17 de abril de 2013

Revelação bombástica contra o preterismo



Recebi ontem um e-mail de um grande amigo meu, Alon (agrandecidade@yahoo.com), dono do site apologético cristão A Grande Cidade (agrandecidade.com), com uma informação detalhada que comprova biblicamente que João escreveu o Apocalipse depois que saiu da ilha de Patmos, e não enquanto ele esteve lá. Isso muda todo o paradigma da datação do Apocalipse e cai como uma bomba no colo daqueles que advogam que João escreveu o livro antes de 70 d.C. Irei primeiramente passar a argumentação dele, seguida de um comentário meu em torno disso.


A Escrita do Apocalipse

Observa  aqui em Apocalipse 1:3 onde  João deixa explícito que toda revelação de Apocalipse já havia sido dada a ele, pois ele cita no início do Livro que quem lesse deveria  guardar toda a profecia contida no livro. Que livro se ele ainda está no verso três?

“Bem aventurado aquele que lê e bem-aventurados os que ouvem as palavras desta profecia e guardam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo” (Apocalipse 1:3)

Ele fala no singular quando diz “desta  profecia”.

Isso indica que João escreveu o Apocalipse depois que saiu da ilha. Veja o que ele diz no momento da escrita:

“Eu, João, que também sou vosso irmão, e companheiro na aflição, e no reino, e paciência de Jesus Cristo, estava na ilha chamada Patmos, por causa da palavra de Deus, e pelo testemunho de Jesus Cristo” (Apocalipse 1:9)

Estava?

Isso significa que enquanto ele escrevia ele não mais estava na ilha!

Evidente que ele não escreveu as revelações enquanto as recebia. Isso é óbvio por vários motivos, e o principal deles é que ele foi ali exilado por causa do testemunho de Jesus, como ele mesmo atesta. Dentro desse contexto, podemos inferir que ele não pode ter tido facilidades dentro da ilha para escrever as revelações e ainda por cima enviá-las por todo o império que o tinha aprisionado ali, o romano.

Isso refuta aqueles que afirmam que João escreveu o Apocalipse em duas partes, uma delas, a segunda, 25 anos depois da primeira. E tem mais, se João escreveu mesmo depois que saiu do exílio, então temos aqui um fortíssimo argumento contra a escola preterista. Isso prova que ele escreveu após a morte de Domiciano, pois a história atesta que ele só foi liberto depois que o Tirano morreu, o  que só ocorreu depois da década de 80!


Meu Comentário

Confesso que fiquei surpreso quando li tal argumentação, pois sempre pensei que João havia escrito o Apocalipse enquanto estava na ilha de Patmos, não atentando para o verso 9 no início do livro, que coloca o tempo claramente no passado, nos indicando que João obteve as revelações enquanto esteve em Patmos, mas somente escreveu sobre essas revelações, passando-as para o livro que hoje chamamos de Apocalipse, depois que saiu de lá, razão pela qual ele diz que estava em Patmos – porque não está mais!

E como a escola preterista é derrubada com um só versículo?

Simples. Os preteristas afirmam que João escreveu o Apocalipse enquanto esteve na ilha de Patmos, e que ele ficou preso lá desde antes de 70 d.C, quando escreveu o Apocalipse, sendo solto apenas em 96 d.C, como a história cristã atesta, no final do reinado de Domiciano. Assim, argumentam eles que o fato de João ter saído da ilha de Patmos em 96 d.C  não significa que ele escreveu o Apocalipse nesta época, pois ele estaria preso desde antes de 70 d.C, escrito o Apocalipse nesta época e o espalhado por todas as partes do Império, prevendo a queda de Jerusalém em 70 d.C, e somente muitos anos depois ter sido solto de lá, em 96 d.C (quando o livro já teria sido escrito pelo menos vinte e cinco anos antes!).

Sendo assim, na visão deles, não teria problema deixar João preso durante aproximadamente 30 anos em Patmos e tendo escrito o Apocalipse enquanto lá esteve bem no começo, antes de 70 d.C, sendo solto somente muito tempo depois. Mas o que o verso 9 do próprio João atesta liquida com todas as pretensões preteristas, pois, como ele disse, estava na ilha chamada Patmos, por causa da palavra de Deus, e pelo testemunho de Jesus Cristo” (Ap.1:9).

Ou seja: João obteve as revelações do Apocalipse enquanto esteve em Patmos, mas somente as passou por escrito em um livro depois que já havia sido solto.

E quando que João foi solto?

A história cristã atesta em uma só voz: no final do reinado de Domiciano, que reinou até de 81 d.C até 96 d.C:


-Eusébio de Cesareia:

“Escuta uma historieta, que não é uma historieta, mas uma tradição existente sobre o apóstolo João, transmitida e guardada na memória. Efetivamente, depois que morreu o tirano, João mudou-se da ilha de Patmos a Éfeso. Daqui costumava partir, quando o chamavam, até as regiões pagãs vizinhas, com o fim de, em alguns lugares, estabelecer bispos; em outros, erguer igrejas inteiras, e em outros ainda, ordenar a algum dos que haviam sido designados pelo Espírito” (História Eclesiástica, Livro III, 23:6) 

“É tradição que, neste tempo, o apóstolo e evangelista João, que ainda vivia, foi condenado a habitar a ilha de Patmos por ter dado testemunho do Verbo de Deus. Pelo menos Irineu, quando escreve acerca do número do nome aplicado ao anticristo no chamado Apocalipse de João, diz no livro V Contra as heresias, textualmente sobre João o que segue: ‘Mas se fosse necessário atualmente proclamar abertamente seu nome, seria feito por meio daquele que também viu o Apocalipse, já que não faz muito tempo que foi visto, mas quase em nossa geração, ao final do império de Domiciano (História Eclesiástica, Livro III, 18:1-3) 

“E um pouco mais abaixo segue dizendo sobre o mesmo: "Nós pois, não nos arrisquemos a manifestarmo-nos de maneira segura sobre o nome do anticristo, porque, se houvesse sido necessário na presente ocasião proclamar abertamente seu nome, ter-se-ia feito por meio daquele que também tinha visto o Apocalipse, já que não faz muito tempo que foi visto, mas quase em nossa geração, ao final do império de Domiciano" (História Eclesiástica, Livro V, 8:6) 


-Jerônimo:

“Mas Pedro é somente um Apóstolo, enquanto João é um Apóstolo, um Evangelista, e um Profeta. Um Apóstolo, porque escreveu às Igrejas como mestre; um Evangelista, porque compôs um Evangelho, coisa que nenhum outro Apóstolo, exceto Mateus, fez; um profeta, porque viu na ilha de Patmos, onde tinha sido desterrado pelo imperador Domiciano como um mártir do Senhor, um Apocalipse contendo os ilimitados mistérios do futuro (Contra Joviniano, Livro I) 

“No décimo quarto ano depois de Nero, Domiciano, tendo levantado uma segunda perseguição, baniu João para a ilha de Patmos, onde ele escreveu o Apocalipse, em que Justino Mártir e Irineu depois escreveram comentários. Mas Domiciano tendo sido condenado à morte e seus atos, por conta de sua excessiva crueldade, foram anulados pelo Senado, e João voltou a Éfeso” (Homens Ilustres, IX) 

"João era um profeta. Ele viu o Apocalipse na ilha de Patmos, onde foi banido por Domiciano(Trabalhos, vol. 6, p. 446)


-Sulpício Severo:

"João, o apóstolo e evangelista, foi exilado por Domiciano para a ilha de Patmos, onde teve visões, e onde escreveu o Apocalipse" (Trabalhos, vol. 4, Cap 120) 

“Então, depois de um intervalo, Domiciano, filho de Vespasiano, perseguiu os cristãos. Nesta data, ele baniu João Apóstolo e Evangelista para a ilha de Patmos (História Sagrada, Livro II, Cap.31) 


-Hipólito de Roma:

“João, de novo na Ásia, foi banido por Domiciano para a ilha de Patmos, na qual escreveu a visão apocalíptica, e no tempo de Trajano ele adormeceu em Éfeso, onde seus restos mortais foram procurados, mas não foram jamais encontrados” (Doze Apóstolos, Cap.3, v.3) 


-Vitorino:

“João estava na ilha de Patmos, condenado ao trabalho das minas por César Domiciano… ele viu o Apocalipse, e quando envelheceu, ele pensou que ele deveria finalmente receber sua quitação pelo sofrimento. Domiciano foi morto e todas as decisões dele estavam descarregadas. João foi liberto das minas” (Vitorino, Comentário sobre o Apocalipse, XI)


-Tertuliano:

“Tertuliano também mencionou Domiciano nas seguintes palavras: ‘Domiciano também, que possuía uma parcela da crueldade de Nero, tentou uma vez fazer a mesma coisa que este último fez… sequer se lembrou daqueles a quem ele tinha banido… Mas depois que Domiciano reinou 15 anos, e Nerva tinha sucedido ao império, o Senado romano, de acordo com os escritores que registram a história daqueles dias, votaram que os horrores de Domiciano deveriam ser cancelados, e que aqueles que tinham sido injustamente banidos devem retornar para suas casas e ter suas propriedades restauradas a eles. Foi nessa época que o apóstolo João retornou de seu exílio na ilha ao seu domicílio em Éfeso” (História Eclesiástica, Livro III, Cap.20) 


-Clemente de Alexandria:

Quando da morte do tirano [Domiciano], ele retornou a Éfeso da ilha de Patmos, ele foi embora, sendo convidado aos territórios contíguos das nações, aqui a nomear bispos, lá para pôr em ordem Igrejas para ordenar tais como foram marcados pelo Espírito” (Quem é o homem rico que será salvo, XLII) 


-Irineu:

“Não vamos, no entanto, incorrer no risco de se pronunciar de forma positiva quanto ao nome do Anticristo, pois se fosse necessário que seu nome deve ser claramente revelado neste momento, teria sido anunciado por aquele que viu a visão apocalíptica. Por que foi visto num tempo não muito longo desde então, mas quase em nossos dias, para o fim do reinado de Domiciano (Contra Heresias V, 20) 

Como vemos, a história cristã atesta e confirma que João foi exilado para a ilha de Patmos por Domiciano e solto no final do reinado deste mesmo imperador romano, que reinou de 81 a 96 d.C. Portanto, o apóstolo João recebeu as revelações apocalípticas em algum momento entre 81 e 96 d.C. Mas, como ele diz no verso 9 do primeiro capítulo de seu livro que “estava” em Patmos (o que significa que não está mais no momento em que ele escreve), isso significa que o livro do Apocalipse em si foi escrito depois que ele já havia saído de Patmos, ou seja, depois de 96 d.C, no finalzinho do primeiro século d.C.

Isso cai como uma bomba atômica naqueles que creem e ensinam que o Apocalipse foi escrito antes de 70 d.C, prevendo a guerra entre Jerusalém e Roma que aconteceu nessa época, sendo conhecidos como “preteristas”. Se João escreveu antes de 70 d.C, então ele foi preso antes do imperador Domiciano, contrariando os Pais da Igreja que disseram claramente o contrário, e foi solto também antes de 70 d.C quando escreveu o livro, ou seja, teria sido solto sob o reinado de Nero, e não de Domiciano.

Mas qual dos Pais da Igreja que alguma vez escreveu que João foi solto sob o reinado de Nero? Absolutamente ninguém. A história cristã é simplesmente unânime e esmagadora em afirmar que João foi liberto de Patmos no final do reinado de Domiciano, conforme vimos em dezenas de citações de dezenas de Pais da Igreja, ou seja, de todos os que falaram sobre este assunto. Portanto, se João escreveu o Apocalipse depois que foi liberto de Patmos e ele só foi liberto de Patmos no final do reinado de Domiciano (96 d.C), isso significa que ele só pode ter escrito o livro de 96 d.C em diante, e não antes disso. Jogar para uma data anterior a mais de 30 anos de distância é simplesmente pisar e cuspir em cima da história.

Ademais, temos que ressaltar também que o apóstolo João não foi para Patmos de passeio, ele foi enviado para lá pelas autoridades romanas como uma prisão. A ilha de Patmos era uma prisão sem muros, onde os prisioneiros eram obrigados a trabalhar nas minas de carvão. Era uma ilha isolada do continente e se localizava no mar Egeu. Simplesmente era impossível que João escrevesse o livro do Apocalipse e suas inúmeras cópias, e depois enviá-las para as mais diversas regiões do Império Romano, inclusive às sete igrejas da Ásia mencionadas nos capítulos 2 e 3, estando preso e submetido a trabalhos forçados em uma ilha completamente isolada do continente. Portanto, não há como João ter escrito o Apocalipse em Patmos e ter enviado as cópias às igrejas da Ásia e aos demais cristãos. Ele recebeu as revelações em Patmos, mas somente pôde escrever sobre elas, fazer cópias e distribui-las pelo Império após ter sido solto, já depois de 96 d.C, como nos atesta a história cristã e Ap.1:9.

Seria melhor que tais preteristas aproveitassem para jogar de uma vez também todos os seus livros de história cristã ou secular no lixo, pois se cegarem diante de tamanhas evidências históricas esmagadoras significa ser condizente com um estado de completa ignorância que eu creio que ninguém aqui estaria realmente disposto a estar. De fato, a única coisa que sustenta a visão preterista do Apocalipse é a cegueira e o fanatismo de seus defensores, que o defendem com unhas e dentes, ainda que para isso seja necessário desprezar e ignorar todo um fundo histórico que abrange a escrita apocalíptica do livro de João.

E aqui morrem as últimas pretensões preteristas.

Que descanse em paz.

Por Cristo e por Seu Reino,
Lucas Banzoli (apologiacrista.com)


-Meus livros:

-Veja uma lista completa de livros meus clicando aqui.

- Acesse o meu canal no YouTube clicando aqui.


-Não deixe de acessar meus outros sites:
Apologia Cristã (Artigos de apologética cristã sobre doutrina e moral)
O Cristianismo em Foco (Reflexões cristãs e estudos bíblicos)
Estudando Escatologia (Estudos sobre o Apocalipse)
Desvendando a Lenda (Refutando a Imortalidade da Alma)
Ateísmo Refutado (Evidências da existência de Deus e veracidade da Bíblia)

19 comentários:

  1. essa é pra vc ver a pérola desse professor de teologia da Canção nova:
    http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=zpUq3fDKLD8#!
    .
    Matheus..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Matheus. Muito interessante este vídeo que você trouxe do Prof. Felipe Aquino, por algumas razões:

      1) Primeiro, porque este conhecido professor católico afirma categoricamente que o Apocalipse de João foi escrito entre 90 - 100 d.C, simplesmente ANIQUILANDO com as teses preteristas católicas de que o Apocalipse fora escrito antes de 70 d.C, como eles creem.

      2) Segundo, porque o pobre professor afirmou incorretamente que o Apocalipse foi escrito durante o reinado do imperador Trajano, quando na verdade todos os pesquisadores, historiadores e Pais da Igreja primitiva afirmaram que João escreveu sob Domiciano, e não sob Trajano.

      3) Terceiro, porque o nome Cezar Nero NÃO DÁ "666". Isso não passa de uma fábula popular totalmente falsa, embora muito difundida pelos ignorantes. Cezar Nero dá 616 e não 666. Para fazer com que o nome de Nero some "666" os preteristas malandrosamente mudam o "Nero" por "Neron", que era UMA FORMA INCOMUM DE SE USAR O NOME "NERO", QUE ERA O MAIS TRADICIONAL. Além disso, quando se repete a mesma letra duas vezes no começo e no fim de uma palavra, como ocorre com o "N", seu valor dobra, indo para muito além de "666".

      4) Quarto, porque o caríssimo professor Felipe Aquino afirma que João escreveu sob Trajano, que começou a reinar em 97 d.C, mas afirma que o anticristo trata-se de Nero, que morreu em 68 d.C. Como é que João poderia estar retratando uma besta QUE MORREU TRINTA ANOS ANTES, se ele retratava acontecimentos FUTUROS e não passados???

      5) Quinto, que Nero não pode ser a besta porque ELE NUNCA PISOU EM JERUSALÉM e morreu ANTES da cidade ser destruída pelos romanos. Portanto, ele não pôde ter se assentado no templo de Deus (templo de Jerusalém) e se declarado "deus", como diz Paulo sobre o anticristo (2Ts.2:4), pois nunca sequer pisou em Jerusalém!

      Portanto, a escatologia do professor Felipe Aquino é completamente FURADA e não faz qualquer sentido. Realmente, posso colocar tranquilamente em minha lista de "pérolas católicas" sem qualquer problema.

      Fique com Deus!

      Excluir
  2. Lucas, sua adicao ao meu texto foi simplesmente oportunissima e bombastica. Mais uma vez parabens pelos argumentos de defesa apresentados por voce aqui, os quais sao sempre clarrissimos. Bem, no momento escrevo de uma biblioteca, pois acabei de me mover de uma cidade a outra e somente hoje e que pude ler seu artigo, pois minha internet so vai ser religada em 2 de Maio...

    Estou sem acentuacao grafica

    Abracos

    Alon

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu, Alon! Espero você retornar para podermos manter contato. Um abraço!

      Excluir
  3. Olá,Lucas!

    Gostaria de ser breve em meus comentários.Minha namorada faz bacharelado em teologia e li um livro com diversas subdivisões da escola preterista.(Preterismo parcial,preterismo completo...,entretanto,não sei qual a origem de tal escola teológica(na internet os sites atribuem a diversos autores e grupos) e gostaria que você me informasse a origem ou as origens dessa escola para fins de pesquisa e trabalho.

    Outra pergunta é:Qual a posição oficial escatológica do Vaticano?

    Os grupos "carismáticos" do catolicismo aceitos oficialmente pelo Vaticano na época do João Paulo II são futuristas ,em sua maioria,mas qual a posição oficial DOS DOCUMENTOS DO VATICANO ?

    Não creio que o Vaticano seja preterista...,mas se eu estiver enganado gostaria de uma fundamentação dos documentos do Vaticano.

    Sobre o artigo ...ficou legal...um abraço e a paz de Cristo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá. O preterismo parcial defende que a grande tribulação já ocorreu em 70 d.C na batalha entre Jerusalém em Roma, e que portanto o Apocalipse descreve eventos já passados para nós, mas a ressurreição, arrebatamento e volta de Jesus ainda são eventos futuros, ainda que estejam diretamente ligadas em todos os relatos bíblicos escatológicos. Já o preterismo completo visa ligar estes dois acontecimentos (tribulação e volta de Jesus) como diz a Bíblia, mas afirma que tudo isso mencionado acima já aconteceu em 70 d.C, que Jesus já voltou e que os mortos já foram ressuscitados. Para isso eles evidentemente precisam alegorizar grande parte da Bíblia, negar a ressurreição da carne e passar por cima de diversas crenças historicamente fundamentais e universais do Cristianismo. O preterismo foi criado por John Hentenius em 1547, mas o jesuíta português Luís de Alcazar (1554-1613) o desenvolveu mais plenamente.

      Curiosamente o Vaticano não tem uma posição oficial sobre isso, é por essa razão que há tantos católicos preteristas e também não poucos futuristas. Ainda assim, é intrigante ver tantos católicos defendendo essa linha escatológica tão ferrenhamente com unhas e dentes como se fosse uma doutrina oficial da Igreja Romana, quando nunca foi ensinada oficialmente por algum papa ou pelo magistério romano. Ao contrário, há um INDÍCIO (indício, e não "prova" ou "posicionamento oficial") de que o Catecismo Católico ensina o futurismo, pois diz que o mistério da iniquidade AINDA ESTÁ PARA SER DESVENDADO, diferentemente dos preteristas que afirmam que JÁ FOI desvendado e que se trata de Cezar Nero. Vejamos o que diz o Catecismo Católico a este respeito:

      §675 Antes do advento de Cristo, a Igreja deve passar por uma provação final que abalar a fé de muitos crentes. A perseguição que acompanha a peregrinação dela na terra desvendará o "mistério de iniquidade" sob a forma de uma impostura religiosa que há de trazer aos homens uma solução aparente a seus problemas, à custa da apostasia da verdade.

      Veja que o catecismo deixa entender que a grande apostasia, o mistério da iniquidade e a grande tribulação são EVENTOS FUTUROS, e então os vários católicos preteristas estariam ensinando algo contrário à sua própria Igreja!

      Mesmo assim, como disse, a Igreja Católica faz questão de ser vaga a este respeito, e pouco fala sobre isso, abrindo assim espaço à livre interpretação da Bíblia que eles tentam rejeitam quando se trata de evangélicos fazendo o mesmo, e alguns interpretam o Apocalipse de forma preterista e outros de forma futurista.

      Um abraço.

      Excluir
  4. Está aí meu irmão, como prometido. Foi feita uma boa revisão do texto.

    http://agrandecidade.com/2013/09/01/onde-estava-o-apostolo-joao/

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Glória a Deus, Alon! A família Macabeus deve estar aos prantos neste momento...rs

      Excluir
    2. E existe outro problema enorme, Lucas; o Preterismo defende que João foi exilado em Patmos no início dos anos 60 dC enquanto Nero reinava, o que coincide com o tempo da prisão de Paulo e Pedro em Roma.

      Por que um foi para a Ilha de Patmos enquanto os outros dois permaneceram em Roma ate o martírio? Se João foi mesmo preso no governo de Nero por que não o enviaram também a Roma?

      João estava na mesma situação dos outros dois apóstolos quando diz: “... sou vosso irmão, e companheiro na aflição, e no reino, e paciência de Jesus Cristo, estava na ilha chamada Patmos, por causa da palavra de Deus, e pelo testemunho de Jesus Cristo”, Ap 1:9. O problema é que ele não menciona a prisão de Paulo ou Pedro, que segundo o preterismo estavam cativos em Roma na mesma época.

      João não citou os apóstolos Paulo e Pedro, que eram seus “companheiros na aflição, e no reino, e paciência de Jesus Cristo”, mas lembrou-se de um desconhecido Antipas que foi martirizado por sua fé. Enquanto isso, o mesmo tipo de amnésia ocorre com Paulo em Roma, o qual escreveu de sua prisão cinco cartas sem ao menos mencionar que o Apóstolo João estava exilado em Patmos.

      Estes são os obstáculos que o Preterismo precisa enfrentar com suas afirmações absurdas.

      Quer mais um problemão, Lucas?

      Veja esta declaração de Eusébio Pamphilio, no capítulo 18, Livro 3 de sua História da Igreja,

      “… o apóstolo e evangelista João, que ainda estava vivo, foi condenado a morar na ilha de Patmos, em consequência de seu testemunho à palavra divina…”.

      Percebeu algo?

      Tem ideia de quantos anos João tinha no inicio da década de 60? Considerando que quando Jesus o chamou ele ainda não havia passado dos 20 anos, sabemos então que em 60 dC ele talvez nem houvesse chegado aos 50!

      Todos os Apóstolos estavam vivos com exceção de Tiago, que foi morto por Herodes. Por que Eusébio daria essa ênfase comentando sobre João se todos os outros estavam vivos e João chegava a casa dos 50 anos? Simplesmente porque ele falava de um João que não havia sido martirizado como os outros, que já era um velho quando foi levado cativo para Patmos, o que ocorreu em 82 dC quando o Apóstolo contava com pelo menos 80 anos de idade.

      O problema é mais sério que se pode imaginar Lucas!


      Excluir
    3. Olá, Alon, perfeita as suas colocações! Os preteristas creem que João foi preso em Patmos quando adulto, tendo no máximo uns 50 anos, e os Pais da Igreja diziam que João já estava velho quando foi exilado para Patmos, o que derruba as teses preteristas do Apocalipse.

      Importante também foi ter ressaltado que, para os preteristas, João teria sido preso mais ou menos na mesma época que Pedro, Paulo e outros apóstolos foram presos por causa do testemunho de Jesus. Mas por que razão que todos estes outros foram aprisionados em Roma, e João, somente João, teria tido uma condenação tão diferente, mandado para tão longe, em Patmos? O que teria levado as mesmas autoridades romanas a darem um veredicto tão diferente para João em relação a todos os demais, se o motivo da condenação era exatamente o mesmo?

      A verdade é que quem condenou Pedro e Paulo foi Nero, e quem condenou João foi Domiciano, que tinha métodos diferentes, em épocas diferentes. Tudo isso fulmina com a tese de que o Apocalipse tenha sido escrito antes de 70 d.C.

      Um grande abraço!

      Excluir
  5. Esse detalhe merece ser repetido

    Por que alguém diria que um homem em torno de 48 a 50 anos "AINDA ESTAVA VIVO", quando foi exilado?

    Eusébio Pamphilio declara sobre João,

    “… o apóstolo e evangelista João, que ainda estava vivo, foi condenado a morar na ilha de Patmos, em consequência de seu testemunho à palavra divina…”.

    Se fosse em 60 dC com dez Apostolos ainda vivos, ele não faria essa declaração. Em 82 dC sim, João era o unico que AINDA ESTAVA VIVO.

    Lembranças ao Macabeus

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, o Macabeus voltou, e pelo jeito estava morrendo de saudades de mim, pois não para de escrever sobre mim no site dele, por dentro deve estar chorando por ver o tão amado preterismo dele sendo sistematicamente exterminado pela Bíblia e pela história. Que descanse em paz.

      Excluir
  6. Em resposta ao Macabeus que me chamou no site dele de "o mais mentiroso da história do protestantismo", por supostamente ter alterado dados de acessos do site (risos).

    1) É uma pena que eu não tenha tempo para criar um artigo sobre isso, onde eu desmascaro novamente as sandices da sua turminha, mas como você insiste tanto assim em um print onde eu mostro o número de acessos (que você disse que não passa de 600 mil) aqui está:

    http://imageshack.us/a/img690/3724/aybs.png

    Pois é, Macabeus, o meu site realmente não chega a 600 mil acessos, ele tem apenas UM MILHÃO E MEIO de acessos, puxa vida como eu sou mentiroso!

    O mais engraçado de tudo isso é que você, que já admitiu publicamente que é um semi-analfabeto (o que eu respeitaria, se demonstrasse humildade), provou mais uma vez isso ao mostrar que NÃO SABE LER UM TEXTO SIMPLES E MUITO MENOS INTERPRETÁ-LO, pois lá eu deixei muito bem claro que o número se tratava da quantidade de PAGEVIEWS e não apenas dos acessos à página inicial do site, mas é difícil explicar isso para um ignorante que não sabe LER, quanto menos interpretar algo.

    Mas, como eu disse, eu tenho coisas muito mais importantes a fazer do que botar o seu nome em tudo quanto é lugar na página inicial do meu site, como você faz comigo, deixando um ano inteiro uma matéria sobre mim como página inicial e agora que voltou publicou dois artigos (os dois sobre mim) e mais um recado. Embora eu tenha que agradecer o fato de que você está gentilmente contribuindo para aumentar significativamente o número de acessos do meu blog, eu tenho lamentavelmente que dizer que não irei retribuir a mesma gratidão, pois você não é tão importante assim, não vale a pena desperdiçar meu tempo com coisa tão insignificante.

    Um abração, Macabeus, Deus te abençoe!

    ResponderExcluir
  7. Lucas, nao se preocupe não, é assim mesmo: Se você refuta algum católico de forma nunca feita antes, o mínimo que ele vai fazer é lhe transformar num bicho.

    Bem, tenho aqui algo para o Macabeus. Gostaria que ele nos dissesse quando morreu Antipas, o mártir da Igreja de Pérgamo,

    Apoc 2:12,13 E ao anjo da igreja que está em Pérgamo escreve: Isto diz aquele que tem a espada aguda de dois fios: Conheço as tuas obras, e onde habitas, que é onde está o trono de Satanás; e reténs o meu nome, e não negaste a minha fé, ainda nos dias de Antipas, minha fiel testemunha, o qual foi morto entre vós, onde Satanás habita.

    Atente para este detalhe: “... ainda NOS DIAS de Antipas... o qual foi morto entre vós”.

    Parece que o texto quer dizer que Antipas havia sido martirizado alguns ( não poucos ) anos num passado distante. O que quero mostrar com isso, é que se João escreveu as cartas para as sete Igrejas em 62 ou 63 dC, como afirma Macabeus e sua turma, então deve significar que os “dias de Antipas” podem ser localizados na década de 50 dC. A Asia, onde estava localizada as sete Igrejas, não havia ouvido a Palavra de Deus até 55 dC,

    Atos 19: 9,10 Mas, como alguns deles se endurecessem e não obedecessem, falando mal do Caminho perante a multidão, retirou-se deles, e separou os discípulos, disputando todos os dias na escola de um certo Tirano. E durou isto por espaço de dois anos; de tal maneira que todos os que habitavam na Ásia ouviram a palavra do Senhor Jesus, assim judeus como gregos.

    A terceira viagem missionária de Paulo ocorreu nos anos 53 a 58. Nesse tempo Paulo passou por Éfeso, como diz o texto acima, indo em seguida para Jerusalém, onde foi preso e enviado a Roma. Provavelmente a Igreja de Pergamo nem existia na década de 50. E se ela não existia, então não havia um Antipas que foi morto entre eles.

    Se alguém me disser que a Igreja de Pergamo foi fundada bem rápido, logo após a mensagem de Paulo que alcançou toda a Asia, vai ter que explicar como pode uma Igreja recém nascida acumular tantas heresias num curtíssimo espaço de tempo,

    14 Mas algumas poucas coisas tenho contra ti, porque tens lá os que seguem a doutrina de Balaão, o qual ensinava Balaque a lançar tropeços diante dos filhos de Israel, para que comessem dos sacrifícios da idolatria, e se prostituíssem.

    15 Assim tens também os que seguem a doutrina dos nicolaítas, o que eu odeio.

    16 Arrepende-te, pois, quando não em breve virei a ti, e contra eles batalharei com a espada da minha boca. Apocalipse 2

    Mas indo ao que interessa, queria apenas que o Macabeus achasse a data do martírio de Antipas...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Alon, não creio que o Macabeus vá refutar algo não, agora ele está mais preocupado em se passar de "vítima", dizendo estar sendo "perseguido" no site dele (ele que sempre xingou os evangélicos dos piores nomes possíveis), é de cair na gargalhada mesmo.

      Excluir
    2. Lucas, o problema é que ele não refuta nada, mas avisou que já respondeu todos os argumentos contrários aos do site dele. O ponto de vista do Macabeus coloca grandes profecias no passado, o que é estupidamente baseado no pressuposto de que João escreveu o Apocalipse antes da queda de Jerusalém em 70 dC. Agora, veja você – e já foi mostrado antes aqui – que a história reclama a morte de Antipas na década de 90, como testifica um site católico.

      http://www.catholic.org/saints/saint.php?saint_id=1474

      Um site ortodoxo afirma mesma coisa,

      http://ecclesia.com.br/sinaxarion/?p=3694

      Então, me aparece o Macabeus afirmando de pezinhos juntos que o Apóstolo João escreveu sobre a morte Antipas no ano 63 dC!!! Entende, Lucas? A história, através também de um site católico, testifica que Antipas foi martirizado em 90 dC, mas tem uma turma de preteristas católicos por aqui dizendo que não!

      Voce já viu alguém escrever que outro alguém já está morto, e isso trinta anos dele morrer? Olha aqui,

      “... ao anjo da igreja que está em Pérgamo escreve: Isto diz aquele que tem a espada aguda de dois fios: Conheço as tuas obras, e onde habitas, que é onde está o trono de Satanás; e reténs o meu nome, e não negaste a minha fé, ainda nos dias de Antipas, minha fiel testemunha, o qual foi morto entre vós, onde Satanás habita”.

      Viu que coisa mais maravilhosa, Lucas? Entende-se porque o Macabeus e sua família ficam tão aborrecidos com argumentos contrários à sua visão; se apocalipse foi escrito durante o reinado de Domiciano, então, tudo que eles pregaram até agora DESMORONA!

      Excluir
    3. Pois é, Alon, o sujeito não refuta nada, só xinga e vomita palavras de ódio e preconceito no site dele, e depois ainda diz que "está tudo refutado". Onde? Na cabeça psicopata dele? Todas as evidências históricas absolutamente atestam que João só foi banido para a ilha de Patmos (onde teve as visões e começou a escrever o Apocalipse) NO REINADO DE DOMICIANO, e pior, João ainda deixa implícito que escrevia o Apocalipse depois que já tinha saído da ilha, pois diz que "ESTAVA" na ilha de Patmos, o que indica que já não estava naquele momento.

      Ora, TODOS os Pais da Igreja atestam unanimemente que João só saiu da ilha em 95 d.C, no final do reinado de Domiciano, o próprio Catecismo Católico diz que é proibido ir contra o consenso unânime dos Pais, e mesmo assim este cidadão cospe nos escritos dos Pais e afirma que foi antes! Ou seja, devemos desprezar o testemunho histórico daqueles que viveram bem perto da época em que o Apocalipse foi escrito, como Irineu de Lyon, e crer em um psicopata chamado Cristiano Macabeus? Faz-me rir...

      Abraço!

      Excluir
  8. mto bom seu blog!!! favor dê uma olhada no que esse pastor prega. kkkk(Jesus não voltará em breve! https://www.youtube.com/watch?v=05JGqvidC74

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei quantos anos de teologia esse "pastor" fez para chegar a conclusão de que "Jesus não voltará". Daqui mais alguns anos de "estudo" ele vai chegar à conclusão de que não existe ressurreição, e mais alguns "estudos" e vira ateu de uma vez. Pelo menos alguém como ele seria mais útil do lado de fora da Igreja do que atacando pelo lado de dentro. E ele ainda tem coragem de dizer a frase "em nome de Jesus" no vídeo dele. Ridículo.

      Abraços!

      Excluir

Seu comentário será publicado após passar pela moderação. Ofensas, deboches, divulgação de páginas católicas (links), control c + control v e manifestações de fanatismo não serão aceitos. Todos os tipos de perguntas educadas são bem-vindas e serão respondidas cordialmente. Caso o seu comentário ainda não tenha sido liberado dentro de 24h, é possível que ele não tenha chegado à moderação, e neste caso reenvie o comment.