13 de setembro de 2012

7 Perguntas aos católicos sobre a intercessão dos santos


Abaixo, uma lista de santos que supostamente curam as enfermidades dos católicos que rezam a eles. Com todos estes santos, o católico nem precisa ir à farmácia ou passar no médico (risos):

Desinteria – Santa Matrona.
Dor (contra) –
São Madron.
Dor de dente (contra) –
Santa Apolonia.
Dor de ouvido (contra) –
São Polycarpo.
Dor de cabeça (contra) –
São Denis, São Avertinus.
Dôr de estômago (contra) –
São Wolfgang.
Dôr na coluna (contra) –
São Bernardo.
Doenças nos braços -
Santa Amélia.
Doenças na cabeça -
São Atazano e Santa Catarina de Siena.
Doenças do coração –
São João de Deus.
Doenças do estômago (contra) –
Santa Juliana Falconiere e São Brice.
Doenças da garganta –
São Braz.
Doenças da infância (contra) –
São Aldegundo e São Pharaildis.
Doenças das juntas -
São Lorenzo.
Doenças da língua -
São Romão.
Doenças nos olhos (contra) –
Santa Luzia e São Hervé.
Doenças nas pernas (contra) –
São Servatius.
Doenças nos pés -
São Roque e São Victor de Marseilles.
Doenças da pele (contra) –
São Peregrine Laziosi, São Bartolomeu.
Doenças dos rins (contra) – São Albino.
Doenças do reto (contra) -
São Fiacre.
Doenças nos seios doenças (contra) –
Santa Ágata.
Enjôo do mar (contra) –
São Elmo.
Eczemas (contra)–
Santo Antônio , o grande.
Enxaqueca (contra) –
São Gereon.
Emergências –
São Expedito.
Epidemia (contra) –
Santa Godberta.
Epilépcia (contra) –
São Dymphna; São Vito.
Esterilidade (contra) –
São Henry II
Furúnculo -
Santo Antonio Abade.
Gripe (contra) –
São Maurus.
Gota (contra) –
São Maurice.
Hepatite-
São Odilon.
Histeria -
São Vito e São Columbago.
Hemorragia (contra ) –
Santa Luzia.
Hemorroidas (contra) –
São Fiacre.
Hérnia (contra) –
São Conrado e São Drogo.
Histeria -
São Vito e São Columbago.
Impotência (contra) –
São Winwaloe e São Gummarus.
Infertilidade (contra) –
Santa Rita.
Leprosos –
São Lázaro e São Job.


Agora deixem-me fazer algumas perguntas:

O “São Lázaro” só ora pelos leprosos? Se, por exemplo, eu não tiver lepra, mas tiver uma doença nos rins, e rezar ao São Lázaro, ele não vai me atender?

Como o “São Lázaro” sabe dos pedidos de todos os milhares de fieis que rezam a ele nos quatro cantos do mundo, em todas as eras da humanidade e ao mesmo tempo, se ele não tem o caráter da onipresença? Por exemplo, se um católico na China estiver rezando a São Lázaro exatamente no mesmo momento em que um católico no Brasil, outro nos Estados Unidos e outro em Angola fazem exatamente o mesmo, quem é que São Lázaro vai atender? Se ele consegue atender todo mundo junto, como ele consegue estar nestes vários lugares ao mesmo tempo, e ouvir a todos estes simultaneamente, sem conceder a ele nenhum atributo divino de onipresença ou onisciência?

E se, enquanto o nosso São Lázaro intercede pelo católico chinês leproso, dez outros fieis começam a rezar a este santo simultaneamente, o que ele faz? Como ele tem tempo para interceder especificamente pelos pedidos de cada um deles, sem deixar ninguém “para o final da fila”? Se a resposta for que o tempo no Céu é diferente do tempo daqui e por isso esse problema não existe, como podemos medir a correspondência entre o tempo na eternidade e o tempo daqui?

Quanto tempo um santo passa rezando pelos fieis e quanto tempo ele passa fazendo outras coisas? Será que o santo não tem outra coisa a fazer a não ser ficar o dia inteiro intercedendo por cada um dos milhares de fieis que a ele rezam? Ele ainda encontra tempo para curtir o Céu, para louvar, para conversar com os outros santos, ou fica o tempo todo intercedendo?

Como podemos ter certeza absoluta de que todos estes santos estão mesmo no Céu, se a Igreja Católica ensina que ninguém pode ter certeza da salvação?

Mesmo se os santos estivessem mesmo no Céu, como a Bíblia diz que “Davi não subiu aos céus” (At.2:34), e que “no além, para onde vais, não há obra nem projeto, nem conhecimento, nem sabedoria alguma” (Ec.9:10)? Como que pode haver tanta intercessão no Céu, se não há qualquer conhecimento (das coisas que acontecem na terra), nem sabedoria (requisito necessário para uma intercessão bem feita), nem obras (e interceder é uma obra)? Note que o texto não está falando apenas do destino do corpo, mas do “além [Sheol]”(v.10), que os imortalistas dizem que é o local de ajuntamento das almas após a morte.

E, finalmente, a pergunta mais importante: será que orar ao Santo chamado Jesus Cristo, o Filho de Deus, não é suficiente para cumprir todos os ofícios de todos os outros santos? Será que eu, orando a Jesus, não seria atendido naquilo que seria atendido se rezasse ao São Lázaro? O que é mais eficiente: rezar ao santo ou orar direto a Jesus?

Aguardo anciosamente as respostas católicas.

Paz a todos vocês que estão em Cristo. 

Por Cristo e por Seu Reino,
Lucas Banzoli (apologiacrista.com)


-Meus livros:

-Veja uma lista completa de livros meus clicando aqui.

- Acesse o meu canal no YouTube clicando aqui.


-Não deixe de acessar meus outros sites:
Apologia Cristã (Artigos de apologética cristã sobre doutrina e moral)
O Cristianismo em Foco (Reflexões cristãs e estudos bíblicos)
Estudando Escatologia (Estudos sobre o Apocalipse)
Desvendando a Lenda (Refutando a Imortalidade da Alma)
Ateísmo Refutado (Evidências da existência de Deus e veracidade da Bíblia)

5 comentários:

  1. VOCE DEVERIA PERGUNTAR ISSO AO PAPA, PORQUE É ELE QUEM DESCOBRE ATRAVÉS DE SINAIS E ACONTECIMENTOS.
    TEMOS QUE RESPEITAR TODAS AS RELIGIÕES, PORQUE DEUS É UM SÓ, LEMBRE-SE DISSO.
    FIQUE COM DEUS.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Anônimo. Se eu entendi bem o seu comentário, os católicos não precisam usar de lógica, bom senso, argumentos bíblicos ou patrísticos para fundamentar suas posições, basta jogar tudo nas costas do papa? Quer dizer que o papa é o único que pode explicar e defender os dogmas católicos?

      Através de que "sinais e acontecimentos" que o papa descobriu isso? E qual papa que descobriu isso?

      Temos que respeitar todas as religiões, mas defender a verdadeira. Temos que respeitar todas as religiões, mas nunca sem esquecer que há um só caminho a Deus, que não é Maomé, Maria, Buda ou o papa, mas Jesus Cristo (João 14:6). E defender essa verdade da fé cristã não é ofender os que tem religiões diferentes, mas amá-los a tal ponto de mostrar o Caminho para que conheçam a verdade, e a verdade as liberte. Melhor dizer a verdade, ainda que a verdade doa, do que não dizer nada e deixar que a mentira os mate.

      Abraços.

      Excluir
  2. Tudo bem, tentarei o meu melhor.

    1) Não é só para leprosos. Cuidado para não confundir a doutrina Católica com a religiosidade popular, acho que não fez de má fé.

    2,3 e 4) O erro é o mesmo. Seu argumento seria válido se você acha que estar no paraíso é como estar na sala ao lado, em que alguém teria restrições de tempo e espaço. No céu não há tempo nem espaço, tudo acontece em um eterno Presente. Você está certo em dizer que eles não têm 'tempo' de ouvir todas essas orações, porque, aliás, eles não têm 'tempo' nenhum, estão, sim, além do tempo e do espaço.

    5) Ninguém pode ter certeza da salvação. A Igreja sim. Ela declara que uma pessoa viveu uma vida santa e exemplar e que com a graça de Deus está salva. E recomenda que sigamos o exemplo dessas pessoas.

    6) Você fez uma confusão danada. Há uma diferença enorme entre paraíso e o 'reino dos mortos' em se tratando de AT. Veja exemplos de São Paulo falando dos mortos:

    ''É também por isso que, vivos ou mortos, nos esforçamos por agradar-lhe.'' (II Coríntios 5, 1-9)

    "Conheço um homem em Cristo que há catorze anos foi arrebatado até o terceiro céu. Se foi no corpo, não sei. Se fora do corpo, também não sei; Deus o sabe. E sei que esse homem – se no corpo ou se fora do corpo, não sei; Deus o sabe – Foi arrebatado ao paraíso e lá ouviu palavras inefáveis, que não é permitido a um homem repetir. Desse homem eu me gloriarei, mas de mim mesmo não me gloriarei, a não ser das minhas fraquezas." (II coríntios 12, 2-5)

    E principalmente das inúmeras intercessões de santos no Apocalipse e a parábola de Lucas 16,22-28 em que um morto busca interceder por sua família.

    7) Pedir a um santo é pedir a Deus. E dar glória a Ele. Seu argumento é como o de Coré, em Números 16. Ele perguntava-se porque pedir para Moisés e não diretamente a Deus. Lembra o que lhe aconteceu quando foi direto a Deus e não a Moisés? Além do que, ensina Tiago em sua carta, a oração do justo tem mais valor. Da mesma forma que Pedro, a pedido de seus discípulos, intercedeu por Tábita. Ou você acha que seus discípulos deveriam dizer à ela ''Peça diretamente a Deus porque ele já cumpre todo o ofício!''. Bem, é claro que qualquer santo perto de Deus é um absoluto nada. Mas Jesus quis fazer assim sua mediação, também através de outras pessoas.

    Em resumo, católicos não precisam dar base bíblica de nada. Somos guiados também pelo Magistério e pela Tradição. Desde tempos antiquíssimos já se encontra pedido de orações para santos e mártires (há pinturas nas catacumbas do século II que confirmam isso). Além do que, os incontáveis milagres por intercessão de santos já é o suficiente para tirar qualquer dúvida. Pesquise isso.

    Paz e bem!
    João Marcos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. (1) Certo. Então qual a necessidade de se ter um "santo dos leprosos" se todos os outros santos também oram pelos leprosos? Há algo que são Lázaro faria pelos leprosos que os outros santos não poderiam fazer?

      (2) (3) (4) O fato de o tempo na eternidade ser diferente do tempo terreno não torna os santos oniscientes ou onipresentes para que possam atender as orações de milhares de fieis católicos ao mesmo tempo, inclusive em pensamento. Só Deus pode ler os pensamentos. Então imagine Deus ouvindo a oração em pensamento de alguém que reza a algum santo, e ao invés de atender prefere passar o recado a este santo intercessor, que depois repassa o mesmo recado a Deus que só depois de toda essa burocracia o atende! Se a coisa fosse tão simples como você diz, os israelitas não diriam que Abraão não os conhecia, já que Abraão teoricamente seria um intercessor do povo israelita no Céu:

      "Mas tu és nosso Pai, ainda que Abraão não nos conhece, e Israel não nos reconhece; tu, ó Senhor, és nosso Pai; nosso Redentor desde a antiguidade é o teu nome" (Isaías 63:16)

      (5) A "Igreja" que você diz se refere a homens falíveis e mortais, como o papa e o magistério romano. Os próprios doutores católicos afirmam que O PROCESSO DE CANONIZAÇÃO NÃO É INFALÍVEL:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2013/07/o-processo-de-canonizacao-dos-santos-e.html

      Se o processo de canonização dos santos não é infalível, então não se pode saber se um santo foi salvo mesmo ou não. Só Deus pode conhecer o interior da pessoa, os outros só podem conhecê-la externamente. Só Deus conhece os pecados ou as caridades praticados em segredo, só Deus esteve cada segundo observando a vida daquela pessoa, só Deus sabia o que se passava nos pensamentos dela e só Deus sabe as intenções do coração do homem. Portanto, só Deus pode saber se alguém foi salvo ou não. O papa não tem a mínima condição de saber isso, pois tal coisa só será revelada no dia do Juízo, na volta de Jesus. A não ser que o papa seja um verdadeiro deus na terra e já saiba antecipadamente o resultado do jogo, ele também é um mero expectador para o juízo do grande dia.

      Excluir
    2. (6) Você distorceu completamente o sentido do texto de 2Co.5:1-9, ele nada fala sobre um estado intermediário dos mortos, mas sim da ressurreição onde Paulo obteria o "revestimento" do corpo imortal não feito por mãos humanas:

      http://desvendandoalenda.blogspot.com.br/2013/08/partir-e-estar-com-cristo.html

      Portanto, o "ausente" no texto é a ausência DESTA TERRA, mas não para um estado intermediário, e sim para o estado PÓS-RESSURREIÇÃO, leia o artigo, aprenda a fazer exegese.

      Sobre o texto de Paulo, isso aconteceu com ele VIVO, nada fala sobre o estado dos MORTOS. E quanto à parábola do rico e Lázaro, ela já foi completamente explicada aqui:

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2013/05/estudo-completo-e-aprofundado-sobre.html

      (7) Você simplesmente não respondeu a pergunta. Eu não perguntei de quem era a glória. A pergunta foi clara: em que pedido direto a Jesus ele não atenderia, mas o santo católico sim? O caso da revolta de Coré não tem absolutamente nada a ver com isso, não distorça as coisas. Moisés foi o mediador de Deus no tempo do AT, por intermédio de quem Deus deu a Lei aos israelitas, por isso eles precisavam obedecê-lo. Mas no NT, ou seja, no tempo da graça, onde estamos, não existe outro mediador senão um só: Jesus Cristo (1Tm.2:5), que é o mediador da Nova Aliança pelo seu sangue que ele pagou na cruz, reconciliando o homem com Deus. Nesta vida podemos interceder uns pelos outros, mas através de um único mediador nos céus, Jesus Cristo. E quando nós intercedemos por alguém na terra estamos intercedendo POR aquela pessoa, não estamos orando PARA aquela pessoa, como vocês fazem. Você usa dois casos completamente distintos como se fossem similares, mas não são. Se eu peço a oração de alguém por mim eu não estou orando a este alguém, diferentemente de vocês, que oram diretamente ao santo.

      Sobre os "milagres" dos santos, este é o argumento mais pobre que eu já vi, já que TODAS as religiões no mundo tem registros de milagres, mas sabemos que não podem ser todas verdadeiras ao mesmo tempo. Também sabemos que o diabo tem poder para realizar milagres, como fica claro em toda a Bíblia (escrevi sobre isso aqui):

      http://heresiascatolicas.blogspot.com.br/2012/10/os-milagres-na-igreja-catolica-sao-de.html

      Se o diabo também faz milagres, ninguém pode confiar em um milagre para creditar a veracidade da fé. Prove com argumentos lógicos, racionais, históricos e bíblicos, e não com falácias.

      Excluir

Seu comentário será publicado após passar pela moderação. Ofensas, deboches, divulgação de páginas católicas (links) e manifestações de fanatismo não serão aceitos. Todos os tipos de perguntas educadas são bem-vindas e serão respondidas cordialmente. Caso o seu comentário ainda não tenha sido liberado dentro de 24h, é possível que ele não tenha chegado à moderação, e neste caso reenvie o comment.