um leopardo” em Apocalipse 13:2, faria “guerra aos santos”. Apenas uma organização
      religiosa foi responsável por mais perseguições e mortes de crentes fiéis cristãos que nenhuma outra seita na história — A Santa Igreja Católica Romana!" (A Virgem Maria: Está Morta ou Viva? pagina 26).

      Excluir
    3. Mas é essa a questão: o anticristo será o HOMEM do pecado, portanto tem que ser um homem, não um sistema. Não pode ser o "papado" como um todo, embora possa ser um papa específico (o que eu não penso que seja, já que tornaria a figura do falso profeta redundante e desnecessária, esse sim penso eu um futuro papa).

      Excluir
    4. Mas quem poderia ser o homem se colocando no lugar de Deus, tentando parecer Deus, se não o papado? Sua linhagem é como uma linhagem real. Atravessa gerações. Precisamos ir pela bíblia, ela própria se interpreta. Nas profecias de Daniel e Apocalípse, são reveladas claramente quem é esse poder. leia, por favor, mais uma citação do livro, A Virgem Maria: Está Morta ou Viva? pag 27

      "O acesso da Igreja de Roma ao poder assinalou o início da escura Idade Média. Aumentando o seu poderio, mais se adensavam as trevas. De Cristo, o verdadeiro fundamento, transferiu-se a fé para o papa de Roma. Em vez de confiar no Filho de Deus para o perdão dos pecados e para a salvação eterna, o povo olhava para o papa e para os sacerdotes e prelados a quem delegava autoridade. Ensinavam-se-lhes ser o papa seu mediador terrestre, e que ninguém poderia aproximar-se de Deus senão por seu intermédio; e mais ainda, que ele ficava para eles em lugar de Deus e deveria, portanto, ser implicitamente obedecido. Esquivar-se de suas disposições era motivo suficiente para se infligir a mais severa punição ao corpo e alma dos delinqüentes. Assim, a mente do povo desviava-se de Deus para homens falíveis e cruéis, e mais ainda, para o próprio príncipe das trevas que por meio deles exercia o seu poder. O pecado se disfarçava sob omanto de santidade. Quando as Escrituras são suprimidas e o homem vem a considerar se supremo, só podemos esperar fraudes, engano e aviltante iniqüidade. Com a elevação das leis e tradições humanas, tornou-se manifesta a corrupção que sempre resulta de se pôr de lado a lei de Deus."

      (Dan. 7:25; Apoc. 13:5-7).

      Excluir
    5. O HOMEM pode ser, mas não a instituição em si (papado). Neste caso, precisaria ser um papa em específico, o que estiver governando a Igreja Romana no período da grande tribulação. Eu sei que isso contraria a interpretação historicista dos adventistas, mas acho complicado alegorizar o termo "homem" daquele texto ou interpretá-lo em um sentido "institucional" apenas. Abs.

      Excluir
    6. O quarto animal terrível que Daniel viu, é o império romano. Pois foram eles que mataram o Ungido. Desse império surgiria o chifre pequeno. Depois se tornaria grande. Paulo já dizia que o homem do pecado surgiria e já estava entre eles. se Roma está situada na Europa, então conclui-se que esse homem do pecado surgiria também na Europa. Roma dominava na época de Paulo. Roma imperial caiu, mas recebeu nova roupa com o poder que surgiu anos depois com a chegada do papado em 538. Seu poderio duraria até próximo do final dos 1260 anos em que falou Daniel. Em 1798 o papado caiu através de Napoleão. O poder político foi retirado das mãos de um só homem. Mas então sua ferida de morte foi curada em 1929 quando Mussolini deu ao papa um país que hoje é chamado de Vaticano. "E vi uma das suas cabeças como ferida de morte, e a sua chaga mortal foi curada; e toda a terra se maravilhou após a besta." Ap 13:3

      Foram muitos décadas de derramamento de sangue até 1798. Como a fama do papado estava manchada pelo sangue, uma nova estratégia foi formulada para voltar ao poder. Falou como dragão no passado, mas voltaria a falar como cordeiro. Hoje o papado se disfarça na pessoa de cidadão caridoso, camuflado. Apocalipse 13 diz que esse novo método atrairá atenção de todos os habitantes da terra e enganará a muitos. Apesar de vc criticar a forma de adoração dessa igreja, ela também te engana. Estás cego ou não queres enchergar. Se o papa coloca a adoração aos santos, batismos de criança, intermediador entre o homem e Deus e etc, como não ser ele o anticristo? Com essas práticas ele nega a Cristo. Seu poder hoje está disfarçado. Parece cordeiro, mas é dominado pelo dragão e logo falará como dragão novamente e vc poderá ser um dos enganados ou já está, ao dizer que o anticrsito está no futuro. Na verdade ele já está desde os tempos do apóstolo Paulo. Pois surgiria de dentro da própria igreja apostólica. Consegue enxergar isso, meu irmão Lucas? Abraço

      Excluir
  15. Lucas,

    Entre o preterismo e o futurismo, eu fico com os dois. Eu não acho que os dois realmente se contradigam. Eu penso que o preterismo se refere a fatos históricos específicos mencionados na Bíblia; e o futurismo, a fatos que em sua maioria são de uma tradição extra-bíblica. Por exemplo, dizer que o anticristo é judeu, filho de prostituta e da tribo de Dã, é fazer referências às informações proféticas que não estão na Bíblia. Trata-se de tradição apostólica, extra-bíblica, o que é legítimo, já que não contradiz a Bíblia.

    Dizer, por exemplo, que o Falso Profeta é Simão Mago e a Besta é Nero, está no âmbito do preterismo, no ínterim do cânon neo-testamentário. De maneira alguma dizer que Nero é um (ou o principal) anticristo do Apocalipse exclui a possibilidade de um anticristo futuro e final, desde que entendido que um é de tradição bíblica e o outro é, em sua maior parte porque há exceções, de uma tradição extra-bíblica. Isso torna as profecias preteristas e futuristas complementares, porque se referem a períodos distintos de tempo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu discordo, João não poderia ter intentado dizer que Nero era o anticristo porque:

      (1) Ele profetizava acerca de acontecimentos futuros, no tempo verbal futuro, e Nero já havia morrido quando ele falava que surgiria uma besta ou um anticristo.

      (2) O anticristo seria entronizado no templo de Jerusalém e Nero jamais pisou um pé em Jerusalém em toda a vida e morreu ainda antes da suposta "tribulação" preterista.

      (3) Diferente do que os preteristas pensam, Nero não dá 666, esse equívoco eu já corrigi aqui:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2013/04/cezar-nero-e-besta-do-apocalipse.html

      (5) Nero nunca fez coisas que João no Apocalipse diz que o anticristo faria, como por exemplo milagres (mesmo que falsos), o que Nero nunca fez e nem fingiu fazer; ou a implantação da marca da besta na testa ou na mão; ou a sua suposta "ressurreição", etc.

      (6) Os Pais da Igreja não estavam criando uma crença nova ou uma teologia nova em torno do anticristo em desacordo com as Escrituras; ao contrário, estavam apenas reiterando aquilo que a Bíblia afirmava, embora com especulações evidentes em torno de quem seria o anticristo ou quando ele chegaria (especulações essas que permanecem existindo ainda hoje no meio evangélico).

      Como eu disse no artigo, Nero pode ser considerado um dos "anticristos", um dos antítipos do anticristo assim como Antíoco Epífânio e outros, mas não O PRÓPRIO anticristo escatológico em pessoa. O Apocalipse é futurista.

      Excluir
    2. Então, meu caro, acho que estamos diante de um dilema advocatício: de escolher qual evidência forense cabe. Porque também há boas evidências de que o Apocalipse foi escrito durante o reinado de Nero. Aqui:

      monergismo.com/textos/preterismo/datacao-apocalipse_deventer.pdf

      Respeito a sua opção futurista, eu também sou parcialmente futurista, como eu disse. Mas você percebe que há defesa tanto para o preterismo quanto o futurismo? E a datação do Apocalipse no futurismo tem uma evidência contra: São Irineu pode ter sido induzido a errar por Pápias, de acordo com Eusébio de Cesaréia. É de se pensar, meu caro, é de se pensar.

      Quanto ao código 666, existem manuscritos que apresentam o número 616. Eu sou da opinião de que essa divergência é deliberada, uma correção para deixar o código mais fácil de descriptografar, para apresentar Nero mais facilmente.

      Além disso, Simão Mago, o suposto Falso Profeta do Apocalipse, fazia sinais e prodígios. Ele voou, fez a mão de um morto mexer, fazia estátuas falarem, etc. Ele deu um baita trabalho para os santos apóstolos. Lembre-se que no preterismo, a Besta apocalíptica é uma e o Falso Profeta é outro, o anticristo. Nero é a Besta, Simão Mago é o anticristo. A Besta e o anticristo são pessoas diferentes nessa interpretação.

      Mas enfim, eu concordo que faltam elementos futuristas, como o anticristo ser morto por um sopro de Jesus, ele ser entronizado em Jerusalém (apesar de que Simão Mago foi adorado como deus em Roma), etc.

      Excluir
    3. O artigo do site Monergismo que visa provar a datação mais antiga do Apocalipse cita três Pais da Igreja (Clemente, Tertuliano e Epifânio) sem citar as respectivas referências para se consultar a veracidade ou o contexto das citações. Em compensação, no artigo abaixo eu provo o contrário com numerosos Pais da Igreja e repleto de referências:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2012/11/manual-de-como-esmagar-o-preterismo-com.html

      Simão Mago morreu em 65 d.C, de acordo com a tradição, então ele não pode ser o anticristo ou falso profeta que João vê em operação no contexto das tribulações apocalípticas que os preteristas situam em torno de 70 d.C. E diante de tantos hereges que existiam na época, acho demasiado improvável que apenas um deles fosse apontado como "o" anticristo pessoal, em vez de ser apenas mais um dentre "os anticristos" já haviam na época. Isso sem falar que Simão Mago já aparece desde o início de Atos quando é repreendido por Pedro, enquanto Paulo escrevendo bem mais tarde aos tessalonicenses em sua segunda epístola diz que o iníquo, tradicionalmente entendido como uma referência ao anticristo, ainda estava para ser revelado e entrar em ação.

      Sobre o código 666, eu já ouvi dizerem que há um manuscrito onde consta 616 em vez de 666, mas diante de mais de cinco mil manuscritos antigos, seria normal ocorrer um erro de ortografia em alguns deles. Não significa necessariamente que tenha sido proposital, ou que tenha sido proposital para significar Nero. Mesmo se este fosse o caso, apenas implicaria que o copista estava consciente de que Nero de fato não é "666", e por isso teria tido que fazer a mudança necessária.

      Abs.

      Excluir
    4. Seguem as referências do artigo do Monergismo, as mais consistentes:

      St. Epiphanius of Salamis, Panarion, Heresy 51: "[St. John] who prophesied before his falling asleep, during the time of Claudius [Nero] Caesar and earlier, when he was on the isle of Patmos."

      Clement of Alexandria, Stromata, Book 7, Chapter 7: "For the teaching of our Lord at his advent, beginning with Augustus and Tiberius, was completed in the middle of Tiberius. And that of the apostles, embracing the ministry of Paul, ends with Nero."

      The Syriac Version of the New Testament, subscription: "The Revelation which was made by God to John the Evangelist in the island of Patmos, whither he was banished by the Emperor Nero."

      Só duas correções:

      - Os preteristas situam o Apocalipse no ano de 64 d.C, um ano antes da morte de Simão Mago.

      - São João Crisóstomo, na homilia sobre os Tessalonicenses, diz que Paulo estava se referindo a Nero quando ele mencionou o iníquo.

      Excluir
    5. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
  16. Cade o artigo do discípulo amado?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu disse até o fim do mês, não até a metade :)

      Excluir
  17. Olá Lucas. Amigo, me esclareça algo que considero intrigante: Por que os apóstolos (ou Pedro, pra quem é católico) tiveram que fundar uma nova igreja se já existiam igrejas (ou templos) onde o próprio Cristo frequentou e deixou claro tratar-se lugar de um lugar sagrado (Jo 2,16)?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O templo que Jesus fazia referência nesse texto se refere ao templo de Jerusalém, mas o próprio Senhor Jesus profetizou que esse templo seria destruído e ainda que chegaria o dia em que as pessoas não adorariam mais nem em Jerusalém e nem em Samaria. Por isso é preciso compreender que "igreja" no sentido bíblico não se refere a templos, os quais são apenas lugares onde a Igreja de fato se reúne, que consiste no próprio corpo de Cristo, os cristãos regenerados. Sobre este significado bíblico de Igreja eu já escrevi um tantão de artigos, tais como esses daqui:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2012/08/o-que-e-a.html

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2015/02/a-igreja-invisivel-perfeita-e-igreja.html

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2014/05/o-que-significa-parte-1.html

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2015/07/o-que-significa-igreja-parte-2.html

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2013/05/as-portas-do-inferno-nao-prevalecerao.html

      Abs!

      Excluir
  18. Quando o Conde disse que para refutar as 1200 páginas do seu livro da imortalidade da alma bastaria pegar 1200 páginas de patrística, ele achou que isso era um argumento contra você, mas se pararmos para pensar, o que ele fez foi te colocar NO MESMO NÍVEL dos pais da igreja. O que acha?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pior do que isso é que eu já tenho um outro livro bem grande apenas provando que os Pais da Igreja dos primeiros dois séculos eram mortalistas. Mas fazer o que, nem os escritos patrísticos ele lê, mas acha que "refuta" os meus estudos sobre o tema. Ao menos ele admite que me critica sem nem ao menos ter lido o meu material, o que é a prova viva da charlantice do cidadão. Nem lê, não conhece nada, não sabe porcaria nenhuma do assunto, não entende uma vírgula, mas se acha no direito de decretar que eu estou errado porque supostamente os Pais da Igreja (que ele também nunca leu) estão contra mim... é de morrer de rir.

      Excluir
  19. Delírio com um pouco de verdade??

    https://m.youtube.com/watch?v=lMBGbCza6mQ

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não vi esse documentário ainda, mas pelo menos um pouco de verdade tem que ter, já que o que a ICAR mais tem é pedofilia e satanismo.

      Excluir
  20. É SOBRENATURAL! (Sid Roth) O cenário do fim dos tempos - 1ª entrevista com Joel Richardson

    Encontrei no you tube sobre o anticristo será um muçulmano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Já tinha visto essa entrevista há uns anos atrás, mas é muito sem base.

      Excluir
  21. Olá, Lucas. Tudo bom?
    Sou mórmon, mas de um tempo para cá estou estudando as Doutrinas da Graça (salvação pela graça mediante a fé somente), e esta filosofia me deixa em uma espécie de extâse. Porém tenho alguns questionamentos, os quais não consigo encontrar resposta(s). Pode me ajudar?

    1º). Jesus ordena que sejamos perfeitos tal como é nosso Pai Celeste (Mateus 5:48). O que significa que é possível que sejamos perfeitos tal como Deus. Como entender?
    2º). Protestantes afirmam que a Escritura contém tudo aquilo que é necessário saber sobre Deus, Doutrinas, Culto dirigido a Deus, vida pessoal, entre outros temas. Porém, filosoficamnete, é impossível escrever TUDO sobre esses temas - afinal de contas, "o nosso átomo pensa", já dizia Delfim Neto. A bíblia deixa muitas questões em aberto, que protestantes discutem até hoje, como por exemplo batismo infantil, se namoro com beijo na boca é certo ou errado, etc. Isso não nos mostra que precisamos de um profeta hoje para que fale diretamente da parte de Deus, tal como havia Paulo, Jesus, naquela época?

    Por favor, me ajude nas minhas dúvidas. Espero ouvir de você em breve. Um grande abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, tudo bem?

      Sobre a primeira questão, quando Jesus disse para sermos perfeitos ele não estava exigindo a perfeição de maneira obrigatória como se isso fosse possível ou praticável, e de fato o único homem perfeito que pisou nessa terra foi o próprio Senhor Jesus. O que ele estava fazendo é estipulando uma META, a qual é a perfeição, e portanto os cristãos tem que se esforçar por chegar o mais próximo possível que conseguirem disso. Perfeitos não seremos, mas se olharmos para esta meta e almejarmos conquistá-la, podemos chegar o mais próximo que esteja ao nosso alcance, que é o que Deus quer de nós.

      Sobre a segunda questão, a Bíblia pode não dar uma resposta clara, direta ou específica quanto a algumas questões, mas ela expõe princípios que servem de norte para as nossas vidas, da mesma forma que uma bússola não é como um mapa bem completo e definido com todos os detalhes geográficos, mas ela aponta na direção certa que, se for seguida, nos levará ao destino certo. Assim sendo, por meio dos princípios da Bíblia podemos ter resposta a muitas questões atuais de coisas que nem mesmo existiam nos tempos apostólicos.

      Eu não sou cessacionista e portanto creio na existência atual de profetas, mas não em profetas no mesmo grau de inspiração e inerrância da Bíblia, porque o Novo Testamento é a revelação doutrinária final e não há nenhum indicativo bíblico de que surgiria um novo "Messias" ou algo do tipo com um terceiro testamento com novos ensinamentos e regras. Na verdade, os apóstolos indicam o contrário (Gl 1:8-9; Ap 22:18-19). Os profetas nos tempos modernos servem como os profetas como Ágabo na era apostólica, ou seja, não alguém que dá revelações doutrinárias, mas alguém que dá direcionamentos específicos às pessoas sobre a vida delas para fins de edificação pessoal (ou coletiva, se estiver na igreja).

      Abs!

      Excluir
  22. Sei que não tem nada a ver com o tema, mas o que você pensa do molinismo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu concordo com a tese do conhecimento médio de Deus, não penso que seja contraditória ao arminianismo.

      Excluir
    2. Olá Lucas. Tema interessante esse proposto pelo leitor que teve defensores e opositores na idade média. E hoje? O que pensa a ICAR sobre o tema? Como ele é visto no meio protestante?

      Excluir
    3. A Igreja Romana não tem escatologia definida. Isso parece bizarro, mas é verdade. Eu me assustei com isso quando, há alguns anos atrás, fui procurar o verbete "escatologia" no catecismo católico e não achei nada. Depois descobri pesquisando que os próprios apologistas católicos admitem que a Igreja deles não possui uma interpretação oficial do Apocalipse, deixando portanto a questão em aberto. Mas a grande maioria dos apologistas católicos são preteristas porque precisam desvincular a Igreja Romana da Babilônia (o que é quase impossível de se fazer no futurismo), existindo no entanto uma minoria de futuristas entre eles, sim, especialmente no que concerne a modernistas e sedevacantistas.

      A visão protestante tende mais ao futurismo, é a interpretação da grande maioria, mas tem alguns mais tradicionais que são preteristas também, e os adventistas são historicistas.

      Excluir
  23. Lucas eu já li que você escreveu também que acredita que o anticristo será europeu,mas qual a sua base para acreditar nisso?Não achas que ele poderia ter outra origem?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não me lembro de ter dito alguma vez que o anticristo seria europeu. Eu creio que virá dos EUA, pelo menos é o único que liga os pontos no presente momento. Mas é lógico que posso estar errado, especialmente se o desenrolar dos acontecimentos demonstrar isso.

      Excluir
  24. Eu por exemplo,já pensei que poderia ser um chinês,a China é um país comunista,de maioria ateísta,e possuem a maior população mundial,logo se ele fosse chinês,de cara já teria mais de 1 bilhão de seguidores

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas determinar o poder que alguém tem não diz respeito apenas à quantidade de pessoas de um determinado país, mas também o poder (econômico, militar, etc) que esse país possui sobre o mundo e sua influência global. E a China, embora cresça muito e seja uma promessa de grande potência no futuro, ainda não é isso e nem pode ser comprada aos EUA e à Europa, na verdade nem mesmo com a Rússia. Sem falar que o mundo oriental cada vez mais é englobado pela globalização que vem do Ocidente, mas dificilmente os ocidentais aceitariam a cultura oriental ou um líder oriental chinês reinando sobre o mundo. Pelo menos no momento não é uma tese que considero plausível, mas em um futuro quem sabe.

      Excluir
  25. Oi Lucas, desculpe-me se estou sendo deselegante (não é essa a minha intenção) mas você não acha que discorrer (criar cronologias, afirmar que o anticristo é esse ou aquele...) sobre o anticristo não é especulação? Digo isso porque a história da igreja está repleta de prognósticos que fracassaram. Mesmo grandes teólogos se equivocaram quando o tema é escatológico. Obrigado amigo. Deus continue lhe abençoando.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O errado é falar em nome ou em datas ou tempos específicos como FATO. Mas tratar em termos especulativos ou hipotéticos de acordo com o entendimento que se possui sobre as profecias e os sinais que o próprio Senhor Jesus nos passou, isso é totalmente normal e aceitável, até Irineu fez isso no século II, e vários outros Pais da Igreja (como se pode ver em algumas das citações que passei no artigo). O que é errado é dizer algo como se fosse fato, como já fizeram com o nome do anticristo ou com a volta de Jesus tantas e tantas vezes.

      Excluir
  26. Lucas o que acha da filosofia de Nietzsche? Ela é mesmo uma afronta ao Cristianismo? Eu já ouvi pessoas dizendo que no fundo o que ele queria era despertar os cristãos para que eles não fossem tão "permissivos" com várias questões da vida...Abs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nietzsche é aquele que dizia que "Deus está morto" e que pensava que ninguém mais creria nEle em nossos dias, cujas previsões fracassaram. Sua filosofia levava ao niilismo existencial, o que é anticristão. Se ele ajudou os cristãos, não foi intencionalmente, mas indiretamente, no sentido de forçar os teólogos e filósofos cristãos a se prepararem melhor e a buscarem novas e melhores respostas que conseguissem estar à altura dos questionamentos de Nietzsche. Talvez se não fosse por ele e outros ateus semelhantes, não teríamos alguém como William Lane Craig ou Alvin Plantinga com uma lucidez tão grande em defesa racional da fé, já que poucos buscariam isso sem haver o contraponto. Abs!

      Excluir
  27. O Macabeus outra vez!

    https://youtu.be/t12ApwsbggQ

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. HUEHUEHUEHUEHUEHUE

      Parei de ouvir no primeiro minuto, depois que ele tentou desqualificar os Pais da Igreja, exatamente da forma que eu previ que ele faria. É assim: Irineu e outros numerosos Pais da Igreja desde o século II falavam bastante no anticristo sem saberem nada do assunto, mas ele, o grande e mítico Macabesta, sabe tudo e está disposto a ensinar a "interpretação certa" não apenas aos Pais da Igreja que eram todos ignorantes, como também à própria Igreja Romana que nunca definiu o preterismo como interpretação oficial, mesmo podendo fazer isso "infalivelmente" caso quisesse. Os vídeos dele são um prato cheio de comédia, a cada dez vídeos que ele faz eu sou o centro das atenções em onze, até acho que ele deveria mudar de "Apologética Católica" para "Apologética Anti-Banzoli", que ficaria mais coerente com o conteúdo apresentado.

      Excluir
  28. Olha isso que o OdC postou no facebook:
    " Se S. Paulo Apóstolo não mentiu ao dizer "Não sou em quem vive, é Cristo que vive em mim", aquele que afirma que os santos estão mortos mata Jesus milhares de vezes."

    O que acha?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. HUSHASUAHSUAHSUAHSUH esse cara está querendo se superar ou está tirando com a cara dos católicos para ver até onde eles são capazes de engolir, não é possível!

      "Cristo vive em mim" agora significa "temos uma alma imortal". Pela lógica que ele usa, então Paulo já estava morto quando escreveu esse versículo, pois ele diz "NÃO SOU EU QUEM VIVO". Não é mais fácil interpretar o verso como se tratando de uma verdade espiritual no sentido de que as atitudes de Paulo refletiam Cristo em sua vida? Não para o Olavo, que prefere transformar o apóstolo em um zumbi e matar Cristo com a morte do corpo, visto que é o corpo que é templo do Espírito Santo (1Co 6:19), o que ele não deve saber.

      Excluir
    2. O Olavo quanto à teologia é um tosco. Parece que, para defender a fé católica dele, ele se esvazia de todo o senso crítico que ele utiliza para analisar as outras questões nas quais ele é muito bom, como filosofia e política. Não parece o mesmo pensamento.

      Excluir
  29. Pra vc,Carícias como passar a mão na bunda e nos peitos em um namoro fiel e evangélico e errado ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, os dois devem se guardar até o casamento.

      Excluir
    2. Mas tipo se ficarem apenas se beijando e abraçando e tudo mas sem toques nos peitos e na bunda e pecado tbm ?

      Excluir
  30. Lucas esse tema não tem nada a ver com o post,mas sabe que eu acho o Silas Malafaia um bom apologeta,essa semana um padre veio querer criticar os protestantes,e o Malafaia deu uma boa resposta,eu sei que esse pastor é uma figura controversa,não concordo com a Teologia da Prosperidade pregada por ele,e penso que exagera ao pedir dinheiro,mas me parece um bom defensor da fe,https://noticias.gospelprime.com.br/igreja-catolica-nao-biblica-nao-perder-fieis-malafaia/,mas vc acha ruim um pastor se tornar milionário igual o Silas Malafaia?Ter uma grande editora como a Central Gospel?A polêmica com ele é que mesmo ele sendo na minha opinião um bom apologeta,sempre paira sobre ele essa suspeita de enriquecimento ilícito

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Refutar os católicos é fácil, qualquer criança de colo consegue isso, pra ser um exemplo não basta fazer isso, tem que ser um exemplo de conduta também, de caráter, de transparência. Eu não posso acusar o Silas de ladrão porque não tenho prova nenhuma e não sou ninguém para julgar alguém, mas a partir do momento em que ele acumula milhões, tem casa na praia em Miami, jatinhos particulares, mansão e tudo mais, ele abre margem para que as pessoas pensem isso dele, é claro. E não dá pra julgar todas essas pessoas como se todo mundo estivesse errado e só ele certo, porque essas pessoas só pensam assim porque ele abre um precedente. Se ele vivesse de forma humilde como os apóstolos viviam, ou mesmo se nem precisasse chegar a tanto, não precisaria ser pobre, bastando não ser tão rico, ninguém poderia abrir a boca para falar um piu dele, mas como é o contrário, a culpa por essas pessoas acharem isso é dele mesmo, então ele que aguente as consequências.

      Excluir
  31. Vespasiano e Calígula também poderia entrar na lista de anticristos?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, como qualquer tirano que perseguiu ou ainda persegue os cristãos.

      Excluir
  32. Olá Lucas. Me desculpe por fugir do tema do artigo, mas me tire uma dúvida. O fogo que vai atormentar os ímpios é o mesmo fogo que vai atormentar os demônios? Como pode um ser imaterial como os demônios sofrer dano de algo material como o fogo? É um fogo diferente, um tipo de fogo que até mesmo seres espirituais sentem? eu não sei como um espírito sente dor.

    desde já agradeço pela resposta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não existe um versículo específico que esclareça isso, mas é evidente que um fogo literal como o que conhecemos aqui na terra não teria eficácia contra um ser espiritual não-físico como os demônios, então se presume que o fogo seja um símbolo do castigo, e não a própria forma de castigo em si. Na Bíblia o fogo tem muitos significados, e um deles é o de juízo. Pode ser que o fogo seja uma linguagem que expressa castigo mas não seja a própria forma de castigo em si, e que Deus tenha outras formas de exercer o castigo. No AT o que prefigurava a morte eterna final era o apedrejamento; no NT há uma passagem onde Jesus diz que a forma de castigo são açoites, e parábolas onde ele retrata o geena como uma "prisão". Enfim, o fogo não é o único elemento que expressa o castigo, embora seja de longe o que mais aparece, por isso também não tiro a possibilidade do castigo ser em fogo mesmo. Abs.

      Excluir
    2. as vezes eu acho que o fogo é a consciência da pessoa o atormentando. Quando as pessoas se lembrarem das oportunidades que teve, das muitas vezes que ouviu o evangelho mas preferiu o pecado, isso deve ser horrível pra eles. Principalmente os demônios, quando lembrarem de que um dia estiveram na presença de Deus, que eram anjos bons. Isso deve ser um "fogo" muito atormentador. Suas consciências ardendo à uma intensidade máxima. É assim que penso. E a Bíblia diz lá em Marcos 9.44 que "o seu bicho não morre". O interessante é que diz "o SEU bicho". Óbvio que não é um bicho de estimação rsrsrs. Na minha opinião é a consciência da pessoa. O que acha?

      Excluir
    3. Sobre o "bicho que não morre", trata-se de uma alusão ao que disse o profeta Isaías em seu livro. Eu escrevi sobre isso aqui:

      http://desvendandoalenda.blogspot.com.br/2013/08/o-que-e-o-bicho-que-nao-morre.html

      Excluir
  33. Links católicos não são aceitos aqui (leia as regras no final da página), mas como perguntaram se eu tenho artigo sobre Apocalipse 12, segue alguns deles:

    http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2015/09/quem-e-mulher-de-apocalipse-12.html

    http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2013/12/a-mulher-vestida-do-sol-em-apocalipse.html

    ResponderExcluir

Seu comentário será publicado após passar pela moderação. Ofensas, deboches, divulgação de páginas católicas (links) e manifestações de fanatismo não serão aceitos. Todos os tipos de perguntas educadas são bem-vindas e serão respondidas cordialmente. Caso o seu comentário ainda não tenha sido liberado dentro de 24h, é possível que ele não tenha chegado à moderação, e neste caso reenvie o comment.