12 de setembro de 2015

Quem é a mulher de Apocalipse 12?


A identificação da “mulher” de Apocalipse 12 tem sido alvo de constante debate. Três linhas de interpretação têm sido propostas na tentativa de resolver a questão. A primeira identifica a mulher como sendo a Igreja (interpretação mais comum entre os amilenistas). A segunda identifica a mulher como sendo Israel (interpretação mais comum entre os dispensacionalistas). E a terceira identifica a mulher como sendo Maria (interpretação oficial da Igreja Romana).

Linha 1
Linha 2
Linha 3
A mulher é a Igreja
A mulher é Israel
A mulher é Maria
  
Dado o caráter altamente alegórico do livro, a terceira linha tem sido considerada a menos provável. Isso porque ela implicaria em uma linguagem de caráter mais literal que não condiz com o teor geral do livro, que trabalha por meio de figuras de linguagem e simbolismos por toda a parte. Embora em sentido literal quem deu à luz a Jesus foi Maria, o Apocalipse não é de modo algum um livro que pretende trazer as coisas no sentido literal. As revelações de João eram altamente alegóricas, o que nos evita pensar que Maria realmente estivesse “gritando de dor” quando deu a luz a Jesus:

“Apareceu no céu um sinal extraordinário: uma mulher vestida do sol, com a lua debaixo dos seus pés e uma coroa de doze estrelas sobre a cabeça. Ela estava grávida e gritava de dor, pois estava para dar à luz” (Apocalipse 12:1-2)

Além disso, nenhum elemento que consta no verso 1 se aplica claramente a Maria. A mãe de Jesus nunca é descrita na Bíblia como sendo vestida do sol. Em parte alguma é dito que ela tem a lua debaixo dos seus pés. E em lugar nenhum é declarado que ela tem doze estrelas na cabeça. Levando em consideração que uma das principais características de João era pegar ilustrações e conceitos presentes no Antigo Testamento e trazê-los para seu livro, seria extremamente estranho se ele trouxesse tantos conceitos inexistentes na literatura bíblica para identificar a mãe de Jesus. Isso no máximo confundiria, não ajudaria. Faria com que as pessoas procurassem por um paralelo bíblico, sem encontrar nada. Ou pior: que chegassem ao local errado.

O verso 6 é outro problema para os que pensam que se trata de Maria:

“A mulher fugiu para o deserto, para um lugar que lhe havia sido preparado por Deus, para que ali a sustentassem durante mil duzentos e sessenta dias” (v. 6)

Mil duzentos e sessenta dias é o equivalente a três anos e meio, que é reconhecidamente a primeira metade da grande tribulação (que no total dura sete anos). Mas não faz sentido algum a pessoa de Maria ser perseguida durante a primeira metade da grande tribulação. Talvez os apologistas católicos interpretem os três anos e meio figurativamente, mas ainda assim não há nenhum relato bíblico de Maria fugindo para o deserto. Nada parece fazer sentido algum se interpretado à maneira “mariana”.

A parte final do capítulo é a que menos faz sentido dentro da perspectiva mariana:

“Quando o dragão viu que havia sido lançado à terra, começou a perseguir a mulher que dera à luz o menino. Foram dadas à mulher as duas asas da grande águia, para que ela pudesse voar para o lugar que lhe havia sido preparado no deserto, onde seria sustentada durante um tempo, tempos e meio tempo, fora do alcance da serpente. Então a serpente fez jorrar da sua boca água como um rio, para alcançar a mulher e arrastá-la com a correnteza. A terra, porém, ajudou a mulher, abrindo a boca e engolindo o rio que o dragão fizera jorrar da sua boca. O dragão irou-se contra a mulher e saiu para guerrear contra o restante da sua descendência, os que obedecem aos mandamentos de Deus e se mantêm fiéis ao testemunho de Jesus” (Apocalipse 12:13-17)

Note que a descendência da mulher não são os que guardam o “testemunho de Maria”, mas os que guardam o testemunho de Jesus. Se a descendência da mulher fossem os devotos de Maria, como alegam os teólogos romanos, seria imprescindível que esses descendentes fossem os “servos de Maria”, como os mariólogos se intitulam. Mas, ao que tudo indica, essa descendência da mulher só guardava os mandamentos de Deus e se mantinham fieis ao testemunho de Jesus. Não tinham nenhuma devoção especial à “mulher” em si.

Por outro lado, a Linha 1 sofre de um problema crônico: se a mulher é a Igreja, como pode a Igreja ter dado a luz a Cristo? Embora Paulo tenha dito que em certo sentido os cristãos “geram” Jesus (Gl.4:19), aqui parece se adequar muito mais a Israel do que à Igreja. E o que torna a Linha 2 ainda mais evidente são todas as descrições específicas que são feitas no verso 1. Leiamos novamente:

“Apareceu no céu um sinal extraordinário: uma mulher vestida do sol, com a lua debaixo dos seus pés e uma coroa de doze estrelas sobre a cabeça” (v. 1)

Onde mais achamos um relato do sol, da lua e de doze estrelas? Já vimos que sobre a pessoa de Maria isso não aparece em lugar nenhum. Sobre a Igreja também não. Mas sobre Israel há uma descrição bem específica – na verdade, é a única parte da Bíblia onde estes três elementos aparecem juntos, no mesmo contexto:

“E teve José outro sonho, e o contou a seus irmãos, e disse: Eis que tive ainda outro sonho; e eis que o sol, e a lua, e onze estrelas se inclinavam a mim” (Gênesis 37:9)

No sonho de José, ele via o sol, a lua e onze estrelas (em Apocalipse 12 estão doze estrelas, porque inclui o próprio José, que era uma das doze tribos de Israel). O sol representava seu pai Jacó (Gn.37:10). Deus deu a Jacó o nome de Israel (Gn.35:10). A lua representava sua mãe Raquel, e as onze estrelas representavam cada um de seus onze irmãos (Gn.37:10), dos quais temos as tribos de Israel. Em outras palavras, toda a simbologia que envolve o sol, a lua e as doze estrelas têm como plano de fundo um mesmo significado: Israel. É por isso que aparecem “doze” estrelas, porque doze eram as tribos de Israel. 

Israel é retratado alegoricamente inúmeras vezes como uma "mulher" no Antigo Testamento (Jr.3:8; Ez.23:1-22; 16:28; 16:24), e Paulo ilustra Israel como uma "mulher" em Gálatas 4:22-25. Isaías faz ainda uma descrição sobre Israel que é enormemente semelhante a Apocalipse 12:2:

"Como a mulher grávida, quando está próxima a sua hora, tem dores de parto, e dá gritos nas suas dores, assim fomos nós diante de ti, ó Senhor!" (Isaías 26:17)

O verso 2 de Apocalipse 12 diz que a mulher (Israel) estava grávida do Messias (v.5), que de fato provém de Israel, mais especificamente da tribo de Judá (Hb.7:14). Então o dragão persegue a “mulher”, que foge para o deserto. A imagem do deserto também está diretamente relacionada a Israel ao longo de toda a sua trajetória. Foi no deserto que Israel peregrinou por quarenta anos, em busca da terra prometida. Mesmo depois de alcançar a terra de Canaã, os profetas continuavam frequentemente associando Israel à figura do deserto, seja como lembrança ou como advertência (Jr.2:6; 31:2; Ez.20:10; Am.2:10; Sl.136:16; 2Cr.24:9).

A perseguição do dragão contra a mulher se manifesta até hoje. Basta ver a quantidade gigantesca de antissemitas que existe em nosso mundo, mesmo quando este antissemitismo vem mascarado sob a forma de antissionismo. Ninguém foi tão perseguido na história quanto o povo judeu. Eles foram escravos no Egito, prisioneiros na Babilônia, dominados pelo império romano, suas terras foram tomadas por várias vezes, foram perseguidos e massacrados aos milhões por Hitler, e até hoje existe um enorme antissemitismo no mundo inteiro. O dragão nunca deixou de perseguir a “mulher”!

O relato bíblico prossegue dizendo que Deus continua ajudando Israel (Ap.12:14-16), confirmando Paulo quando disse que Deus não rejeitou o seu povo (Israel), em Romanos 11:2. Paulo chama Israel de “povo de Deus” e diz que Ele não o rejeitou, e é somente isso que explica o porquê que Israel ainda não foi tirado do mapa, mesmo com tanta perseguição que já sofreu até hoje, e com tantos inimigos hostis à sua volta. Mas o diabo também tem um outro inimigo além de Israel. Além de guerrear contra a “mulher” (Israel), ele também luta contra “os seus descendentes”:

“O dragão irou-se contra a mulher e saiu para guerrear contra o restante da sua descendência, os que obedecem aos mandamentos de Deus e se mantêm fiéis ao testemunho de Jesus” (Apocalipse 12:17)

Quem são os “descendentes” de Israel? Obviamente, os descendentes de Israel não podem ser o próprio Israel. Tem que ser outra coisa. Biblicamente, a resposta é simples: a Igreja. A Igreja é chamada de o “Israel de Deus” (Gl.6:16), a descendência espiritual de Abraão (Gl.3:7), os filhos da promessa (Gl.4:28). A Igreja surge a partir de um contexto judaico, com um líder judeu que tinha doze discípulos judeus, que se reuniam no templo de Jerusalém (At.2:46) e eram chamados de “seita dos nazarenos” (At.24:5), considerada uma facção do judaísmo.

Sim, a Igreja “descende” de Israel, e é por isso que Paulo diz que a Igreja foi “enxertada” na oliveira de Israel:

“Afinal de contas, se você [cristão] foi cortado de uma oliveira brava por natureza e, de maneira antinatural, foi enxertado numa oliveira cultivada, quanto mais serão enxertados os ramos naturais [israelitas] em sua própria oliveira?” (Romanos 11:24)

E para deixar claro que esta Igreja não é uma instituição religiosa de placa A ou B, João a define como sendo “os que obedecem aos mandamentos de Deus e se mantêm fieis ao testemunho de Jesus” (v.17), ou seja, os verdadeiros cristãos, os devotos de Jesus. Portanto, a lição primordial que temos em Apocalipse 12 é que tanto Israel quanto os verdadeiros cristãos estão na mira do dragão, que os perseguirá implacavelmente na grande tribulação, assim como já persegue até hoje. A razão pela qual israelitas e crentes genuínos permanecem existindo até hoje é somente pela proteção especial de Deus nos momentos mais difíceis:

“Então a serpente fez jorrar da sua boca água como um rio, para alcançar a mulher e arrastá-la com a correnteza. A terra, porém, ajudou a mulher, abrindo a boca e engolindo o rio que o dragão fizera jorrar da sua boca” (Apocalipse 12:15-16)

Se não fosse por isso, os judeus e os cristãos sinceros já teriam sido dizimados há muito, muito tempo.

Paz a todos vocês que estão em Cristo.

Por Cristo e por Seu Reino,
Lucas Banzoli (www.lucasbanzoli.com)


-Meus livros:

- Veja uma lista completa de livros meus clicando aqui.

- Acesse o meu canal no YouTube clicando aqui.


-Não deixe de acessar meus outros sites:

LucasBanzoli.Com (Um compêndio de todos os meus artigos já escritos)
Apologia Cristã (Artigos de apologética cristã sobre doutrina e moral)
O Cristianismo em Foco (Artigos devocionais e estudos bíblicos)
Desvendando a Lenda (Refutando a imortalidade da alma)
Ateísmo Refutado (Evidências da existência de Deus e veracidade da Bíblia)
Estudando Escatologia (Estudos sobre o Apocalipse)
Fim da Fraude (Refutando as mentiras dos apologistas católicos)

51 comentários:

  1. Ótimo artigo, Lucas! O antissemitismo tem que sair do meio do povo que diz amar o messias Judeu!

    Dionatan.

    ResponderExcluir
  2. Eu não sei ainda como os apologistas do catolicismo conseguem escrever depois de assistir a tantos artigos bons como este.

    Apenas uma coisa me passa pela cabeça: provavelmente eles não se interessam em ler o que os evangélicos escrevem. Eles continuam sobrevivendo como se nada tivesse acontecido ...

    Bom trabalho, Lucas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lucas, você afastou a possibilidade de Maria ser a mulher descrita em Apocalipse 12 por que o texto é literal? E por isso deve ser dada preferência a textos simbólicos? Acho que seria o contrário, se você tem um texto simbólico, este deve ser afastado para dar preferência sempre ao literal. Você estipulou este critério e depois seguiu a diante. Simplesmente você excluiu qualquer possibilidade de Maria ser a Mulher de Apocalipse 12 e depois disse que ela não é a mulher em Apocalipse 12.

      Excluir
    2. Não, bobinho. Eu disse que o texto não é literal porque todo o contexto não é literal, você é cego? Quando João diz que viu um "dragão", ele não se referia a um dragão literalmente, mas a Satanás. Da mesma forma, quando João viu uma "mulher", ele não se referia a uma mulher literalmente, mas a Israel. NADA, absolutamente NADA do que João descreve em Apocalipse 12 tem a ver com Maria. Nem o sol, nem a lua, nem as doze estrelas, nem a fuga para o deserto, nada, nada, nada. E "coincidentemente", TUDO ISSO tem a ver com Israel. E "coincidentemente" também, estamos tratando aqui de um livro fundamentalmente alegórico, onde João pegava verdades veterotestamentárias e as aplicava em seu livro de forma simbólica, mas que os receptores originais podiam entender, porque eles liam as Escrituras da época. Essa interpretação de que a mulher de Ap.12 é Maria é a mais ridícula, mais risível e mais delirante de todas as que eu já vi. Só podia vir de mariólatras mesmo.

      Excluir
    3. Gosto muito das interpretaçoes de Lucas Bazone, eu e ele temos muito em comum. OBRIGADO LUCAS!

      Excluir
  3. Mas tem uma coisa boa nisso tudo - quanto
    mais eles escrevem, mais nos refutamos. Isso significa que existem milhares de leitores católicos tendo acesso aos nossos textos e deixando o catolicismo aos montes. Eles caem igual pencas de uvas.

    Os apologistas católicos apenas servem para tirar seu povo da Igreja Romana - eles provocam para que os refutemos, o que, por sinal, fazemos muito bem feito. Com o Orkut foi a mesma coisa; acabamos com as
    Comunidades católicos, pois não havia mais católicos para defender os chefes moderadores e proprietários. Até mesmo bem antes do Orkut fechar havia comunidades católicas sendo oferecidas por causa do abandono. Outras, estavam entregues as baratas e algumas nem aguentavam caminhar.

    Agora nos vamos acabar com
    O site de cada um deles.

    Ficarão abandonados!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O simples fato da apologética católica ser comandada por gente do naipe de Paulo Leitão, Cris Macabeus, Rafael Rodrigues e Fernando Nascimento já mostra uma coisa: decadência. Lixo total. Aí não tem nem graça refutar.

      Excluir
  4. Magnifico artigo meu amigo Lucas, Mais fiquei bastante curioso com o artigo que trouxe sobre Richard Whately arcebispo Episcopal SOBRE OS ERROS DO CATOLICISMO RASTREADOS PAR SUA ORIGEM NA NATUREZA HUMANA. Espero que o amigo tenha conseguido o livro,seria interessante repassá-lo para nós com a sua opinião, se possível é claro. Um abraço do amigo de sempre Marcos Monteiro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Marcos, a paz. Eu procurei no archive.org, mas não achei o livro. Se você puder me enviar por e-mail em anexo (lucas_banzoli@yahoo.com.br) eu agradeço. Fique com Deus!

      Excluir
  5. Boa tarde Lucas, mais um excelente artigo, parabéns.

    Dando mais luz ao seu excelente artigo, permita-me, fazer um comentário:

    Para reforçar a segunda linha(que é a que eu defendo), no texto, temos o arcanjo Miguel, batalhando contra o dragão e seus anjos, este arcanjo, sempre foi designado, como o protetor oficial do povo de Israel.

    Grande Abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem lembrado, Neilom. Não tinha notado este detalhe.

      Abraços!

      Excluir
  6. Eu estava lendo este artigo outra vez e me veio algo interessante sobre dois dos mais importantes santos católicos para o catolicismo, Maria e Pedro.

    Quanto a Maria lembrei-me de dois pontos: se ela é mesmo Medianeira por que não foi usada como tal para as revelações nos momentos de perigo que a família corria nas mãos de Herodes quando Jesus ainda era um menino, mas o mediador das visões e revelações para a família foi José?

    Outra coisa interessante: quando ela estava aos pés da cruz Jesus nada disse a ela que estaria no céu com ele!

    MAS DISSE AO LADRAO!

    E quanto a Pedro?

    O discípulo amado não foi o PAPA!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não faz isso com eles, senão o cérebro deles pifa. Não exija raciocínio.

      Excluir
  7. Desculpe-me, mas o texto, embora bem escrito, emite tão somente a opinião do autor sobre o referido assunto. Ou seja, é nada mais que interpretação particular. Carece de fontes alheias ao próprio autor, o que acaba comprometendo a sua legitimidade.
    Em se tratando de opiniões pessoais, o autor parte de uma premissa que ao meu ver é totalmente falha: a analogia entre a mulher, Israel e os judeus, principalmente quando tenta comparar a perseguição do dragão ao suposto fato de que os judeus seriam o povo mais perseguido da História.
    O primeiro equívoco é teológico: há inúmeras passagens do Novo Testamento que mostram a rejeição dos judeus a Cristo e a perda do título de povo eleito. Portanto, não podem ser os judeus os descendentes da mulher... estes descendentes agora são os cristãos.
    O segundo erro é histórico: os judeus não são nem de longe o povo mais perseguido do mundo. Eles foram perseguidos e perseguidores, como ocorreu com tantos outros povos. Lembremo-nos que pela perseguição judaica foram mártires Santo Estevão, São Tiago, São Policarpo... o próprio Jesus. No decurso da História outros povos sofreram perseguições bem mais severas que os judeus (e.g., ciganos). Nos dias atuais, os cristãos católicos e ortodoxos sofrem muito mais perseguições que os judeus (basta observar o que ocorre no Oriente Médio, na China etc.).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Carece de fontes alheias? Ou você é intelectualmente desonesto, ou é ignorante mesmo. Existe milhares e milhares de teólogos que defendem a Linha 1, milhares e milhares de teólogos que defendem a Linha 2, e milhares e milhares de teólogos que defendem a Linha 3. Eu poderia citar centenas deles no artigo, mas pensei que isso era tão óbvio que não iria aparecer nenhum Zé Mané resmungando pela ausência de “fontes”. Por isso fui direto aos ARGUMENTOS.

      A sua refutação “teológica” é falha. O povo judeu rejeitou a Cristo, mas NÃO DEIXOU de ser considerado “povo de Deus”. Paulo chama Israel de “povo de Deus” em Romanos 11:2, e diz ainda que no fim dos tempos “todo Israel será salvo” (Rm.11:26), demonstrando que Deus não deixou Israel pra trás, mas ainda tem um plano para com ele.

      A sua refutação “histórica” é mais falha ainda. É uma piada quando você disse que Policarpo foi morto pelos judeus? Só pode. Policarpo foi morto pelos romanos, assim como todos os outros cristãos que foram perseguidos a partir do século II em diante. Apenas na primeira metade do século I é que houve perseguição judaica contra os cristãos. Você está completamente fora de sintonia com a História.

      Os católicos sofrem mais perseguição que os judeus? Você está vendo alguém aqui com nariz de palhaço? Quem foi que criou o tribunal do santo ofício para matar o outro? Quem perseguiu o outro? Quem forçava a conversão do outro? A Igreja Católica perseguiu os judeus por MAIS DE UM MILÊNIO, criava concílio atrás de concílio para restringir cada vez mais os direitos civis do povo judeu, forçava a fuga deles para os países protestantes por causa da inquisição, e o cara de pau me diz que os católicos que eram os coitadinhos perseguidos? Cinismo total. Se você não for preguiçoso intelectual, leia estes artigos e refute-os:

      http://www.resistenciaapologetica.com/2015/03/nazismo-inquisicao-protestante-e-o.html

      http://www.resistenciaapologetica.com/2015/08/demolindo-as-mentiras-do-fernando-nasicmento-sobre-lutero-e-o-protestantismo.html

      http://www.resistenciaapologetica.com/2015/09/o-revisionismo-hipocrita-do-catolicismo-em-torno-do-antissemitismo.html

      Nenhuma denominação cristã na história perseguiu tanto quanto o catolicismo romano, e nenhum povo na história foi tão perseguido quanto os judeus. E antes que você seja suficientemente canalha ao ponto de tentar “refutar” isto alegando que na história houve mais católicos mortos do que judeus (por causa do comunismo, que matava indiscriminadamente as pessoas de QUALQUER religião que fosse), tenha um mínimo de sanidade mental e faça a PROPORÇÃO do número de assassinados EM RELAÇÃO à quantidade de pessoas existentes. Hitler sozinho exterminou 6 milhões de judeus, sem falar de todos os outros que foram exterminados pelos regimes comunistas.

      Você deveria lavar a boca antes de falar dos judeus, e se arrepender amargamente por ter colocado a Igreja Católica no rol dos “perseguidos”.

      Excluir
    2. Se você reparar lucas,ele concordou que os descendentes da mulher são a igreja e nem percebeu ...

      Excluir
  8. Pq quando VC refuta eles , eles somem e nunca entrao no debate? Rsrs

    ResponderExcluir
  9. Apocalipse 12:17 ''E o dragão foi fazer guerra contra os filhos da mulher, aqueles que guardam os mandamentos de Deus e mantém vivos o testemunho de Jesus.''

    Ora, se o povo de Israel rejeitou e negou Jesus, como pode manter vivo os testemunhos de Jesus? 1 Ts 2,15

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você sabe ler???

      O texto não diz que a MULHER mantém o testemunho de Jesus, mas sim OS FILHOS da mulher. Isso eu já expliquei no artigo que você não leu:

      Quem são os “descendentes” de Israel? Obviamente, os descendentes de Israel não podem ser o próprio Israel. Tem que ser outra coisa. Biblicamente, a resposta é simples: a Igreja. A Igreja é chamada de o “Israel de Deus” (Gl.6:16), a descendência espiritual de Abraão (Gl.3:7), os filhos da promessa (Gl.4:28). A Igreja surge a partir de um contexto judaico, com um líder judeu que tinha doze discípulos judeus, que se reuniam no templo de Jerusalém (At.2:46) e eram chamados de “seita dos nazarenos” (At.24:5), considerada uma facção do judaísmo.

      Sim, a Igreja “descende” de Israel, e é por isso que Paulo diz que a Igreja foi “enxertada” na oliveira de Israel:

      “Afinal de contas, se você [cristão] foi cortado de uma oliveira brava por natureza e, de maneira antinatural, foi enxertado numa oliveira cultivada, quanto mais serão enxertados os ramos naturais [israelitas] em sua própria oliveira?” (Romanos 11:24)

      E para deixar claro que esta Igreja não é uma instituição religiosa de placa A ou B, João a define como sendo “os que obedecem aos mandamentos de Deus e se mantêm fieis ao testemunho de Jesus” (v.17), ou seja, os verdadeiros cristãos, os devotos de Jesus. Portanto, a lição primordial que temos em Apocalipse 12 é que tanto Israel quanto os verdadeiros cristãos estão na mira do dragão, que os perseguirá implacavelmente na grande tribulação, assim como já persegue até hoje.

      É cada um que me aparece...

      Excluir
  10. "NADA, absolutamente NADA do que João descreve em Apocalipse 12 tem a ver com Maria." E "Dado o caráter altamente alegórico do livro, a terceira linha tem sido considerada a menos provável"
    Em Apocalipse 12 o FILHO VARÃO é literalmente JESUS. Em toda essa linguagem simbólica há espaço para vermos uma figura como de fato ela é naturalmente: o filho que nasceu, foi levado aos céus, e regerá as nações com cetro de ferro, etc. fará isso tudo. Invalida sua posição acima da argumentação sobre o "caráter altamente alegórico" do livro. Que dizer?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas é óbvio que é alegórico. Sendo a "mulher" Israel, Jesus é um "filho" apenas em sentido figurado, isto é, no sentido de VIR de Israel, mas Israel não é uma mãe literal de Jesus. É a interpretação literalista e anti-exegética que afirma que a mulher é a mãe de Jesus, literalizando um livro fundamentalmente alegórico.

      Excluir
    2. Não atingiu o ponto. É um fato que o conteúdo do Ap é de sinais. Mas o sinal do FILHO foi realmente um FILHO. Isso sugere que a MULHER pode sim ser uma MULHER. Não há necessariamente nada que invalide isso.

      Excluir
    3. Filho ALEGORICAMENTE. Você já viu alguém ser filho de uma NAÇÃO, literalmente?

      Excluir
    4. Oi Lucas.
      .
      O conflito do cidadão acima é que ,TALVEZ ,vc nao percebeu,,mas é pq ele tenta sustentar a mentira de que Apocalipse 12 se refere à Maria,, por que é uma extensão de outra mentira da Igreja Católica,a de Genesis 3:15.
      .
      È por isso que o cidadão acima nao pode deixar de crêr que Apocalipse 12 nao seja em relação à Maria,,ele precisa crêr que se trata de Maria,,por que caso contrário ele é obrigado a desacreditar TAMBÈM na mentira ensinada pela igreja Católica e Pe. Paulo Ricardo sobre Genesi 3:15 9(onde Maria pisa na cabeça da serpente)),,,e mais,,,O cidadão necessita desesperadamente associar à Maria o Apocalipse 12,,,pois ele quer crer que sendo ela a tal eles sao descendencia dela ((porem nao fala dos que guardam os mandamentos dela e sim de Jesus))e isso é mais um atrativo para ADORÁ-LA,(a neura deles é essa,motvos para ADORÁ-LA de todo jeito). E se nao acreditarem assim,,teriam que abandonar as mentiras da Igreja Católica em relaçao à Gnesis 3:15 e assim nao poderiam caluniar mais, dizendo ser filho da serpente os Protestantes!! Essa é a neura do cidadão acima.
      .
      Abraços Lucas. Deus e abençoe!!!! E continue na missão de defendr o Evangelho e a História. Deus é contigo!

      Excluir
    5. Concordo plenamente. A cegueira do cidadão infelizmente o impede de pensar.

      Abraços!

      Excluir
  11. De novo não atingiu o ponto. Não se trata da "relação" entre o filho e a mulher, mas antes da IDENTIDADE deles. Isso vem antes. Depois fala-se da relação, literal ou simbólica. O filho é realmente uma pessoa, literal. Dessa forma, a mulher pode ser também uma pessoa literal. Então, o filho é Jesus e a mãe é Maria.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quem não atingiu o ponto foi você. Você parte da premissa de que a mulher é Maria antes de investigar Apocalipse 12. Isso é ridículo, nenhum pesquisador sério age assim. A Bíblia muitas vezes se refere aos "FILHOS DE ISRAEL", que são pessoas literais de carne e osso assim como Jesus, e que no entanto são referidos como filhos de uma NAÇÃO, em vez de uma pessoa em especial. Mas se você quiser continuar sendo enganado, o problema é seu. Qualquer um tem o direito de se iludir para continuar crendo em suas fantasias com base em argumentos bobocas sem fundamento.

      Excluir
  12. Paz do Senhor irmãos e irmãs. Muito boa a interpretação aqui descrita, gostei! Que Deus o Eterno continue sempre com todos. Amém!

    ResponderExcluir
  13. Que Deus continue te abençoando lucas, nunca vi argumentos tão bem embasados biblicamente e historicamente. Como estudante da Bíblia e historiador fiquei realmente impressionado com todo o seu blog. continue com seu trabalho.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado por suas gentis palavras, Deus lhe abençoe igualmente!

      Excluir
  14. Gostaria da vossa opinião sobre a questão :"sobre esta pedra erguerei a minha igreja" .Porquê o feminino se todos os apóstolos eram masculinos ? Não seria lógico o termo "igrejo" ou para quem tem palas só vê em frente?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O feminino é porque Cristo falava DA declaração de fé de Pedro (um feminino), e não do próprio Pedro como pessoa (um masculino) ou de algum outro apóstolo. Sobre isso eu escrevi neste artigo:

      http://heresiascatolicas.blogspot.in/2014/01/estudo-exegetico-completo-sobre-mateus.html

      Excluir
  15. Quando ocorre o arrebatamento no apocalipse em sua visão Lucas ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, eu sou pós-tribulacionista, portanto creio que o arrebatamento ocorre depois da tribulação. Tenho um livro a respeito disso:

      http://lucasbanzoli.no.comunidades.net/meu-novo-livro-a-igreja-na-grande-tribulacao

      Abs.

      Excluir
  16. Parabéns Lucas Deus abeçoe sua vida e seu ministério

    ResponderExcluir
  17. Só tenho uma coisa a dizer vocês protestantes, principalmente pastores, a partir de hoje não podem orar para ninguém que esteja doente, precisando e um trabalho, com depressão e etc por que quando o fazem pedem a Jesus por aquela pessoa isso é INTERCESSÃO (se dizer que não esta sendo hipócrita, por que quando oram vocês não dizem: Senhor conceda isso ao ser filho que esta doente e ele mesmo que esta pedindo eu só estou repetindo) não, não as palavras vem da sua boca e você pedindo a Jesus por aquela pessoa, então pare por que você esta cometendo pecado gravíssimo. Mãe de Rei e o que mesmo? RAINHAAAAAAAA você tem que assumir Maria no MINIMO como RAINHA por que se não estará dizendo que Jesus não e rei. Deus fez maravilhas em Maria, o mundo não conhece estas maravilhas, por que é incapaz e indigno. QUER QUEIRA, QUER NÃO QUEIRA MARIA E MINHA MÃE, MARIA E MÃE DOS PROTESTANTES E MÃE DOS ATEUS. Ps: Venho de berço protestante e me converti a essa religião linda e que reconhece a mãe do Salvador. AMO MARIA POR QUE DEUS AMOU PRIMEIRO!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. “Maria, Maria, Maria, Maria, Maria, Maria, Maria, Maria....”

      Por que todo papista fanático parece um robozinho programado para apenas repetir “Maria isso, Maria aquilo”? O diabo é bem pouco criativo ou vocês que não sabem mudar o disco?

      Eu não sei o que é pior: alguém que equipara a intercessão de pessoas vivas por outras pessoas vivas com a reza a um defunto, ou alguém que apostata de uma religião que ensina que “nós amamos a Deus porque Ele nos amou primeiro” (1Jo 4:19), para uma que distorce vergonhosamente o texto e diz que nós amamos MARIA (???) porque Deus nos amou primeiro. É um sério caso psiquiátrico: Maria simplesmente toma o lugar de Deus! Deve ser porque ela é uma “RAINHAAAAAAAA”, não é mesmo?

      Excluir
    2. Cara, que loucura esse anonimo escreveu, kkkkkkkkkkkkk

      Excluir
    3. Os comentários romanistas que recebo aqui são desse nível pra baixo...

      Excluir
    4. Estou rindo demais aqui kkkkkkkkkkkkkkk.

      Excluir
    5. Esse foi o primeiro artigo do Blog que eu li, foi assim que acabei conhecendo o seu trabalho guiado pelo Espírito Santo Lucas!

      Excluir
  18. Olá, irmão Lucas, tudo bem?
    Bom, de uns tempos para ca varias pessoas do YouTube tem falado sobre o Ap.12 e que acontecerá um arrebatamento do dia 23 para o dia 24 desse mês...
    Bom, muitos deles falam q vai haver 2 arrebatamentos: um a partir dessa data, e nesse arrebatamento só vão subir os crentes fiéis (os crentes que não estiverem firmes na fé não vão subir); e um segundo arrebatamento que acontecerá na vinda de Jesus, e nesse arrebatamento o restante da igreja vai subir. Eles interpretam Ap.12 dizendo q a mulher é a igreja e o filho são os crentes fiéis e que depois desse primeiro arrebatamento vai vir a grande tribulação para os que ficarem. Bom o que vc acha dessa interpretação?
    No mais, eu li o seu texto e gostei porém não consegui identificar quem seria o filho...
    No mais eu não fico fissurada nessas datas, mas eu creio q em breve o Apocalipse vai acontecer pq os sinais q Jesus deu ja estão se concretizando...
    Ah, o pessoal dessa linha de entendimento acredita que 2017 é o tempo do fim da graça, pois no calendário judaico 2017 = 5777 (que significa fim da graça) e que depois do Ap. 12 vai começar a grande tribulação que tem duração de 7 anos...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, eu tenho visto alguns dizendo isso mesmo, mas ao meu ver é tudo sem base, pra começo de conversa porque nem pré-tribulacionista eu sou. Como pós-tribulacionista, entendo que a Igreja será arrebatada ao final da grande tribulação, portanto não há a mínima chance de um grupo grande ou pequeno de gente ser arrebatado antes, seja no início, no meio ou em qualquer parte antes do fim. Eu discorro sobre isso ao longo de todo o meu livro dedicado ao tema, "A Igreja na Grande Tribulação":

      http://www.lucasbanzoli.com/2017/04/0.html

      Sem falar que eu acho complicado essa coisa de ficar marcando datas específicas para o dia do arrebatamento, mesmo se eu fosse pré-tribulacionista acharia isso errado, porque se fosse assim tão simples seria muito fácil saber quando Jesus iria voltar, e ele mesmo disse que NINGUÉM saberia o dia ou a hora (é por isso que todos os que já tentaram até hoje falharam miseravelmente, e eu aposto que acontecerá o mesmo com esses aí). Talvez possa até acontecer alguma coisa nesses dias, mas não o arrebatamento e a volta de Jesus. Abs!

      Excluir
  19. Muito bom texto. Fiz um breve estudo sobre Gênesis 3.15 (http://amorim.pro.br/?p=1604). Pena que eu não tenha tido contato antes com o seu texto. Teria mais informações para o mesmo. Parabéns, Lucas. Graça e Paz!

    ResponderExcluir

Seu comentário será publicado após passar pela moderação. Ofensas, deboches, divulgação de páginas católicas (links), control c + control v e manifestações de fanatismo não serão aceitos. Todos os tipos de perguntas educadas são bem-vindas e serão respondidas cordialmente. Caso o seu comentário ainda não tenha sido liberado dentro de 24h, é possível que ele não tenha chegado à moderação, e neste caso reenvie o comment.