9 de agosto de 2012

Os horrores da transubstanciação


Um dos pontos principais da fé católica diz respeito à crença de que o pão e o vinho servidos na Ceia do Senhor (chamada de eucaristia) se tornam literalmente no corpo e sangue de Cristo, num processo que é chamado por eles de “transubstanciação” (transformação de substância). Cristo, para eles, é literalmente mordido, comido e dilacerado pelos fieis. A coisa é tão séria que eles são obrigados a comerem a própria alma e a divindade de Cristo! 

"Se alguém negar que no Santíssimo Sacramento da Eucaristia está contido verdadeira, real e substancialmente o corpo e sangue juntamente com a alma e divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo, e por conseguinte o Cristo todo, e disser que somente está nele como sinal, figura ou virtude — seja excomungado" (Concílio de Trento, Cânones Sobre a Santíssima Eucaristia)

"Se alguém negar que aquilo que se oferece na missa não é Cristo para ser comido, seja excomungado" (Concílio de Trento, citado em A Igreja que veio de Roma, op. cit., p. 127)

Tomás de Aquino afirmou que os católicos comem também os ossos e nervos de Cristo:

“Por virtude deste sacramento, contém-se sob as espécies... o corpo de Cristo, com Seus ossos, nervos, etc (Tomás de Aquino, Summa Theologica _ P. III, Q. 76, Art. 1, ad. 2)

Como se isso não fosse suficiente para classificá-los junto aos atos canibais praticados pelos outros povos idólatras e pagãos, que comem carne humana mas pelo menos não chegam ao cúmulo de comerem uma própria divindade(!), o Concílio de Trento declara que, se um padre se sentir mal durante a missa e vomitar a hóstia, ele tem que engolir aquilo que pôs para fora:

"Se um padre se sentir mal durante a celebração da missa e vomitar a hóstia, deve engolir o que pôs para fora" (Concílio de Trento, citando o Missal Romano, p. 58)

"Se uma hóstia se partir em pedaços... [e uma] parte cair no altar, o lugar deve ser lambido com a língua"(Concílio de Trento, Seção XIII 3-D, 876)

Por favor, não me peçam para imaginar essa cena. Não é sobre isso que o artigo está tratando. Até porque isso não é tudo: se, por acaso, alguma hóstia cair no chão e um rato a acabar comendo, Deus está sendo devorado pelos ratos:

“No Canadá, o jovem padre Daule descuidou de umas hóstias, horrorizado viu ratos devorando-as! – Correu em direção ao bispo exclamando: Os ratos comeram nosso bom Deus!" (citado pelo padre Chinquini, sua biografia, pág. 334)

"Se um morcego engolir uma hóstia terá engolido o próprio Cristo!" (Roma, a Igreja e o Anticristo, pág 280)

A Grande Enciclopédia Francesa diz:

“Os teólogos católicos imaginaram os povos mais feiticistas e os cultos mais idólatras! – Tomam a farinha cozida e o vinho e dizem: Eis nosso Deus, comei-o!"(La Grande Enciclopedie Française)

Obviamente, uma aberração como essa não poderia ter fundamento bíblico. De fato, a Palavra de Deus não declara que Jesus voltaria aqui bilhões de vezes na forma de um pão para ser mordido e dilacerado por milhões de pessoas, mas sim que o Céu iria contê-lo até o tempo da restauração de tudo:

"O qual convém que o céu contenha até aos tempos da restauração de tudo, dos quais Deus falou pela boca de todos os seus santos profetas, desde o princípio" (Atos 3:21)

O vinho era uma representação do sangue de Cristo, e não o sangue de forma literal e materialista. Se fosse sangue literal, os cristãos do século I estariam pecando ou entrando em forte contradição, pois eles afirmavam que era pecado não se abster do sangue:

Que vos abstenhais das coisas sacrificadas aos ídolos, e do sangue, e da carne sufocada, e da prostituição, das quais coisas bem fazeis se vos guardardes. Bem vos vá” (Atos 15:29)

Se o sangue era literal, eles estariam pecando, pois era proibido aos cristãos o consumo de sangue humano. Se, porém, a linguagem fosse simbólica ou espiritual, então os cristãos não estariam pecando ao realizarem a Ceia do Senhor. Qual lhe parece o mais provável?

No próprio contexto da passagem mais utilizada pelos católicos, em João 6 (que, por sinal, não é um texto eucarístico, mas soteriológico), Cristo afirmou que aquilo que ele estava dizendo, sobre comer a carne e beber o sangue do Filho do homem, não era uma linguagem literal ou material, mas espiritual e simbólica. Ele disse:

“O espírito é o que vivifica, a carne para nada aproveita; as palavras que eu vos disse são espírito e vida (João 6:63)

Se ele estivesse falando em termos materiais, físicos e literais, teria dito que “as palavras que eu vos disse são materiais e literais”. Porém, o que ele dizia estava em um contexto espiritual, não físico. Devemos interpretar que o pão e o vinho são a carne e o sangue de Jesus no mesmo sentido que Cristo disse:

“Eu sou a porta” (João 10:9)

“Eu sou a videira verdadeira” (João 15:1)

“Eu sou a luz do mundo” (João 9:25)

“Eu sou o pão da vida” (João 6:48)

“Eu sou a porta das ovelhas” (João 10:7)

“Eu sou o caminho” (João 14:6)

-Cristo não se transformou fisicamente numa estrada a ser trilhada por Seus ouvintes por ter dito que era o Caminho.

-Cristo não se transformou num grande farol a emitir luz para o mundo inteiro ao dizer que era a luz do mundo.

-Cristo não se transformou em uma árvore por ter dito que era uma videira verdadeira.

-Cristo não se transformou em um pedaço de madeira com maçaneta por ter dito que era a porta.

Mas os católicos pensam que, por Cristo ter dito que o pão era o seu corpo e o vinho o seu sangue, ele se transforma literalmente e substancialmente em um pedaço de pão, para ser mordido, comido e dilacerado por milhões de fieis que supostamente comem a alma e a divindade de Cristo, que às vezes é comida até mesmo por ratos ou outros animais – e tomara que ninguém vomite a hóstia, senão já vimos o que vai acontecer.

Por Cristo e por Seu Reino,
Lucas Banzoli (apologiacrista.com)


-Meus livros:

-Veja uma lista completa de livros meus clicando aqui.

- Acesse o meu canal no YouTube clicando aqui.


-Não deixe de acessar meus outros sites:
Apologia Cristã (Artigos de apologética cristã sobre doutrina e moral)
O Cristianismo em Foco (Reflexões cristãs e estudos bíblicos)
Estudando Escatologia (Estudos sobre o Apocalipse)
Desvendando a Lenda (Refutando a Imortalidade da Alma)
Ateísmo Refutado (Evidências da existência de Deus e veracidade da Bíblia)

11 comentários:

  1. Lucas, como todo protestante vc usa de malabarismos para tentar justificar a doutrina herética que segue, só para ilustrar as passagens que citou inutilmente “Eu sou a luz do mundo” (João 9:25), só que vc tem que ter em mente que Jesus nunca falou realmente que ele era verdadeiramente uma lampada encandecente, fluorescente ou led; “Eu sou a porta” (João 10:9) só que nunca Jesus falou que ele era verdadeiramente uma porta de madeira, metal ou vidro; ou “Eu sou o caminho” (João 14:6) só que nunca Jesus falou que ele era verdadeiramente uma estrada ou rodovia, porém deixou explicito sim em São João 6, 54 - 56
    6:54: Quem come a minha carne e bebe o meu sangue tem a vida eterna; e eu o ressuscitarei no ultimo dia.
    6:55: Porque minha carne verdadeiramente é comida, e o meu sangue verdadeiramente é bebida.
    6:56: Quem come a minha carne e bebe o meu sangue permanece em mim e eu nele.
    Vcs chegam a ser ridiculosssssss

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Refutado, amiguinho(a) Papalfa:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2014/12/o-novo-e-bombastico-argumento-catolico.html

      Obrigado por deixar aqui sua sabedoria e por desperdiçar seu tempo tão precioso. Já pode voltar pro recreio agora.

      Excluir

    2. *Se naquela ocasião em que Jesus disse “Isto é o meu corpo” realmente tivesse ocorrido a tão propalada “transubstanciação”, então somos levados a acreditar que existiam naquele momento dois corpos do Senhor. Levando esse dogma às últimas conseqüências, teremos isto: Jesus pegou aquele pedaço de pão, já transformado em seu corpo (com divindade e alma, segundo crêem os católicos) e deu-se a si mesmo para seus discípulos comerem. Depois de terem comido o corpo do Mestre, os discípulos sentaram-se ao seu lado. E mais: Jesus também teria comido e engolido a si próprio, pois certo é que ele também participou da ceia! e tudo issi antes de morrer

      Excluir
    3. A transubstanciação é uma crença que tem por base a filosofia aristotélica, que estabelece a distinção entre substância e os respectivos acidentes: segundo o aristotelismo, qualquer substância pode sofrer alterações sem que os seus acidentes sofram a correspondente transformação. E nesta concepção que se estriba este dogma católico. Ora, a ciência moderna provou a inexactidão desta visão filosófica.

      Excluir
    4. Isso sem falar que Tomás de Aquino deturpou a filosofia aristotélica, como pode-se ver aqui:

      http://conhecereis-a-verdade.blogspot.com.br/2014/06/tomas-de-aquino-deturpou-filosofia.html

      Excluir
  2. QUANDO JESUS FAZ O MILAGRE, É VISTO E PERCEBIDO :
    NO MILAGRE EM CANÁ, OS HOMENS VIRAM E O MESTRE SALA PERCEBEU O GOSTO DO VINHO QUE FORA TRANSFORMADO E QUE OUTRORA ERA ÁGUA ;
    POIS EM JOÃO 6 NÃO SE TRATA DE MILAGRE, DO CONTRÁRIO, JOÃO TEREIA REGISTRADO, O MILAGRE DO PÃO SENDO TRANSFORMADO EM CARNE E O VINHO SENDO TRANSFORMADO EM SANGUE ;
    SE ENTENDE QUE AS PALAVRAS DE JESUS SÃO SIMBÓLICAS E ESPIRITUAIS .

    ResponderExcluir
  3. Como sugeriu um comentarista acima, a santa ceia parece, de fato, ser um símbolo (um memorial), pois, na primeira santa ceia, da qual participaram o próprio Mestre e os apóstolos, Jesus não tinha sido crucificado ainda, logo "pão" e "sangue" não podem trazer a ideia de transubstanciação.

    ResponderExcluir
  4. A transubstanciação é realmente um dogma muito bizarro. Mais bizarro do que possa parecer. Ora, se realmente realmente o pão e o vinho se transformam no sangue e no corpo de Cristo; então, depois da ingestão do pão e do vinho, que é o sangue e o corpo de Cristo, segundo a teologia católica, as fezes, formadas no processo de digestão Também pode ser considerada o corpo de Cristo, dada as consequências dessa doutrina.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não sei o que é pior: se é isso o que você bem observou, ou se é acreditar que um pão não é pão, mas um "disfarce" de pão...

      Excluir
    2. As consequências desse dogma é aberrante. Infelizmente os católicos não tem noção das consequências absurdas se aceitaremos esse tipo de dogma.

      Excluir

Seu comentário será publicado após passar pela moderação. Ofensas, deboches, divulgação de páginas católicas (links), control c + control v e manifestações de fanatismo não serão aceitos. Todos os tipos de perguntas educadas são bem-vindas e serão respondidas cordialmente. Caso o seu comentário ainda não tenha sido liberado dentro de 24h, é possível que ele não tenha chegado à moderação, e neste caso reenvie o comment.