20 de novembro de 2015

O milenarismo dos primeiros Pais da Igreja


O milenarismo (também conhecido pelo nome de “pré-milenismo”) é a crença de que haverá uma grande tribulação futura, seguida de uma vinda literal de Cristo nas nuvens e de um reinado igualmente literal do Senhor Jesus aqui na terra, por mil anos. Este será um período de paz, onde o diabo estará preso para não enganar as nações.

Contra a posição pré-milenista estão o amilenismo e o pós-milenismo. O primeiro assegura que o milênio já está acontecendo neste momento, no Céu, significando que Cristo está reinando com os santos no Paraíso. O segundo afirma que o milênio está acontecendo neste momento, mas na terra, significando que cada vez mais pessoas vão se converter até que toda a terra seja cristã e Jesus volte. Nenhuma das duas visões contempla um milênio literal para um momento futuro – é o milenarismo que faz isso. A ideia de que os justos habitarão a terra após a ressurreição é desprezada tanto por amilenistas quanto por pós-milenistas.

O pré-milenismo é defendido pela maioria absoluta de cristãos evangélicos, o amilenismo pela Igreja Católica (e pela minoria de protestantes) e o pós-milenismo por meia dúzia de gatos pingados. Mas para este artigo nos interessa descobrir qual era a crença dos primeiros Pais da Igreja, aqueles que conviveram pessoalmente com os apóstolos ou com os primeiros discípulos dos apóstolos. E qualquer um que estude com atenção os escritos destes primeiros Pais nota o consenso unânime pelo pré-milenismo.

Clemente de Roma (35-97), ainda no primeiro século, deixou claro onde é que os bons habitarão no futuro:

“Sejamos bons uns para com os outros, conforme a compaixão e a doçura daquele que nos fez. Está escrito: ‘Os bons habitarão a terra e os inocentes serão deixados sobre ela, mas os pecadores serão exterminados dela’”[1]

A Didaquê (60-90), também no primeiro século, semelhantemente assinalava onde será a morada dos justos:

“Seja manso, porque os mansos receberão a terra como herança”[2]

Policarpo (69-155), no começo do segundo século, já dizia que na volta de Jesus apenas os justos ressuscitarão (porque a ressurreição dos ímpios é só depois do milênio), em direta oposição à crença dos amilenistas e pós-milenistas, de que justos e ímpios ressuscitarão no mesmo momento:

“Por isso, cingi vossos rins e servi a Deus no temor e na verdade, abandonando as palavras vãs e o erro de muitos, crendo naquele que ressuscitou nosso Senhor Jesus Cristo dos mortos e lhe deu a glória e o trono à sua direita. Tudo o que existe no céu ou na terra lhe está submisso; tudo o que respira o celebra, a ele que vem como juiz dos vivos e dos mortos, e de cujo sangue Deus pedirá contas àqueles que não confiam nele. Aquele que o ressuscitou dos mortos também nos ressuscitará, se fizermos a sua vontade, se caminharmos em seus mandamentos, e se amarmos o que ele amou, abstendo-nos de toda injustiça, ambição, amor ao dinheiro, maledicência, falso testemunho, não retribuindo o mal com o mal, injúria com injúria, golpe com golpe, maldição com maldição”[3]

A mesma coisa diz a Didaquê:

“Então aparecerão os sinais da verdade: primeiro, o sinal da abertura no céu; depois, o sinal do toque da trombeta; e, em terceiro, a ressurreição dos mortos. Sim, a ressurreição, mas não de todos, conforme foi dito: ‘O Senhor virá e todos os santos estarão com ele’. Então o mundo assistirá o Senhor chegando sobre as nuvens do céu”[4]

Irineu (130-202) também defendeu explicitamente o milênio literal e o estado eterno na terra em diversas ocasiões:

“Convém aos justos primeiro receber a promessa da herança que Deus fez aos pais, e depois reinar nela, quando ressuscitarem para ver Deus novamente nessa criação que foi renovada; e o juízo terá lugar em seguida (…) Portanto, é apropriado que a própria criação, estando restaurada à sua primeira condição, deva, sem qualquer limitação, permanecer sob o domínio dos justos. Assim, então, a promessa que Deus fez a Abraão permanecerá firme (…) Deus prometeu a terra a Abraão e à sua semente. No entanto, nem Abraão nem a sua semente, isto é, aqueles que são justificados pela fé, recebem qualquer herança neste momento; mas a receberão na ressurreição dos justos. Pois Deus é verdadeiro e fiel; e a promessa que Ele fez é: ‘Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra’[5]

“[Jesus disse:] ‘Digo-vos que, desde agora, não beberei deste fruto da vide até àquele Dia em que o beba de novo convosco no Reino de meu Pai’. Assim, portanto, Ele mesmo irá renovar a herança da terra e reorganizar o mistério da glória dos [Seus] filhos; como disse Davi: Ele ‘renova a face da terra’. Ele prometeu beber do fruto da vide com os Seus discípulos, indicando, assim, os seguintes pontos: a herança da terra da qual se bebe o fruto da vide e a ressurreição dos Seus discípulos em carne e osso. Pois a nova carne que ressuscita é a mesma que também recebeu o novo cálice”[6]

Ele inclusive refuta aqueles que pensavam que viveríamos em um “palácio celestial”, e reitera: os justos reinarão na terra!

“E de maneira nenhuma podemos entender que Ele estará bebendo o fruto da vide quando se colocar com os Seus [discípulos] em um palácio celestial, nem aqueles que bebem estarão sem a carne, pois beber daquilo que flui da vide pertence à carne, e não ao espírito. Portanto, a bênção prevista pertence inquestionavelmente aos tempos do reino, quando os justos irão reinar sobre aqueles que ressuscitam dos mortos, quando também a criação, tendo sido renovada e libertada, irá frutificar com abundância e com todos os tipos de alimento a partir do orvalho do céu e da fertilidade da terra. E, como todos os animais estarão se alimentando [apenas] da produção da terra, eles [nesses dias] se tornarão pacíficos e harmoniosos uns com os outros e perfeitamente sujeitos ao homem”[7]

Justino (100-165) não apenas mostra sua opinião pessoal do assunto, como também afirma que todos os cristãos de bem estavam convictos de que haveria um milênio literal na terra:

"Além disso, eu indiquei-lhe que há alguns que se consideram cristãos, mas são ímpios, hereges, ateus, e ensinam doutrinas que são em todos os sentidos blasfemas, ateístas e tolas. Mas, para que saiba que eu não estou sozinho em dizer isso a você, eu elaborarei uma declaração, na medida em que puder, de todos os argumentos que se passaram entre nós, em que eu devo registrá-las, e admitindo as mesmas coisas que eu admito a você. Pois eu opto por não seguir a homens ou a doutrinas humanas, mas a Deus e as doutrinas entregues por Ele. Se vós vos deparais com supostos cristãos que não façam esta confissão, mas ousem também vituperar o Deus de Abraão, o Deus de Isaque e o Deus de Jacó, e neguem a ressurreição dos mortos, sustentando antes, que no ato de morrer, as suas almas são elevadas ao céu, não os considereis cristãos. Mas eu e os outros, que somos cristãos de bem em todos os pontos, estamos convictos de que haverá uma ressurreição dos mortos, e mil anos em Jerusalém, que será construída, adornada e alargada, como os profetas Ezequiel e Isaías e outros declaram"[8]

Jerônimo ainda testemunha que a crença de Papias, Irineu, Apolinário, Tertuliano, Vitorino e Lactâncio era no milenarismo:

“Ele [Papias] divulgou uma segunda vinda de Nosso Senhor ou Milênio. Irineu, Apolinário e outros dizem que após a ressurreição do Senhor, ele irá reinar em carne com os santos. Também Tertuliano, em sua obra ‘Sobre a Esperança dos Fieis’, Vitorino de Petau e Lactâncio seguem este ponto de vista”[9]

O testemunho mais interessante é o de Papias (70-155), que é nos dado por Eusébio (265-339), que vivia em uma época em que a Igreja já começava a desacreditar no milênio. Notem como Eusébio faz de tudo para tentar desdenhar e desmerecer o testemunho de Papias, inclusive chamando-o de “burro” (de uma forma mais formal, é claro):

“Ele [Papias] diz que, depois da ressurreição dentre os mortos, haverá um milênio, e que o reino de Cristo se estabelecerá fisicamente sobre esta terra. Eu creio que Papias supõe tudo isto por haver derivado das explicações dos apóstolos, não percebendo que estes haviam-no dito figuradamente e de modo simbólico. A verdade é que, pelo que se pode deduzir de seus próprios discursos, Papias parece ser homem de inteligência curta. Mesmo assim, ele foi o culpado de que tantos escritores eclesiásticos depois dele tenham abraçado a mesma opinião que ele, apoiando-se na antiguidade de tal varão, como realmente faz Irineu e qualquer outro que manifeste professar idéias parecidas”[10]

Eusébio tenta de todas as formas descredibilizar o testemunho histórico de Papias, como se Papias fosse tão burro ao ponto de não ter conseguido entender que os apóstolos falavam “figurativamente”. Mais absurdo ainda é pensar que os apóstolos não ensinaram para Papias o significado real, mas apenas o “metafórico”! Pior ainda do que pensar que eles ensinaram apenas a figura e não o significado da figura, é pensar que eles ensinaram a figura de uma forma tão natural que acabou causando confusão em todo mundo! E pior ainda é a jogada final, onde Eusébio descaradamente diz que Papias é o culpado pelo fato de todos os outros Pais terem pregado o Reino físico na terra(!), como se alguém como Policarpo ou Clemente (que conviveram pessoalmente com os apóstolos) dependesse da opinião de Papias!

Após estudar todos os escritos dos primeiros Pais, não tive acesso a absolutamente nenhum que cresse em outra coisa que não o milenarismo, o que torna enormemente improvável que essa doutrina não tenha vindo dos apóstolos, a não ser que todos os primeiros Pais tivessem sido facilmente enganados por Papias (conforme a teoria fracassada de Eusébio), ou se entraram em conluio para corromper a doutrina apostólica (teoria igualmente fracassada). De todos os Pais do século I e II que escreveram alguma coisa sobre o assunto, o resultado é esse:

Pré-Milenismo
Amilenismo
Pós-Milenismo
Policarpo (69-155)
Ninguém
Ninguém
Clemente de Roma (70-155)
Ninguém
Ninguém
Tertuliano (160-220)
Ninguém
Ninguém
Papias (70-155)
Ninguém
Ninguém
Justino (100-165)
Ninguém
Ninguém
Irineu (130-202)
Ninguém
Ninguém
Didaquê (60-90)
Ninguém
Ninguém
Se alguém tiver um testemunho contrário que remeta a algum Pai da Igreja do século I ou II, por favor, me informe, para que eu possa incluir alguma coisa nos outros quadros. O resultado, até agora, é esmagador em favor do pré-milenismo.

O mais irônico de tudo é que a Igreja Romana, aquela mesma que diz guardar infalivelmente todas as “tradições apostólicas” transmitidas de boca em boca incorruptivelmente até chegar aos ouvidos do papa, combate com ferocidade a crença pré-milenista. O saudoso professor Orlando Fedeli, fundador do tridentismo apologético católico no Brasil, escreveu o seguinte em uma de suas cartas-resposta que pode ser lida clicando aqui:

“A igreja censurou o milenarismo que espera um reino de Deus na terra, dizendo que essa opinião não pode ser ensinada por um católico (Cfr Denzinger, 2296), e sempre condenou as seitas milenaristas que são muitíssimas na história. Faz décadas que li o Adversus haereses de Santo Irineu, e não me lembro da posição dele face ao milenarismo. Mas, como naquele tempo essa opinião não fora nem censurada e nem condenada ainda, ele não poderia ser tido como herege, se defendeu isso”

Trocando em miúdos, o que Fedeli disse aí é que se Irineu vivesse hoje ele seria um herege (a não ser que mudasse de opinião por coação). É irônico notar que a mesma Igreja que diz guardar todas as tradições apostólicas incorruptivelmente e que essas tradições estão conservadas nos escritos dos Pais da Igreja ignore completamente todos os primeiros Pais para seguir a uma doutrina diametralmente oposta. Ou seja: a Igreja Romana guarda todas as tradições orais provenientes dos apóstolos sem erro, mas nem a Didaquê, nem Irineu, nem Tertuliano, nem Papias, nem Clemente, nem Policarpo, nem Justino e nem ninguém da época sabia disso. #Mistério.

Se todos os primeiros Pais estavam errados, quem foi então que passou essa suposta “tradição oral” adiante? Como essa pessoa que transmitiu essa fantasmagórica tradição oral conseguiu ser tão incompetente ao ponto de omiti-la completamente dos principais líderes cristãos da época, que criam em coisa totalmente contrária? Como ter certeza que o amilenismo foi ensinado pelos apóstolos, se todos os seus primeiros seguidores criam diferente? Como confiar em uma tradição oral supostamente “apostólica”, se ela foi corrompida em tão pouco tempo? Como provar que os primeiros Pais da Igreja seguiam a “tradição errada”, mas que os Pais do século IV e V (que nunca viram um apóstolo ou discípulo de apóstolo na vida) tinham a “tradição certa”? A quem os papistas pensam que enganam?

À luz da história, o que deveria ser discutido não é “por que os primeiros Pais estavam errados”, porque eles não estavam errados. O que deve ser discutido seriamente é o que fez com que os Pais posteriores mudassem a doutrina, que é o que eu tentei responder no capítulo 22 de meu livro "Os Pais da Igreja contra a Imortalidade da Alma". Mas como “tradição apostólica” pro católico é literalmente qualquer coisa que o católico queira que seja considerado “tradição apostólica”, não me surpreende em nada que muitos insistam que os Pais do século IV guardavam a tradição verdadeira que os Pais do século I e II não faziam ideia de qual fosse.


Paz a todos vocês que estão em Cristo.

Por Cristo e por Seu Reino,


-Meus livros:

- Veja uma lista de livros meus clicando aqui.

- Confira minha página no facebook clicando aqui.

- Acesse meu canal no YouTube clicando aqui.


-Não deixe de acessar meus outros blogs:

LucasBanzoli.Com (Um compêndio de todos os artigos já escritos por mim)
Apologia Cristã (Artigos de apologética cristã sobre doutrina e moral)
O Cristianismo em Foco (Artigos devocionais e estudos bíblicos)
Desvendando a Lenda (Refutando a imortalidade da alma)
Ateísmo Refutado (Evidências da existência de Deus e veracidade da Bíblia)
Fim da Fraude (Refutando as mentiras dos apologistas católicos)




[1] Clemente aos Coríntios, 14:3-4.
[2] Didaquê 1:7.
[3] Policarpo aos Filipenses, 2:1-3.
[4] Didaquê 16:6-8.
[5] Contra as Heresias, Livro V, c. 32.
[6] Contra as Heresias, Livro V, c. 33.
[7] Contra as Heresias, Livro V, c. 33.
[8] Diálogo com Trifão, c. 80.
[9] De Viris Illustribus, 18.
[10] História Eclesiástica, Livro III, 39:12-13.

33 comentários:

  1. Pq n publicou o meu comentário que refutou seu blog inteiro ? A do 2 Timoteo 4:3 ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uau, você publicou o texto de 2ª Timóteo 4:3 e acha que “acabou com o meu blog inteiro”? HSUAHSUAHSUAHSUASH vocês estão cada dia mais engraçados, acho que é o desespero mesmo.

      Vamos ao texto em questão:

      “Porque virá tempo em que não suportarão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si mestres conforme as suas próprias concupiscências; e desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas” (2ª Timóteo 4:3-4)

      Veja que estes falsos mestres, que eu ainda não vou dizer quais são, teriam o objetivo de fazer com que o povo se voltasse às FÁBULAS.

      Curiosamente, caro Anônimo, existe uma igreja, que eu não vou dizer qual é, que vendia na Idade Média até o leite das mamas da virgem Maria e o "dedo" do Espírito Santo para lucrar em cima dos incautos de sua própria religião, que eu não vou dizer qual é, mas aqui vai uma dica:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2015/10/as-reliquias-da-igreja-catolica.html

      Curiosamente também, existia uma igreja que vendia o perdão dos pecados, que dizia que bastava a moeda cair na caixa que a alma saía voando do purgatório. Eu também não vou dizer que igreja é essa, mas aqui vai uma dica:

      http://www.infoescola.com/historia/95-teses-de-martinho-lutero/

      http://www.monergismo.com/textos/credos/lutero_teses.htm

      Curiosamente também, existia uma igreja que dizia que todos os que atravessassem o mundo para cortar a cabeça de um “infiel” ganharia uma vaga automática no Céu. Eu também não vou dizer que igreja é essa, mas aqui vai uma dica:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2015/11/se-nao-fosse-pelas-cruzadas.html

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2015/11/cruzadas-guerra-defensiva-ou-ofensiva.html

      Curiosamente também, existia uma igreja que tinha instrumentos de tortura e morte para aqueles que não seguissem bem a sua religião, para mantê-los aprisionados em seu domínio. Eu também não vou dizer que igreja é essa, mas aqui vai uma dica:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2015/03/a-cidade-das-sete-colinas-dave-hunt.html

      Curiosamente também, existia uma igreja que proibia a leitura da Bíblia na língua do povo, para que este continuasse na mais pura ignorância feito um zumbi obediente, e fazia missa em um idioma que ninguém conhecia, para que ninguém entendesse nada do pouco que era lido deste livro. Eu também não vou dizer que igreja é essa, mas aqui vai uma dica:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2015/03/a-perseguicao-da-igreja-catolica-contra.html

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2012/08/como-igreja-catolica-tratava-biblia.html

      Bom, eu acho que já temos uma leve ideia de qual seja essa igreja que abandona a verdade para seguir as FÁBULAS. Talvez seja a mesma igreja que crê que São Cristóvão é o protetor dos caminhoneiros, que São Jorge derrotou um dragão, que agradece a São Longuinho com três pulinhos quando ele magicamente encontra pra você um objeto perdido, que incita que subam de joelhos as escadarias do grande Senhor do Bonfim, que leva em procissão pedaços de pau e gesso para depois beijá-los e se prostrar diante deles, e que acredita em imagem de Nossa Senhora que chora. Fábulas, fábulas e mais fábulas...

      Eu disse que não iria dizer o nome destes tais “falsos mestres”, mas como hoje estou dando muitas dicas, aqui vai mais uma: começa com “pa”, e termina com “pa”.

      Excluir
    2. São longuinho achar objetos perdidos é crença popular brasileira. E pq n refutou o q eu disse quando falei do casa dos presbiterianos, assembleianos, o pessoal da igreja universal, etc ?

      Excluir
    3. Sim, crença popular de um povo CATÓLICO cheio de crendices, superstições e fábulas, que não é jamais repreendido pelos padres para abandonar essas fantasias.

      Sobre Lutero e Calvino, há uma diferença enorme entre a crença dos evangélicos em relação a eles e a dos católicos em relação aos papas, porque NENHUM evangélico acredita que Lutero ou Calvino (ou quem quer que seja) eram infalíveis, como o católico credita ao papa. Portanto, nós não somos seguidores incondicionais de homens. Lutero e Calvino, assim como os outros servos de Deus, são certamente úteis, mas não temos qualquer obrigação a concordar 100% com eles em tudo, ou seja, a nossa mente permanece livre para aceitar ou rejeitar o que eles dizem, nossa consciência individual não está presa ou cativa como a dos católicos que seguem o papa incondicionalmente.

      Excluir
    4. Mas e o meu comentário que eu disse que eles iriam tomar mestre para si mesmos ?

      Se você perguntar para um cara da presbiteriana ou batista tradicional pq eles não são da assembléia, eles vão dizer q não acreditam nas linguas estranhas e n concorda cm outras doutrinas

      Se você perguntar para um da assembléia pq é da universal, ele vai dizer q n concorda com a teologia da prosperidade e outras doutrinas

      Ou seja, isso n é tomar mestre pra si mesmo ?

      Excluir
    5. Se o problema é o dom de línguas, saiba que na RCC (movimento católico, nunca excomungado pelo papa) os católicos dali também creem em batismo no Espírito Santo e no dom de línguas, inclusive este padre abaixo (o famoso padre Jonas) ENSINA o povo católico a falar em línguas repetindo o que ele diz:

      https://www.youtube.com/watch?v=IJtF8-Hj_zE

      Mas é claro que, pra você, se dois evangélicos tem opiniões diferentes sobre o dom de línguas é DIVISÃO, mas se dois católicos tem opiniões diferentes sobre a mesma questão é UNIDADE.

      Tomar mestre para si mesmo é seguir um guru, ou seja, seguir cegamente e incondicionalmente um indivíduo que se acha um "mestre", e NENHUM evangélico instruído faz isso. Nosso único mestre é Cristo, os demais são seres falíveis que tem coisas boas e ruins. Só quem segue incondicionalmente e acriticamente a um mestre humano são os católicos, que atribuem infalibilidade ao papa.

      Excluir
  2. Lucas, vi em um comentário que você planeja falar mais sobre a história e não doutrinas da Igreja. Você poderia então falar sobre o cisma de 1054 D.C ? Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, vou postar sobre isso um artigo amanhã mesmo. Abs.

      Excluir
    2. Aqui está:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2015/11/como-igreja-de-roma-rachou-igreja-de.html

      Excluir
  3. Lucas o que vc acha disso
    https://m.facebook.com/fimdafarsa/posts/441734732566484

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara, quando ele disse que "segundo a polícia federal existem mais pastores do que padres pedófilos", eu fiquei animado para ver a fonte oficial da polícia federal de onde ele tirava esses dados, e daí no final do artigo eu leio:

      "Fonte: Yahoo! Respostas,Brasil!"

      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Sério, pra alguém dar crédito a um animal desses (Paulo Leitão), tem que ter batido a cabeça duzentas vezes contra a parede, ou caído do colo quando era bebê, esse tipo de coisa parece surreal, nem nos outros apologistas católicos medíocres eu vejo tanta barbaridade.

      E sobre a imoralidade do clero católico, publiquei há pouco um artigo sobre isso:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2015/11/a-profunda-e-chocante-depravacao-moral.html

      Abs.

      Excluir
  4. Os papistas ficam doidos , Banzoli neles !

    ResponderExcluir
  5. Lucas, você deseja passar a grande tribulação ou prefere já ter morrido ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sinceramente, eu tbm.

      Porém vigie, vai ter mais sofrimento nela do que hoje contra o corinthians. kkkkkkkkkk

      Excluir
    2. Hahahaha pior do que no domingo vai ser difícil =(

      Excluir
  6. Lucas, uma coisa interessante sobre a história da igreja evangélica é o movimento pietista e avivalista. Muitos o acusam de ser legalista e superficial, outros de ser um grande avanço para o cristianismo. Você poderia falar algo sobre estes movimentos no blog, e sobre seus lideres( Spener, Arndt, Wesley, Edwards) e suas vertentes(pietistas luteranos, o metodismo e o Movimento de Santidade,)? E o saldo destes movimentos é mais positivo ou negativo?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sou totalmente a favor destes movimentos, na minha opinião eles são a continuação da Reforma, que tinha como lema “Ecclesia reformata, semper reformanda” (Igreja reformada, sempre reformando). Nas próximas semanas vou escrever um artigo que abordará estes movimentos. Abs.

      Excluir
  7. Será que os catacas não cansam de apanhar? E ainda vem aqui se auto refutar usando 2 Tm 4:3 e as fábulas católicas, eles se superam a cada dia em ser tão ridículos.

    ResponderExcluir
  8. Olá Lucas,

    Eu escrevi um post curto de profecias futuristas resumidas e a sua relação com o preterismo. Você pode até não concordar, mas vai achar interessante.

    https://plus.google.com/+RodrigoSilvaBarros/posts/V6jQ9gZBGyi

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Legal seu texto (embora você saiba que eu discorde em boa parte). Eu só gostaria de saber quais são essas fontes extrabíblicas que você afirma, e se possível em que obra e capítulo de Irineu ele afirma que o anticristo virá da tribo de Dã e será filho de uma prostituta. Obg.

      Excluir
    2. Lucas,

      Eu preferi à sua dúvida no post citado acima (o primeiro comentário é o meu, como resposta), porque aqui no Blogger há limite de caracteres.

      []s

      https://plus.google.com/+RodrigoSilvaBarros/posts/V6jQ9gZBGyi

      Excluir
    3. Obg.

      Vou lançar nos próximos dias um artigo sobre como eu vejo os últimos dias, na minha perspectiva.

      Excluir
    4. Lucas,

      Estudando mais, eu montei uma espécie de Calendário Profético.

      https://plus.google.com/+RodrigoSilvaBarros/posts/jGJPXuutL7n

      []s

      Excluir
    5. Lucas,

      Eu acho que com esse artigo, mais detalhado e panorâmico acerca da Terceira Guerra Mundial, posso finalmente considerar o assunto encerrado.

      https://plus.google.com/+RodrigoSilvaBarros/posts/fcTRYiYCfhy

      []s

      Excluir
  9. Lucas 21 quando está falando sobre a destruição de Jerusalém está falando sobre a de 70, né?

    ResponderExcluir
  10. A mudança católica provavelmemte teve influência gnóstica. Crença de que a matéria (nesse caso morar na terra) é maldita.

    O estranho é que os que mais falam contra o gnosticismo é a Igreja Católica, mas não admite que esta crença está infestada lá dentro: celibato, imaculada conceição, virgindade perpetua e muitas outras doutrinas.

    Segundo este site Ortodoxo, o pecado original de acordo com a doutrina católica tb tem influencia gnóstica (fruto da filosofia de Agostinho). E foi por esta crença que Agostinho defendia o batismo infantil

    http://cetroreal.blogspot.com.br/2012/12/o-pecado-original-doutrina-ortodoxa-ou.html



    ResponderExcluir
  11. lUCAS O PRETERISMO COMPLETO É HERETICO.MAS NOS PRETERISTA PARCIAS CREMOS NO RETORNO LITERAL DE CRISTO DESCRITO EM ATOS 1 E 1 CORINTIOS 15.QUANDO ELE ESMAGAR TODOS OS INIMIGOS E O ULTIMO E A MORTE E ENTRAGAR O REINO A DEUS. SOMENTE TAMBEM CREIO QUE MATEUS 24 MARCOS 13 E LUCAS 21 FALA DA VINDA EM JUIZO CONTRA JERUSALEM PAROUSIA MANIFESTACAO DIFERENTE DO ULTIMO DIA. MATEUS 24 NAO FALA DE RESSUREICAO

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Veja os artigos dessa tag:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/search/label/Preterismo

      O preterismo é uma invenção do século XVI criada por teólogos católicos para desviar o foco da Igreja Romana como a Babilônia do Apocalipse e do papa como o anticristo ou falso profeta. E lastimavelmente alguns protestantes mais ingênuos morderam a isca.

      Excluir
  12. lUCAS BANZOLI EM 70DC ACABOU OS ULTIMOS DIAS DA ERA JUDAICA EM MATEUS 24 NAO FALA DE FIM DO KOSMOS MAS SIM FIM DO AION. FIM DA ERA JUDAICA E INICIO DO REINO MESSIANICO NO QUAL JA ESTAMOS .VELHA ALIANCA TINHA ENVELHECIDO E SEU CUME FOI A DESTRUIÇÃO DO TEMPLO

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A velha aliança acabou com a morte e ressurreição de Cristo por volta de 30 d.C ou um pouco antes, e não com a destruição do templo em 70 d.C. Desde a morte e ressurreição de Cristo já vivemos no tempo da nova aliança e Paulo fala tantas vezes sobre isso que até me dá preguiça de ir buscar os trocentos textos.

      Excluir

Seu comentário será publicado após passar pela moderação. Ofensas, deboches, divulgação de páginas católicas (links), control c + control v e manifestações de fanatismo não serão aceitos. Todos os tipos de perguntas educadas são bem-vindas e serão respondidas cordialmente. Caso o seu comentário ainda não tenha sido liberado dentro de 24h, é possível que ele não tenha chegado à moderação, e neste caso reenvie o comment.