16 de maio de 2016

A Terceira Cruzada


A Terceira Cruzada é conhecida como “A Cruzada dos Reis”, porque contou com a participação de Frederico Barba-Ruiva (Sacro Império Romano-Germânico), Ricardo Coração de Leão (Inglaterra) e Filipe Augusto (França). Como não poderia deixar de ser diferente, começou com ataques aos judeus: “Felipe Augusto da França fez prender os judeus em suas sinagogas e obrigou-os a contribuir com cinco mil marcos de prata”[1]. Lins observa:

Manifestou-se, demais, de maneira ruidosa, o entusiasmo dos ingleses por tremenda perseguição aos seus algozes, suicidando-se. Em York, mataram-se, por suas próprias mãos, nada menos que quinhentos. O chefe da família tomava de um punhal, e, depois de matar a esposa e os filhos, suicidava-se, a fim de evitar os suplícios a que o povo, exacerbado, submetia os israelitas – conta o abade Fleury, o qual registra ainda haverem os cristãos queimado arquivos e papeis dos judeus para se livrarem de suas dívidas[2]. Renovavam-se estas cenas de horror em cada cruzada. Como todos precisavam de dinheiro para a santa expedição, lembravam-se de que os judeus, em geral depositários de grandes riquezas, haviam crucificado o Deus dos cristãos.[3]

A jornada à Terra Santa terminou mais cedo para o imperador do Sacro Império Romano-Germânico (que em realidade não era nem “Sacro”, nem “Império”, nem “Romano”), que se afogou em um rio cujas águas não chegavam à cintura. Alguns dizem que ele sofreu de um ataque epilético; outros, que sua armadura pesada o impediu de se levantar quando caiu. De qualquer forma, este foi o fim dos soldados do “Sacro” “Império” “Romano” Germânico.

Embora o objetivo da Cruzada fosse Jerusalém, Ricardo, o “Coração de Leão”, priorizou a conquista de ilhas e territórios fora da Terra Santa, colocando em primeiro lugar as conquistas pessoais, como já ocorrera na Primeira Cruzada. Sua obstinação por triunfos e novas terras no Oriente era tão grande que ele tomou até a ilha de Chipre, que era propriedade dos bizantinos e não dos muçulmanos[4]. Isso, por si só, já torna claro como o objetivo dos cruzados não tinha nada a ver com uma briga pessoal com os muçulmanos ou com ajudar o imperador bizantino. Qualquer território que servisse estava propício a ser conquistado, não importava de quem fosse.

Além de Chipre, Ricardo também investiu contra a cidade costeira de Acre (não o Acre que você está pensando), onde cometeu mais um dos vários crimes de guerra dos cruzados. Prometendo poupar seus cidadãos em caso de rendição, exterminou quase três mil prisioneiros quando estes se renderam[5]. Normal para um exército que nunca aprendeu o significado de lealdade e honra. Duché conta como foi o massacre:

Ricardo disse que queria ser pago primeiro, e Saladino que queria ver sair, ao menos de longe, aos muçulmanos. Então Ricardo, furioso, fez sair a três mil prisioneiros, nus e atados, e deu a ordem que se degolassem à vista de Saladino “aqueles canalhas”. Saladino distribuiu os cem mil dinars entre os oficiais, enviou a Verdadeira Cruz a Bagdá, e deu graciosamente os cem cristãos a Ricardo.[6]

Franco diz que além da execução dos três mil prisioneiros ainda abriram as suas entranhas e as reviraram em busca de ouro que supostamente teriam engolido para escondê-lo[7]. Note que, ao invés de Saladino devolver o massacre com outro massacre de prisioneiros, ele generosamente devolveu cem cristãos a Ricardo, logo após este massacrar os prisioneiros muçulmanos que possuía. Era essa a diferença entre um militar e um selvagem. Sobre este episódio, Lins escreve:

Crueldade sem nome de Ricardo foi fazer degolar os três mil reféns muçulmanos, entregues em consequência da capitulação de Acre: barbaria inaudita, perpetrada de sangue frio, sem a desculpa do ardor da refrega e tanto mais chocante quanto, ao adoecer Ricardo, lhe enviara Saladino sorvetes e frutas que concorreram para restabelecê-lo. A esses rasgos de generosidade, respondeu o rei da Inglaterra com uma carnificina! Para honra da espécie humana, teve o sarraceno bastante domínio sobre si mesmo, não retrucando a chacina dos prisioneiros muçulmanos com a execução dos cristãos, muito mais numerosos, que se encontravam em seu poder.[8]

A misericórdia de Saladino era tanta que ele libertava os prisioneiros cristãos, que mais tarde o traíam e se voltavam contra ele:

Depois de guardar consigo, durante um ano, o rei de Jerusalém, Guido de Lusignan, deu-lhe Saladino a liberdade, fazendo-o jurar, sobre os Evangelhos, que não tornaria a pegar em armas contra ele. O primeiro cuidado de Lusignan, logo que se viu em liberdade, foi, todavia, como era de praxe entre os cristãos, obter, de uma junta de bispos, a anulação de seu juramento, tudo empreendendo para reaver o perdido reino.[9]

Lins diz que “embora fossem inúmeras as demonstrações de crueldade dadas pelo Coração de Leão, em quem por vezes, parecia haver-se encarnado Renaud de Châtillon, não podiam os muçulmanos deixar de admirá-lo pela sua temerária bravura, associada a fabulosa força física e excepcionais qualidades militares, infelizmente desacompanhadas de qualquer senso político”[10].

Maalouf escreve:

Decidido a aproveitar o seu sucesso para dirigir uma vasta ofensiva, não tem tempo para se ocupar dos cativos, atua como o sultão, quatro anos antes, quando as cidades francas caíam em suas mãos uma depois da outra. A única diferença é que, não querendo ficar com tantos prisioneiros, Saladino os havia soltado, enquanto Ricardo prefere exterminá-los. Dois mil e setecentos soldados da guarnição de Acre são reunidos diante dos muros da cidade, com perto de trezentas mulheres e crianças de suas famílias. Atados por cordas formando uma só massa de carne, são entregues aos combatentes francos, que encarniçam sobre eles com seus sabres, lanças e pedras, até que os gemidos se calem.[11]

Mas nada disso se compara aos massacres que os francos comandados pelo rei da Inglaterra fizeram aos muçulmanos do Acre depois de terem prometido a vida salva aos habitantes da cidade em caso de rendição. Mais uma vez, os francos traem os muçulmanos em seus acordos e realizam uma grande carnificina:

“Desistindo de obter socorro, o governador egípcio pede a vida salva para ele e para os habitantes da cidade”, diz Ibn al-Qalanissi. Balduíno promete-lhes que serão liberados. Mas assim que os muçulmanos saem da cidade, carregando seus bens, os francos se jogam sobre eles, despojam-nos e matam grande número deles.[12]

Maalouf diz que “no espaço de dezessete meses, Tripoli, Beirute e Saida, três das cidades mais renomadas do mundo árabe, foram tomadas e saqueadas, seus habitantes massacrados ou deportados, seus emires, seus cádis, seus homens da lei mortos ou forçados ao exílio, suas mesquitas profanadas”[13]. E em meio a essas conquistas, prostitutas eram trazidas do Ocidente para realização de orgias com os cruzados, como já era costume desde a Primeira Cruzada até a última:

Entretanto, a miséria, que tão frequentemente assolava os cruzados, não impedia que muitos se entregassem a todos os excessos da licenciosidade e da orgia. Viam-se reunidos, sob o estandarte da cruz, todos os vícios da Europa e da Ásia. Se se der crédito a um historiador árabe, no próprio momento em que os francos lutavam com a fome e as doenças contagiosas, chegaram-lhes ao acampamento trezentas mulheres vindas do Ocidente, que se entregavam aos soldados, sem terem necessidade, para seduzi-los, de empregar os encantamentos da Armida do Tasso.[14]

Roper diz que “a Cruzada terminou no meio da recriminação geral. O imperador afogou-se num rio da Armênia; o rei da França regressou a casa com o fim de vingar o rei da Inglaterra, seu aliado na Europa; e o monarca inglês ficou a admirar e imitar alternadamente a bravura do seu adversário muçulmano, que continuava firmemente no comando de Jerusalém”[15]. Ricardo, vendo que o rei da França havia retornado para tomar suas terras na Europa, foi obrigado a retornar também, assinando antes um tratado com Saladino no qual este “reconhecia a posse do literal sírio-palestino aos ocidentais e permitia aos cristãos peregrinarem a Jerusalém, que continuava contudo sob seu domínio”[16].

Paz a todos vocês que estão em Cristo.

Por Cristo e por Seu Reino,


-Meus livros:

- Veja uma lista de livros meus clicando aqui.

- Confira minha página no facebook clicando aqui.

- Acesse meu canal no YouTube clicando aqui.


-Não deixe de acessar meus outros blogs:

LucasBanzoli.Com (Um compêndio de todos os artigos já escritos por mim)
Apologia Cristã (Artigos de apologética cristã sobre doutrina e moral)
O Cristianismo em Foco (Artigos devocionais e estudos bíblicos)
Desvendando a Lenda (Refutando a imortalidade da alma)
Ateísmo Refutado (Evidências da existência de Deus e veracidade da Bíblia)
Fim da Fraude (Refutando as mentiras dos apologistas católicos)



[1] LINS, Ivan. A Idade Média – A Cavalaria e as Cruzadas. 2ª ed. Rio de Janeiro: Pan-Americana, 1944, p. 365.
[2] Abade FLEURY, Histoire Ecclésiastique, vol. IV, p. 785.
[3] LINS, Ivan. A Idade Média – A Cavalaria e as Cruzadas. 2ª ed. Rio de Janeiro: Pan-Americana, 1944, p. 366.
[4] BALLESTEROS, Manuel; ALBORG, Juan Luis. Historia Universal Hasta el Siglo XIII. 4ª ed. Madrid: Editorial Gredos, S. A., 1967, p. 434.
[5] CLIFF, Nigel. Guerra Santa. São Paulo: Editora Globo, 2012.
[6] DUCHÉ, Jean. Historia de la Humanidad II – El Fuego de Dios. 1ª ed. Madrid: Ediciones Guadarrama, 1964, p. 407;
[7] FRANCO, Hilário. As Cruzadas. 1ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1981, p. 80.
[8] LINS, Ivan. A Idade Média – A Cavalaria e as Cruzadas. 2ª ed. Rio de Janeiro: Pan-Americana, 1944, p. 377.
[9] ibid, p. 370-371.
[10] ibid, p. 377.
[11] MAALOUF, Amin. As Cruzadas Vistas Pelos Árabes. 4ª ed. São Paulo: Brasiliense, 2001, p. 197.
[12] ibid, p. 72.
[13] ibid, p. 84.
[14] LINS, Ivan. A Idade Média – A Cavalaria e as Cruzadas. 2ª ed. Rio de Janeiro: Pan-Americana, 1944, p. 374.
[15] ROPER, Hugh Trevor. A Formação da Europa Cristã. 1ª ed. Lisboa: Editorial Verbo, 1975, p. 115.
[16] FRANCO, Hilário. As Cruzadas. 1ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1981, p. 50.

Um comentário:

Seu comentário será publicado após passar pela moderação. Ofensas, deboches, divulgação de páginas católicas (links), control c + control v e manifestações de fanatismo não serão aceitos. Todos os tipos de perguntas educadas são bem-vindas e serão respondidas cordialmente. Caso o seu comentário ainda não tenha sido liberado dentro de 24h, é possível que ele não tenha chegado à moderação, e neste caso reenvie o comment.