14 de novembro de 2015

O batismo por imersão na igreja primitiva


A Igreja Ortodoxa e a grande maioria das igrejas protestantes têm mantido o batismo por imersão como a norma padrão do batismo cristão, sendo o batismo por aspersão ou por infusão admissível apenas em casos extremos onde não há água suficiente para se realizar o batismo bíblico por imersão. A Igreja Romana, é claro, batiza por infusão. Afinal, qual era a principal forma de batismo praticada na igreja primitiva? Desde muito cedo vemos a Didaquê, geralmente datada entre 60 a 90 d.C, dizendo:

“Quanto ao batismo, procedam assim: Depois de ditas todas essas coisas, batizem em água corrente, em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Se você não tem água corrente, batize em outra água; se não puder batizar em água fria, faça-o em água quente. Na falta de uma e outra, derrame três vezes água sobre a cabeça, em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. Antes do batismo, tanto aquele que batiza como aquele que vai ser batizado, e se outros puderem também, observem o jejum. Aquele que vai ser batizado, você deverá ordenar jejum de um ou dois dias”[1]

Como vemos, a forma padrão do batismo era em “águas correntes” (imersão), e era somente na ausência de águas correntes (i.e, quando não havia água suficiente para se realizar a imersão) que o batismo por infusão era admitido.

Na Epístola de Barnabé, às vezes atribuída ao Barnabé da Bíblia e às vezes a um Barnabé de Alexandria (80-150), mas ainda de data bem antiga, há novamente a clara menção sobre “descer para a água” e “subir dela”, o que implica em um lugar em que há água suficiente para realizar o batismo por imersão, onde a pessoa fica imersa na água e depois sobe dela:

“Notai que ele designa ao mesmo tempo a água e a cruz. Com efeito, ele quer dizer: Felizes aqueles que, tendo lançado sua esperança na cruz, desceram para a água. Pois ele diz que o salário vem ‘no tempo certo’. Então, diz ele, eu retribuirei. Mas para hoje, ele diz: ‘Sua folhagem não cairá’. Isso significa que toda palavra de fé e amor que sair da vossa boca será para muitos causa de conversão e de esperança”[2]

“Isso significa que descemos para a água carregados de pecados e poluição, mas subimos dela para dar frutos em nosso coração, tendo no Espírito o temor e a esperança em Jesus. ‘Quem comer deles viverá eternamente’, quer dizer: quem escutar, quando tais palavras são ditas, e crer nelas, viverá eternamente”[3]

Justino Mártir (100-165), apesar de não ser explícito, se refere ao batismo como sendo um “banho”[4] e um “banho completo”[5], em linguagem diametralmente oposta a uma simples infusão de pequenas quantidades de água sobre o batizado.

Tertuliano (160-220), no mesmo livro em que rejeita o batismo infantil, fala também sobre “mergulhar na água”, novamente em oposição a uma simples infusão ou aspersão:

“O ato do batismo em si é carnal, pois estamos mergulhados na água, mas o efeito é espiritual, pois somos libertados do pecado”[6]

“[No batismo] o homem é mergulhado na água, em meio à pronunciação de algumas poucas palavras, e em seguida sobe novamente[7]

O batismo por imersão continuou sendo a prática-padrão na igreja por muito tempo, visto que Cirilo de Jerusalém (313-386) expôs em sua Segunda Catequese Mistagógica:

“Depois disto fostes conduzidos pela mão à santa piscina do divino batismo, como Cristo da cruz ao sepulcro que está à vossa frente. E cada qual foi perguntado se cria no nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo. E fizestes a profissão salutar, e fostes imersos três vezes na água e em seguida emergistes, significando também com isto, simbolicamente, o sepultamento de três dias de Cristo. E assim como nosso Salvador passou três dias e três noites no coração da terra , do mesmo modo vós, com a primeira imersão, imitastes o primeiro dia de Cristo na terra, e com a imersão, a noite. Como aquele que está na noite nada enxerga e ao contrário o que está no dia tudo enxerga na luz, assim vós na imersão, como na noite, nada enxergastes; mas na emersão, de novo vos encontrastes no dia”[8]

Note ainda que Cirilo fala sobre a “santa piscina do divino batismo”, que nada mais era senão uma referência aos batistérios da igreja primitiva, que os arqueólogos têm encontrado abundantemente nas antigas igrejas cristãs (veja uma aqui). Por que os cristãos da época teriam “piscinas” em seus templos, se para realizar o batismo era necessário apenas um pouquinho de água jogada na cabeça do batizado?

Em sua Terceira Catequese Mistagógica, Cirilo diz também:

“Ele [Jesus], quando banhado no rio Jordão e comunicando às águas a força da Divindade, delas saiu e se produziu sobre ele a vinda substancial do Espírito Santo, pousando igual sobre igual. Também a vós, ao sairdes das águas sagradas da piscina, se concede a unção, figura daquela com que Cristo foi ungido”[9]

Agostinho (354-430) também vivia na época em que a norma-padrão de batismo era por imersão. Ele afirmou que os batizados recebiam “três imersões na água”[10], e comparou o batismo cristão com as imersões de Naamã, o sírio:

“Quando Naamã, o sírio, caiu doente com lepra, e suplicou pela cura, o levaram ao Jordão, indicando claramente o que estava por vir, tanto pelo uso da água em geral quanto da imersão no rio, em particular[11]

Ou seja, para Agostinho, a imersão de Naamã no Jordão prefigurava o uso da água e a imersão nela que viria no batismo.

João Crisóstomo (347-407), na mesma época de Agostinho, também dizia:

“Ser batizado, pois, mergulhar, em seguida emergir é sinal da descida às regiões inferiores e subida de lá. Por isso Paulo também chama o batismo de sepulcro, nesses termos: Pelo batismo nós fomos sepultados com ele na morte (Rm 6,4)”[12]

Até mesmo Calvino, que batizava por aspersão, admitiu:

“A palavra batizar quer dizer imergir, e é claro que o rito da imersão foi observado nas igrejas primitivas”[13]

Em suma, a forma principal e normativa de batismo na igreja primitiva era, claramente, a imersão em água, sendo o batismo por infusão admitido somente em casos onde não havia água suficiente para se realizar o batismo por imersão, que figura bem mais apropriadamente o fato do batismo representar nosso “sepultamento” para o pecado (imersão) e “ressurreição” para uma vida nova (emersão):

“Isso aconteceu quando vocês foram sepultados com ele no batismo, e com ele foram ressuscitados mediante a fé no poder de Deus que o ressuscitou dentre os mortos” (Colossenses 2:12)

“De sorte que fomos sepultados com ele pelo batismo na morte; para que, como Cristo foi ressuscitado dentre os mortos, pela glória do Pai, assim andemos nós também em novidade de vida” (Romanos 6:4)

A Igreja Romana, é claro, altera a ordem praticada por séculos na igreja primitiva e impõe o batismo por infusão como a norma-padrão do batismo, seja ele infantil ou adulto, e a imersão apenas secundariamente. Nada novo debaixo do sol para uma igreja bastante conhecida por inovações doutrinárias travestidas de “desenvolvimento da doutrina”.

Paz a todos vocês que estão em Cristo.

Por Cristo e por Seu Reino,


-Meus livros:

- Veja uma lista de livros meus clicando aqui.

- Confira minha página no facebook clicando aqui.

- Acesse meu canal no YouTube clicando aqui.


-Não deixe de acessar meus outros blogs:

LucasBanzoli.Com (Um compêndio de todos os artigos já escritos por mim)
Apologia Cristã (Artigos de apologética cristã sobre doutrina e moral)
O Cristianismo em Foco (Artigos devocionais e estudos bíblicos)
Desvendando a Lenda (Refutando a imortalidade da alma)
Ateísmo Refutado (Evidências da existência de Deus e veracidade da Bíblia)
Fim da Fraude (Refutando as mentiras dos apologistas católicos)



[1] Didaquê, 7:1-4.
[2] Epístola de Barnabé, 11:8.
[3] Epístola de Barnabé, 11:11.
[4] 1ª Apologia, 61:3; 61:10.
[5] 1ª Apologia, 62:1.
[6] Do Batismo, c. 7.
[7] Do Batismo, c. 2.
[8] Segunda Catequese Mistagógica, c. 4.
[9] Terceira Catequese Mistagógica, c. 1.
[10] Agostinho, O Batismo de Cristo.
[11] ibid.
[12] Comentário às Cartas de São Paulo – Quadragésima Homília.
[13] Institutas, p. 1320 (IV.xv.19).

21 comentários:

  1. Somente a Igreja Presbiteriana tem o batismo por aspersão, não é ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também a Anglicana e a Luterana.

      Excluir
    2. A Metodista também.

      Excluir
    3. Coincidentemente as igrejas protestantes mais velhas...Seria isto uma herança ruim da ICAR ?

      Excluir
    4. É natural que nem tudo tenha sido reformado do dia para a noite, isso é fruto de um processo. A Reforma do século XVI foi um importante início, mas não o fim. O próprio lema dos reformados era “Ecclesia reformata, semper reformanda” (Igreja reformada, sempre reformando).

      Excluir
    5. Eu por exemplo sou da IELB e rejeito o batismo por aspersão (mas evito de me manifestar para qualquer um na congregação, imagino que vá gerar polêmica).

      Excluir
  2. O batismo era por imersão e a Bíblia sugere isso quando avisa que Joao batizava num certo lugar por que "havia ali muitas águas":

    " Ora, João batizava também em Enom, junto a Salim, PORQUE havia ali muitas águas; e vinham ali, e eram batizados", João 3:23.

    Não haveria necessidade de "muitas águas" se o batismo fosse aplicado com alguns pingos na testa.

    Por outro lado joga-se nas águas qualquer pessoa nos dias de hoje, mas o importante é saber se elas vão ser batizadas no Espírito Santo que é a lavagem do homem interior (Ef 5:26; Tito 3:5). Esse é o batismo que Jesus veio realizar. João Batista garantiu isso quando insinuou que o batismo dele era inferior ao verdadeiro batismo:

    "E eu, em verdade, vos batizo com água, para o arrependimento; MAS aquele que vem após mim é MAIS PODEROSO do que eu; cujas alparcas não sou digno de levar; ELE VOS BATIZARÁ com o Espírito Santo, e com fogo", Mat 3:11.

    Paulo, o único que entendeu a graça de Deus, não praticava o batismo nas águas:

    "Porque Cristo enviou-me, não para batizar...", 1 Cor 1:17.

    Os que estão debaixo da lei hoje, adoram jogar pessoas na água e fazer campanhas sim fim. Gostam de subir montes e agonizar até de manhã, gostam dos 40 dias do jejum santo, de passar pelo túnel dos 70, de roupas ungidas, de frequentar as 100 semanas da família, de sacrificar as pessoas até elas caírem exaustas.

    Estão todos debaixo da lei e a lei não foi feita para o justo. Isso não muda a vida de ninguém. Milhares de pessoas

    "oferecem dons e sacrifícios que, quanto à consciência, não podem aperfeiçoar aquele que faz o serviço;

    Consistindo somente em comidas, e bebidas, e várias abluções e justificações da carne, impostas até ao tempo da correção", Hebreus 9:9,10.

    Estão ainda debaixo de leis e, enquanto assim permanecem não verão a graça de Deus, pois continuam dentro do velho tabernáculo. É isso que diz Hebreus:

    "o caminho do santuário não estava descoberto enquanto se conservava em pé o primeiro tabernáculo", Hb 9:8.

    Tem muita coisa fora do lugar, Lucas. O Cristianismo quase todo está debaixo da lei!

    Tem milhares de ministros no Templo e eles não podem comer do altar da graça porque estão debaixo da lei:

    "Temos um altar, de que não têm direito de comer os que servem ao tabernáculo", Hebreus 13:10.

    São ministros da Velha Aliança!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assim é que fica bom he he he, quando a mensagem é considerada um “escândalo para os judeus” e uma “loucura para os gentios” (1 Co 1:23).

      Excluir
  3. Lucas, os católicos e o pastor Augustus Nicodemus, costumam usar Mt 19, 14, onde diz: ..“Deixai vir a mim os pequeninos e não os impeçais"... para sustentar a tese do batismo de crianças. Realmente essa passagem dar margens para batismo de crianças?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Este texto não fala absolutamente nada de batismo. Jesus não disse "deixai BATIZAR os pequeninos", mas sim: "deixai vir a mim os pequeninos". Dizer que o texto está falando qualquer coisa de batismo é incorrer em pura eisegese, como quem tenta injetar em um texto um significado que não está nele. Abs.

      Excluir
  4. Lucas,

    Estudei o seu artigo e comentei na minha página, com desenvolvimento do assunto...

    Gledson.

    ResponderExcluir
  5. Lucas ótimo esse texto estou estudando aqui pesquisando em alguns sites e seu texto tem otmas colocações pra mim valeu abraços!!!!

    ResponderExcluir
  6. Sentido da palavra batismo:
    Batismo no grego = (Batisma)= Rito ou cerimônia de batismo.
    E o sufixo MA da palavra BatisMA, enfatiza que é um resultado, ou seja , do arrependimento sincero. ( batisma= submergindo, imersão.

    A palavra batisma vem da palavra grega batizó = eu mergulho, submergir, mergulhar cerimonialmente, eu batizo.

    E a palavra batizó vem da palavra grega baptó = eu msrgulhar, imersão , mergulhados.

    Então a palavra batismo é ligada quanto a questão da imersão, ou seja o batismo o foco sempre foi por imersão e e um sincero arrependimento ( Atos 2:38 ).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ou seja ,cai por terra essa de que se deve batizar por aspersão ou infusão.

      Excluir
  7. Lucas, já ouvi gente dizendo que o batismo por aspersão é invalido e se a pessoa ter sido batizada através desse batismo, ela terá que será rebatizada com o Imersão. Você concorda ou isso é muito ''radical''?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não concordo, é um radicalismo sim.

      Excluir
    2. E quando a pessoa é batizada quando nasce ? Você acha que é necessita de outro batismo ?

      Excluir

Seu comentário será publicado após passar pela moderação. Ofensas, deboches, divulgação de páginas católicas (links) e manifestações de fanatismo não serão aceitos. Todos os tipos de perguntas educadas são bem-vindas e serão respondidas cordialmente. Caso o seu comentário ainda não tenha sido liberado dentro de 24h, é possível que ele não tenha chegado à moderação, e neste caso reenvie o comment.